sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

" A cultura e a disputa de hegemonia" é tema de Seminário de Políticas Públicas do PT

Seminário discute o rumo das políticas culturais, mobilizando ativistas e gestores da cultura do Rio Grande do Sul


No último sábado, 15 de dezembro, cerca de 100 militantes e gestores da cultura de todo o Rio Grande do Sul participaram do Seminário de Políticas Culturais do PT-RS. O evento, organizado pela Setorial de Cultura do PT-RS, ocorreu no Espaço Convergência da Assembléia Legislativa. Contou com painelistas como os secretários estaduais de Cultura dos estados do Rio Grande do Sul e da Bahia, Assis Brasil e Albino Rubim, o diretor da Ancine, Gláuber Piva, o Secretário-Adjunto de Cultura do Estado, Jéferson Assumção, o ativista cultural Leandro Anton, além dos secretários nacional e estadual de Cultura do PT, Edmílson Souza e Jackson Raymundo. A vereadora de Porto Alegre Sofia Cavedon representou a Executiva Estadual do PT/RS.

Considerando que a disputa de hegemonia é estratégica no momento em que o PT completa dez anos no governo federal, o painel da manhã teve como tema “A cultura e a disputa de hegemonia”. Para o sociólogo Albino Rubim, Secretário de Cultura do Estado da Bahia, “a disputa no Brasil hoje se dá por valores, pela cultura”: “o campo da cultura é um campo de conflitos, de disputa. Queremos desenvolver a cultura, mas um determinado tipo de cultura, uma cultura cidadã”, afirmou.

Tal visão foi corroborada por Glauber Piva. Para o primeiro secretário nacional de Cultura do PT, “a disputa da cultura é a disputa do sensível, do que nos afeta”. “As novas disputas no Brasil estão no plano dos valores”, frisou, promovendo um questionamento: “o saldo das políticas sociais representam um avanço contra-hegemônico?”. Glauber defendeu que “não dá pra pensar a cultura sem pensar em cultura e comunicação”.

Jéferson Assumção destacou o surgimento dos movimentos sociais da cultura na última década. “Geram uma economia própria, colaborativa”, ressaltou. Para ele, “existe o Estado, o mercado e o comum. Cada um tem as suas instituições, mas hoje prevalece o comum, a ‘economia do comum’. Temos a política do Estado, a política do mercado e a política do comum”. Assim, Jéferson defendeu que “o PT precisa saber se relacionar com uma juventude que não quer ser massa, mas sujeito, comum”.

Na parte da tarde, o Seminário seguiu com o debate sobre “As novas políticas culturais”, contando com a intensa participação do público. Leandro Anton, do Ponto de Cultura Quilombo do Sopapo e da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura, falou a partir da gestão com o protagonismo da sociedade civil, contextualizando, ainda, no cenário de mudanças nos últimos anos na política cultural.

Edmilson Souza, secretário nacional de Cultura do PT, falou sobre a experiência de ser secretário municipal de cultura (em Guarulhos, SP) e dos desafios atuais da política nacional de cultura. Relacionando a formulação de políticas culturais ao projeto geral do PT para a sociedade, Edmílson afirmou: “nós não estamos em busca da identidade, mas das identidades”; o modo petista de governar as políticas culturais teria, então, o desafio de fomentar ações de valorização da diversidade cultural.

Sofia Cavedon, representante da Executiva Estadual do PT, elogiou o debate e a mobilização, em especial dos novos gestores municipais, sugerindo que haja um diálogo maior entre as temáticas da cultura e da educação. Para Jackson Raymundo, secretário de Cultura do PT, o Seminário serviu tanto para “iniciar a atualização programático-conceitual do PT na área da cultura”, quanto para “sintonizar os gestores municipais de cultura, especialmente os novos, ao projeto dos governos Lula/Dilma e do governo Tarso, que colocaram a cultura em outra dimensão”.

No próximo ano, a Setorial de Cultura do PT deverá realizar reuniões descentralizadas, no interior do Estado, e seminário de políticas públicas, capacitando os gestores de cultura dos municípios.

Fonte: http://culturanacionaldopt.blogspot.com.br



Postar um comentário