quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Quando os índios invadiram a Europa

Quando os índios invadiram a Europa.

Um libelo para os tempos atuais...


Quando os índios invadiram a Europa

“- Como ousavam?”- Se indagaram os brancos reis
Se não tinham mais que armas antiquadas
Se em seus barcos não cabiam mais que três
Se nem sabiam que o dinheiro era preciso
Se não se guiavam nem por regras, nem por leis
Se não exploravam nem o solo, nem os rios
Se não falavam nem o básico de inglês


Quando os índios invadiram a Europa
Todos riram... padres, nobres e plebeus
Se esses loucos não sabiam nem guerrear
E se o faziam, não lutavam por um Deus
Se só comiam o que a terra oferecia
Se não cercavam os domínios que eram seus                             
Se não sabiam transformar a natureza
Como podiam comparar-se aos Europeus?


Mas eles tinham seus poderes invisíveis
E foram, aos poucos, destruindo as cidades
Plantando árvores no lugar dos edifícios
Desnudando as pessoas, chocando a sociedade
Criando um novo mundo onde todos eram livres
E em cada voz só se escutava uma verdade
Onde não havia nem mais ricos, nem mais pobres
Onde se viu o que era, enfim, a igualdade


Sim, eles tinham seus poderes misteriosos
Seus espíritos da floresta,seus remédios naturais                                              
Os conselhos dos mais velhos,
                                  a coragem de seus bravos
E essa força sobre-humana de seus deuses ancestrais
E desde então já não se pôde destruir por destruir
Já não se pôde exterminar ou enjaular os animais
Já não se pôde livremente poluir o céu e as águas
E a terra fez-se pura como há muito tempo atrás
                       

Quando os índios invadiram a Europa
Já não mais se soube o que era lucro ou prejuízo
Pois a prata e o ouro só lhes serviam como enfeites
E o dinheiro, estranhamente,
                                    nunca mais se fez preciso
Agora, depois que os índios invadiram a Europa
Os senhores do mundo já não zombam com seus risos
E a vida passa, livre e bela, sem ter pressa
Pois desde então estamos aqui:
                                                           no paraíso!



Martim César

Nenhum comentário:

Jaguarão e Lago Merín - Refúgios de Belchior na Fronteira Sul

  Programa Café da Manhã do DCM recordou a passagem  de Belchior por Jaguarão e Lagoa Mirim- Aqui sendo recebido na Casa de Cultura Montevi...