sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Centro de Interpretación de Colonia


Matéria encaminhada pelo Professor do Curso de Turismo da Unipampa, Alan Dutra de Melo. O assunto é de especial importância para Jaguarão diante da iminente implantação em nossa cidade do Centro de Interpretação do Pampa.

Inauguran Centro de Interpretación de Colonia 


El jueves 6 de octubre a las 11 horas en Colonia del Sacramento, se inaugurará de forma oficial el Centro de Bienvenida, Interpretación y Turismo (BIT). Asistirán al evento el Ministro de Turismo y Deporte, Dr. Héctor Lescano; el Intendente de Colonia, Dr. Walter Zimmer; y autoridades vinculadas al sector. En el marco del Programa de Mejora de la Competitividad de los Destinos Turísticos Estratégicos, el Ministerio de Turismo y Deporte construyó este centro en la ciudad de Colonia del Sacramento con la financiación del Banco Interamericano de Desarrollo (BID) y el apoyo de la Intendencia de Colonia.

El BIT fue creado con el fin de traducir los valores patrimoniales del territorio, incentivar al visitante a que conozca aspectos de la cultura, la geografía y la actualidad de Uruguay, así como también informar la oferta de circuitos, nuevos destinos y productos turísticos del departamento y del país. En otro orden, el centro pretende agregar contenido a las visitas al departamento de Colonia, resaltando su valor patrimonial, dándolo a conocer y sensibilizando al público.

Entre los atractivos que se podrán visitar se destaca un espacio audiovisual “de inmersión” de 180 metros cuadrados, con un recorrido que permite observar aspectos de Uruguay desde una plataforma multimedia novedosa. El objetivo es estimular el interés y el conocimiento, y así contribuir a profundizar en los valores patrimoniales del país, del departamento y de la ciudad de Colonia del Sacramento, declarada Patrimonio Mundial por la UNESCO en 1995.

El equipo responsable de la propuesta arquitectónica y expositiva, se conforma por el Arq. Luis Zino, Arq. Guillermo Probst, Arq. Diego Ferrando, Arq. Daniela Freiberg, Arq. Juan Pedro Giordano, Ing.Agr. Rafael Dodera y la colaboración del Bach. Sebastián Pérez. El audiovisual es una realización de Álvaro Zinno, el diseño de sonido estuvo a cargo del Ing.  Fabián Oliver y la música original fue compuesta por Luciano Supervielle.


El Centro cuenta con una interesante propuesta gastronómica, la cual incluye platos criollos típicos, y una tienda de artesanías y exclusivos objetos de diseño nacional. El BIT cuenta además con un centro de información turística a cargo de personal calificado del Ministerio de Turismo y Deporte y de la Dirección de Turismo de la Intendencia de Colonia. A esto se agrega la comercialización de servicios turísticos a través de la agencia de viajes concesionaria de la Asociación Turística de Colonia.



El BIT está ubicado en la Calle Odriozola (ex Florida) 434, predio de la antigua Estación de AFE, Colonia del Sacramento.

UM OUTRO TIPO DE DOR

seres fantásticos de Lautréamont.- Escultura Jorge Añon 


Há, os poetas que cantam o amor
Se soubessem que há outro tipo de dor
Jamais mudariam
Lágrimas, lágrimas, lágrimas
Para todo o sempre amariam

Para quem sente a falta de um perfume
Rogo a Deus que permita
Permaneça a busca
Livrai do pesadelo que, enfim, ofusca
O peito de uma alma aflita

Jamais desista, alma penada
Jamais desvie, animal faminto
Nunca sinta o que eu sinto
Viva o luto, que pra mim é nada


Edson Julio Martins

terça-feira, 27 de setembro de 2011

El Novio de mi Nieta - Agarrate Catalina en Rio Branco


Gente Común. Gira 2011 de Agarrate Catalina. Show en el Club Unión de Rio Branco - Cerro Largo- UY na noite de 07 de agosto del 2011 

El novio de mi nieta

Lo principal es que el muchacho sea sanito

que no me fume ni me tome pa' empezar,
que haga deporte y se levante tempranito
que coma sano y no le guste trasnochar.

En lo posible, que sea cauteloso y cauto
que eso en el hombre es la virtud fundamental
(si no, que por lo menos tenga un auto,
porque la nena está aprendiendo a manejar).

Si es por pedir, yo pediría que sea lindo
pa que los hijos salgan lindos como él,
y si no es lindo, por lo menos que sea bueno
o por lo menos tenga un padre coronel.

Si es bien blanquito habrá que conocer los suegros
y averiguar cómo es la rama familiar.
No sea cuestión que tenga algún pariente negro
y andar mezclando el chocolate con el pan.

Los rubiecitos suelen ser casi un milagro,
pero algo turbio también pueden esconder.
Después te dicen que no tienen el prepucio 
y tienen toda la familia en Israel.

Que no sea chino ¡santo Dios, que no sea chino!
y digo chino en el sentido general.
Por eso: chino o de países similares
que no son chinos, pero son chinos igual.

Le pido a Dios que no me traiga un boliviano
y mucho menos un peruano, por favor.
Que sea católico apostólico romano
¡que no me vayan a enchufar ningún mormón!

Pero volviendo a tema horrible de los chinos,
el chino es loco por su honor y su moral,
si se le cae el cucurucho de un helado
igual se hace un harakiri en "La Cigale".

Que por favor, no vaya a ser un macumbero
ni una lesbiana disfrazada de varón
que no sea plancha ni tampoco metalero
que no sea hippie, patovica o maricón.
Ni paraguayo, ni chileno o ecuatoriano
(mucho charango, mucho indio y... el color...
No vas a andar lidiando vos con el problema
que en Uruguay Rivera ya solucionó.

Pero confío en su criterio y en su juicio:
ella solita va a poder elegir bien,
mientras que sea un hombre abierto y sin prejuicios
y que la quiera y que la acepte como es...


Glossário
La Cigale: Heladería montevideana muy reconocida.
Fructuoso Rivera: Pesa sobre su figura la acusación de que persiguió y mató indígenas charruas. Se destaca la matanza de Salsipuedes, donde casi se logró extinguir la población restante.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

A Piada do Merval Imortal

Hals -  charge publicada no Sul21


Num Sebo



Ontem, num Sebo,
Num Sebo da rua General Vitorino,
encontrei Bandeira, Olegário e, pasmem,
Lá estavam também
Drummond e Neruda...
E eu, com Vinícius
debaixo do braço,
Fiquei quieto, reverente, 
Ante a genial seleta
Que, do Sebo, em espiral,
Subia direto à alma...


Onde andaria Quintana?


De certo colhendo alumbres
Na Rua dos Cataventos...  


José Paulo Nobre

Do livro "Um milagre chamado Poesia"
O autor é Jaguarense, membro da Academia Rio-Grandina de Letras
Membro Fundador da Casa do Poeta Brasileiro no
Cassino-Rio Grande

domingo, 25 de setembro de 2011

Danton - O Processo da Revolução. Filme de Andrzej Wajda no Cineclube Jaguarão



Na primavera de 1794, Danton (Gérard Depardieu) retorna a Paris e constata que o Comitê de Segurança, sob a incitação de Robespierre (Wojciech Pszoniak), inicia várias execuções em massa. O povo, que já passava fome, agora vive um medo constante, pois qualquer coisa que desagrade o poder é considerado um ato contra-revolucionário. Nem mesmo Danton, um dos líderes da Revolução Francesa, deixa de ser acusado. Os mesmos revolucionários que promulgaram a Declaração de Direitos do Homem implantaram agora um regime onde o terror impera. Confiando no apoio popular, Danton entra em choque com Robespierre, seu antigo aliado, que detém o poder. O resultado deste confronto é que Danton acaba sendo levado a julgamento, onde a liberdade, a igualdade e a fraternidade foram facilmente esquecidas.

Título original: (Danton)
Lançamento: 1982 (França, Polônia)
Direção: Andrzej Wajda
Atores: Gérard Depardieu, Wojciech Pszoniak, Anne Alvaro, Roland Blanche.
Duração: 130 min
Gênero: Drama

Quando : Quinta feira, 29 de setembro, 19:30 hras
Onde : Cineclube da Casa de Cultura de Jaguarão 
Entrada Gratuita

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Sonya Prazeres, Eduardo Franco, Carlos Di Jaguarão e Oru am Sudá- Jacinto D'Água



Vídeo com imagens das Pinturas de Oru am sudá com música de Eduardo Franco sobre poema Jacinto dÁgua de Sonya Prazeres e Carlos Di Jaguarão

JACINTO d'AGUA

Carlos DI Jaguarão /Sonya Prazeres/ Eduardo Franco


Aguapé de água rasa (refrão)
riacho fundo secô,
leva embora minha mágoa
trás de volta o meu amô ...

minha água inda era doce
quando de amores nasceu
hoje o mar não tem mais fundo
afundou-se o que era meu

saudade é mel no oceano
perfuma, afoga e salva
alma leve o vento leva
pra casa da estrela dalva

Aguapé...

quando sopra o minuano
vão-se cabelos raízes
brota a flor do pensamento
voltam os dias felizes

Jacinto d'agua não morre
quando morre é por engano
no triste sal que me escorre
morro eu diluviano

Aguapé...

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

MNEMOSYNE


Calliope: Aquele setembro. Mix confuso – venerar a bandeira ou o êxtase provocado pelas pernas à mostra das balizas, que iam à frente, com uniforme agaloado, abrindo o desfile que aludia ao feriado nacional, sempre mostrando habilidade no manejo de um bastão enfeitado?

Clio: A História me resgatou, naquele ano escondeu-se em nossa casa, à Rua dos Trilhos (Rua Uruguai), uma freirinha uruguaia, adepta militante da Teologia da Libertação, perseguida pela ditadura militar uruguaia, que, segundo constou para minha família, estava jurada de morte.

Erato: Escutei no toca-fitas, o tape onde eternizaste Herivelto Martins; recebi o pacote nas escadas da Minervina – em tons graves e contravenientes. E eu concluí num repente,/ que o amor é simplesmente/o ridículo da vida.

Euterpe: Summertime a la Gershwin. Sem mate no cais – que nem sempre se tomou mate na beira do cais. No entanto era esta mesma comunhão com o rio, de onde os peixes saltavam à flor d’água, saudando, em elipses prateadas, a primavera. Qualquer mina que olhasse nos olhos de um cara, depois disso, se apaixonava.

Melpomene: Teve este estranho estupor que se experimenta diante das grandes catástrofes. Não se está entendendo nada direito. Mas algo está acontecendo diante da gente. Do pátio em que estávamos vimos proliferar gente lembrando os pele-vermelhas dos filmes de cowboy. De cá, no pé do Cerro da Pólvora, num prédio da Venâncio Aires, víamos surgirem pessoas de todo o lado, que assim de longe, eram quase pontos que se moviam e, depois, parecendo insetos subiam pelas paredes da velha Enfermaria e punham-na abaixo. Era o patrimônio histórico sendo destruído. Fomos testemunhas atônitas.

Polyhymnia. De resto, como em qualquer outro mês, em que fossem celebrados os nacionais ou religiosos, sempre cantávamos no coro com Professora Verdina, em cujo repertório figuravam peças de sonoridade miraculosas, além de um hinário que remetia a obras do pai desta professora genial. Pois bem, ali, entendi que o universal da música dissolve as particularidades de cada um, pois éramos tantos e tão diferentes que nos postávamos à beira dela com seu piano, que isto me forçava a pensar: como é que ela consegue?

Terpsichore. O Cine Rio Branco – olho na fresta para os bens de cultura. Eu vi Sacco e Vanzetti, Laranja Mecânica, The Demons, e tantas outras películas, que estavam proibidas no Brasil – isto tinha um sabor especial, quando um livro de Karl Marx era contravenção penal. Mas o que importa mesmo é ter visto Zorba, o Grego. Genial interpretação de Anthony Quinn, dirigido por Cacoyannis. Ali a dança de Shiva está revelada. Agradeço ao Cine Rio Branco.

Carnaval - bicicicletas em cxs de papelão
Thalia: A vida era galharda. Turbilhão de dados hilários se amontoa e pede passagem. Desde a galinha que bebia cerveja no balcão do Bar Granada, os ursos de barba-de-pau, as vacas-quadradas (que eram montadas com caixas de papelão, sobre uma ou duas bicicletas), os mascarado-chocos nariz de gafanhoto, toda a plêiade carnavalesca.


Urania: Teve um eclipse. Se me afigurou trágica a reação de um vizinho nosso, ali na Rua Uruguai. Este fulano presenciara uma conversa de bar em que se dera como certo que estava por acabar o mundo. Isto, por ocasião do eclipse este, que seria eclipse e zapt! Pronto o mundo se acabava, sem mais! E nós, muchachitos só viemos a saber desta ameaça escatológica depois. Foi, isto sim, uma maravilha ver o pleno dia ficar esverdeado e, num repente cair a noite. Foi quando a vizinhança acudiu toda à casa do Sr. Escatológico. Fomos também. O vizinho ganhara de baixo da cama pior que tatu na toca e os familiares não conseguiam tirá-lo de lá para tomar uma água de melissa.

Sérgio Christino

Texto publicado na Coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional do dia 22/09/2011 

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

MEMÓRIA À GREGA


Atena junto às musas, de Frans Floris (c. 1560).

Conta a  história

No tempo  dos Deuses

Que Zeus  escolheu

A Deusa  Mnemósine

Para ser  mãe

Das musas  do conhecimento.


Chamou-as  então:

Calíope  – pura poesia

Clio –  história registrada

Polimnia  – retórica virtual

Érato –  lírica coral

Euterpe –  música angelical

Terpsicore  – dança sensual

Urânia –  astronomia celestial

Tália –  comédia casual

Melpômene  – tragédia afinal.



Mas, foi  Simônides,

O poeta  grego,

Especialista  em memorizar,

O único  sobrevivente

De um  desmoronamento,

A  identificar as vítimas

De um  amor bandido

Que a  memória

Não quer apagar.


Analva Passos

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Façanhas

Aos façanhudos que fazem do lixo, sobrevivência.

LIXÃO

Como me havias pedido
Amassei todos os nossos poemas, canções, hai-kais,
Que falavam de amores secretos
E joguei no lixo.
Junto com os dejetos da cidade
Embarcaram e foram triturados.
Mesclaram-se, esperam a decomposição.

Mas, antes desta fatalidade,
A força da palavra parece revolucionar  a fedentina.
Uma azeda caixa de leite Danby
Se enruga toda ao ouvir de um
Desbotado tubo de Avanço:
“- eu tremia- e amava-
As estrelas me miravam
A noite dormia
E eu pensava em ti”.

Entre o monturo,
Ressoa o eco das garrafas de plástico
Recitando para um bando de vasilhames de cartão:
“Vem e sente meu cheiro de mulher, tua, nua,
Esperando você no alvorecer a revelar-te em mim”.

Um sapato velho, como não poderia deixar de ser,
Cantava a uma meia rota:
“Se não eu quem vai fazer você feliz”.

O que restou de um pernil de carneiro
Já em putrefação
Sussurrava a uma coxa de galinha estragada:
“De que me servem minhas pernas,
Se não me conduzem no caminho dos teus passos
Nem enlaçam em abraço tuas coxas sensuais”?


De longe, um escovão de aço já careca
Gritava angustiado
A uma tampa de panela enferrujada:
“Que força cósmica nos colocou nesta distancia”?

E todos...todos - desde o mais reles saquinho de nylon
Até a mais cobiçada lata de cerveja reciclável -
Todos liam e repassavam
Nossos fragmentos de paixão despedaçados.

E assim, daquela matéria em processo de corrosão
Elevou-se um murmúrio, quase uma sinfonia
Impregnando de vida o aterro sanitário.

Neste dia
Quem vive (e se alimenta)
Da coleta e separação destes resíduos
Em solene atitude de respeito
Não trabalhou.

                                              Jorge Passos




Serginho do Vassourolão - Lente de Contato.wmv


Abertura de SHIVA!!, formado por Edu Caboclo Damatta, Serginho D'avassoura, Alex Vaz (canastra suja), Marcela Mescalina, Davi Batuka e Badalinho para o show de Bebeto Alves no Teatro Guarani em Pelotas.

Lente de contato (Serginho do Vassoroulão)

É lente de contato, ela me enganou,
É lente de contato, ela me enganou,
Seus olho azul, seus zoinho azul eram de camelô.

Ahh! Eu nao acredito...
Ela gostava de Pink Floyd agora gosta de Calypso
Ahh! eu nao acredito...
Ela gostava de sepultura agora ela gosta de caly..ahhhhh

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

MARIA GUERREIRA!


Click to open image!
Arte Di Cavalcanti

Com as roupas da vizinhança,
No melhor estilo literário que alguém um dia chamou de
"Clientela" e as poucas que tínhamos
Para cobrir o corpo, depois de um
Bom Despacho/MG,

Laváva-as na bica d'água em Pompéia.
Subia santamente a São Gotardo,
Sem nunca se esgotar, ao menos aparentava.
É a Dona Maria Guerreira que nunca se
Quedava perante obstáculos. 

Em Santa Teresa/BH
(vejam o sobrenome, Costa Santos)
Dona Maria Guerreira,
Mulher de nervos de aço,
Alma de ferro, postura de gigante

Coração de ouro,
Excelente professora,
Autodidata  reluzindo em suas fartas
Gargalhadas espontâneas
Tal qual diamante, o brilho do viver...

Forjada pelo sofrimento,
Adoçava a boca de suas crias
Com o doce leite de seus peitos,
É uma "peituda" esta mulher...
Abelha Rainha, mãe soldada

E moldada pela vida,
Media a água e fubá
Para manter vivos seus rebentos.
Sentia fel na boca às vêzes,
Mas nunca destilou o mal.

Dona Maria Guerreira,
Obstinada, MÃEDONA, criatura
Maternal de alma e coração,
Subiu aos céus e infernos
Para ensinar sua prole o que é

A determinação, o orgulho, o trabalho,
O melhor caminho, o conhecimento,
A Justiça, a retidão.
Manterá eternamente este fundamental
Princípio de uma biografia

Que o mundo sempre exaltará.
Estes e estas são o orgulho
Que sempre proclamo,
Destes feras e destas feras
Terem saído do

Teu VENTRE

AVE, MARIA GUERREIRA!
Seu sangue, Elder.


Costa Santos

domingo, 18 de setembro de 2011

Agarrate Catalina em Rio Branco - Gente Común


Murga Agarrate Catalina no Club Unión em Rio Branco- Cerro Largo - Uy em 07/08/2011

Hoy escucharemos una historia especial
De la gente más corriente y normal
Una historia extraordinaria
Sin las grandes luminarias
Un guión extraordinario
Para actores secundarios
Gente común
Gente común
Bienvenidos a la noche donde la historia es su historia
Bienvenidos ustedes y nosotros
Protagonistas de esta historia
Gente común
Una historia extraordinaria
Sin las grandes luminarias
Un guión extraordinario
Para actores secundarios
Gente común
Gente común


 Y la cajera rubia del supermercado
 Hay un psicólogo social y tres tacheros
 Una enfermera y dos mormones escapados
 Hay un bombero, un transexual, un vigilante ….
……..
Con cara de aburrido un escribano
Se está durmiendo porque odia a los murguistas
Hoy sólo vino por traer a sus dos chicos

Y acompañar a su mujer que es frenteamplista...