sábado, 30 de outubro de 2010

Apuntes sobre Jaguarão


Esta tarde de invierno, casi de primavera, tiene las manos frías. Temprano en la mañana pude oir entre sueños cómo empezaba a lloviznar, con un gotear sordo y espaciado al principio, apenas audible, con la discreción como de quien entra al cuarto donde hay un niño dormido, y en puntillas se acerca a su cama para observarlo y luego se va sin ser percibido.

Ahora, sin embargo, la lluvia tamborilea sobre la piedra dura y secular de las calles de esta bonita ciudad. Quisiera que vieras sus aires de Portugal antiguo en las fachadas coloniales, en la arquitectura aún lozana y elegante de centenas de casas, cuyos estilos van del neoclásico al art nuveau, algunas saturadas de elementos barrocos diseñados en yeso, formando intrincadas filigranas y espirales, volutas de dar vértigo, con efigies cuyo perfil me recuerda las monedas acuñadas en la Roma imperial; mansiones majestuosas como damas antiguas, en cuyos frisos superiores reposan en actitud hierática pequeños ángeles y deidades artísticamente desnudas, quienes observan el paso de las generaciones, indiferentes al clima e inmunes al transcurso del tiempo.

El nombre Jaguarão deriva de la palabra jaguar, felino montaraz de mediano porte, muy común en esta región, en otra época. La ciudad fue fundada durante el primer tercio del siglo XIX, a orillas del río del cual tomó su nombre.

Posee dos importantes iglesias católicas, la Matriz, en estilo colonial portugués pintada de color amarillo-crema, y otra con un carácter entre anglosajón y gótico, cuya nave principal, estrecha y cónica, se eleva victoriana entre casas añejas y bien conservadas, a una cuadra de la avenida 27 de Janeiro, la arteria vial más importante: el centro.

Esta iglesia siempre me inspiró una inefable sensación de retiro y desamparo. Hay algo lúgubre en ese azul-cielo que la reviste. Posee un vislumbre atemporal y escatológico bajo su aspecto de circunspección compungida, como si esa aureola de soledad enmudecida irradiara su impronta en derredor. Allí todo es silencio, discreción, sosiego.

En la acera de enfrente hay una funeraria bajo el muy católico nombre de San Antonio. Por lo que solamente haría falta una pequeña y reservada necrópolis para cerrar el triángulo. Todos los sacramentos otorgados en la misma calle. Nacimiento, bautismo, crisma, comunión, catecismo, esponsales…; funeral y sepultura.

Así es que evito caminar por esa alameda ideada para el tránsito de las almas, y donde haría falta ver de vez en cuando una pareja de adolescentes en el pináculo de su arrobo erótico, elevándose angélicos en un abrazo tántrico sobre esas cúspides mojigatas y frías. Haría falta un desfile dionisíaco, con sátiros y ninfas al estilo de una bacanal griega, al son de laúdes, panderetas y flautas, con odres turgentes de vino tinto, e insinuantes atuendos de hojas de parra, ceñidos por diademas de vid, laurel, retama y muérdago.

Este santuario azul tiene su historia. Según se cuenta fue costeado por una dama rica y mal amada. Minervina.

La noche de su boda su marido la abandonó. Y por lo que intuyo debió canalizar su libido hacia lo sagrado, llevando quizá una existencia de beata aristocrática y ceremoniosa. Ya cerrado su sexo al amor y a la vida, que no engendró, desde el plexo solar y hacia arriba, Minervina fue una novia de Cristo, dejando como herencia el peculio que después erigiera este templo azul, que por fuera se ve pálido y triste, pero no exento de cierta majestad y ponderado fasto. ¡Concedámosle un crédito! Popularmente heredó de su mecenas el mote de “a igreja Minervina”.

Recuerdo cuando, con ocho o nueve años, mi tía Marfiza me llevaba a la misa de los domingos en la Espíritu Santo, la Matriz yaguarense, la de color crema.

La torpeza y desazón comenzaba desde mi natural zurdez, pues todos se persignaban con la diestra, y seguía por mi total ignorancia de los ritos y textos misales, sin obviar el frío ambiente en la nave de bóveda enorme con vitrales policromados, y el aspecto febril y sombrío en los rostros de aquellos santos de semblante anémico que nos atisbaban desde sus nichos pétreos.

¡Pobre tía Marfiza! Yo le veía un aire de monja en vacaciones, el perfil austero, su religiosidad cumplida a diario, al levantarse y antes de irse a dormir. Casada y sin hijos, con un marido que me parecía sacado de un libro de fábulas germánico, pero que era un hombre simplón, algo avaro e infantil. Dos caras de una misma moneda. La seriedad y probidad de mi tía, y la burlona comicidad de su esposo, a contracara. Gente sencilla y buena, salvando las distancias. Y por lo que entonces deduzco, mi tía me quería a su modo, y yo siempre le devoté un afecto obsequioso y reverente.

En el verano del 2005 yo estaba en São Paulo cuando tía Marfiza falleció, el 10 de enero. Nueve días después murió su marido. Y así se cerró un singular capítulo de la historia de mi familia materna. De quince hermanos van quedando ocho.

La lluvia ha cesado. Algún automóvil chapotea al paso, rodando sobre las discretas charcas que se acumulan en las sinuosidades donde las piedras se han hundido un poco en su lecho de arena.

Mi calle es tranquila cuando llueve, porque los bazares de ropa y electrónicos a precios populares se vacían de clientes estos días mojados. En su mayoría son uruguayos que cruzan el puente Mauá atraídos por los costos y las novedades. Pero, además de la lluvia, los sábados, especialmente a la tarde, esta calle hiberna en un estado de casi yoga.

Los domingos, si hay sol, se ven parejas de enamorados tomándose fotos desde el paseo embaldosado que bordea el río, y que surge al pie del edificio de la aduana. También pasan por aquí familias con niños bulliciosos y saltarines como gorriones mañaneros.

En la margen opuesta, ya en territorio del Uruguay, puedo ver, recortada entre el cielo y la playa, su arboleda, emergiendo entre verdes pastizales, en la cima de un pequeño declive. Bajando por éste, en dirección al río, una franja de arena de guijarrillos gruesos, donde recuerdo que, radiantes como patos, pasáramos muchos veranos de nuestra infancia. Época, como suele afirmarse, en que éramos felices. Pues, de ello, hoy no me cabe la mínima duda.

Dario Garcia - (viajeroenlared.blogspot.com)

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

BPP - Conversa sobre Livros


Juntamente com os parceiros institucionais da programação especial BPP 135 ANOS / LETRAS E VERSOS DE FRONTEIRA, a Bibliotheca Pública Pelotense (BPP) convida para o evento CONVERSA SOBRE LIVROS , no próximo dia 28 de outubro . Inicio às 19:30 horas, no salão térreo da BPP.

Tema: a arte do traço, humor gráfico e literatura infantil
Convidado especial: Renato Canini
Convidados: André Macedo, Ricardo Freitas e Wagner Passos

Humor gráfico e a arte do traço
Na programação de aniversário da BPP a noite de quinta (28) está reservada para autores que passam suas mensagens com raras palavras - ou mesmo sem palavras. Dentro do espaço Conversa sobre Livros - às 19:30 horas, no salão térreo - profissionais do traço ( humor gráfico, quadrinhos, charges) reúnem-se em torno do convidado especial, Renato Canini. Nascido em Paraí - RS, em 1936 e residindo em Pelotas já há alguns anos, Canini é uma das referências nacionais na arte do traço. Criador de vários personagens, ilustrador de mais de 50 livros infantis , participou das principais publicações dedicadas ou com espaço para o humor gráfico , inclusive do PASQUIM , criado por Ziraldo, Millor, Jaguar e outros no final dos anos 60. Formador de uma geração de cartunistas e humoristas gráficos, o semanário carioca teve ainda uma segunda fase, no início desta década, sob o título Pasquim 21. André Macedo ( Pelotas) Ricardo Freitas(Donga - de Arroio Grande) e Wagner Passos ( Rio Grande) estão entre os convidados para a conversa com Renato Canini. Conversa sobre Livros tem entrada franca, como todos eventos da BPP.


Parceiros e apoiadores

Coordenada por um Grupo de Trabalho integrado por 15 ativistas culturais de Pelotas e região, a programação especial BPP 135ANOS/Letras e Versos de Fronteira tem o aval institucional e a parceria do Ministério da Cultura do Brasil (MINC) , Ministério da Educação e Cultura do Uruguai ( MEC/UY) , Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), Instituto Federal Sul-rio-grandense (IF-SUL) e Comissão Cultural das Cidades de Fronteira Brasil-Uruguai. Como apoiadores das atividades culturais assinam o SESC-RS e outras 31 entidades do RS e Uruguai.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

UNIPAMPA - AULA MAGNA DE HISTÓRIA

Fotos: Gesni
Assistimos como convidados à Primeira Aula Magna do Curso de História da Unipampa, "A escrita da História e as histórias dos antigos", ministrada pelo Doutor Fábio Faversani da UFOP, Universidade Federal de Ouro Preto.

O fortalecimento e expansão da Universidade pública é algo que estará em jogo no domingo, dia 31, frente à visão privatista do projeto antagônico oposicionista. Esta foi a introdução da palestra do Faversani, alertando para o perigo do retrocesso que a sociedade não pode permitir.

O Professor, especialista em história romana, especialmente do reinado de Nero, discorreu sobre o papel da história, sobre o que é história. O evento que “passou, passou”, nada é. O que interessa é a imagem, a representação que foi e é feita continuamente sobre um fato. Uma disputa do passado no presente, nos vários presentes.

Por exemplo, o acontecimento marcante de 1453. Para o ocidente a queda de Constantinopla, para o oriente a tomada de Istambul. Esse confronto de versões que perdura até hoje, conforme o narrador.

A história não reside nos documentos, eles não são o passado, o que importa é a visão que o historiador tem desses documentos. A história seria o estudo do conjunto de representações do passado para "produzir" documentos.

As características de uma história contemporânea inspirada na antiguidade: um viés "pós-moderno", a verossimilhança ao invés da verdade, a importância da narrativa.

Bem , e quanto ao Nero? Parece que o diabo não é tão ruim quanto lhe pintam.

Não é pretensão deste blog reproduzir toda a instigante palestra do Professor Fábio, apenas gostaríamos de registrar o privilégio que Jaguarão desfruta de ter sido agraciada com uma Universidade pública gratuita com a presença de pesquisadores, educadores, tão qualificados e que dão à nossa cidade uma nova perspectiva de progresso e desenvolvimento.

A realidade é que deixamos de mandar nossos jovens para fora e agora recebemos estudantes de todo o país.

A isto é que chamamos de progresso cultural!


terça-feira, 26 de outubro de 2010

Lu(a)mor


Lua


Pregada no céu

De noite o teu véu


Fala-me de sonhos estrelados

Ilumina o meu amor descontrolado

Reges a orquestra da minha constelação


Oh lua que me aquece feito o sol da meia noite


Tão cheia de encanto, de beleza infinita

Crescente como a dor que me habita

Ao te ver tão longe e tão bela


Tão triste aqui da janela

Delirando sozinho


Lunático


(Daniel Moreira) revista-seja.blogspot.com

JAGUARÃO - A CULTURA COM DILMA


Pela continuidade dos projetos culturais para Jaguarão, os ativistas culturais, artistas, professores e comunidade estavam presentes em Ato de Apoio à candidatura Dilma!

A Confraria estava lá e assinou o manifesto a seguir:

Manifesto Cultura com Dilma em Jaguarão

Há oito anos a cultura era vista apenas como a cereja do bolo, ou pior, servia como balcão de troca. Quem era amigo do rei levava. O dinheiro, que é público, destinado pela Lei Rouanet, se concentrava apenas no eixo Rio/São Paulo.

Hoje, podemos já colher os frutos da política iniciada pelo governo Lula. Criação do Ministério da Cultura, valorização da diversidade cultural, acesso aos mais diversos programas de fomento à cultura distribuídos em todo o país.através de editais. Literatura, dança, teatro, patrimônio histórico, música, contemplando todos os setores sem discriminação.

Um governo que investe em cultura, que respeita as mais diversas expressões culturais, investe em cidadania. No Brasil que dá certo, no Brasil de Lula e Dilma, as pessoas estão em primeiro lugar. Milhares saíram da pobreza, e outros tantos entraram para a classe média. Hoje os brasileiros tem o direito assegurado de consumir, de morar bem, e o mais importante, de se alimentar e alimentarem seus filhos, ao menos três vezes por dia. Isso também é investimento em cultura.

O governo Lula e Dilma, concretizou a palavra acesso. Criaram a UNIPAMPA, possibilitando assim, que os filhos de trabalhadores, no interior do país, tivessem acesso ao ensino público, gratuito e de qualidade.

Através de programas como o Mais Cultura, Lula e Dilma proporcionaram acesso ao cinema, através da criação de cineclubes, bibliotecas, praças de lazer e tantos outros. Valorizaram o fazer cultural, fortalecendo iniciativas das comunidades através da criação dos Pontos de Cultura.

Nosso patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial, é visto hoje com orgulho e conta com investimentos nunca antes vistos na história deste país. Dilma criou o PAC das Cidades Históricas. Protegendo e zelando pelo que de mais representativo temos, nossos monumentos, nossos prédios e nossa história.

Jaguarão vive esse novo Brasil. Respira os bons ventos trazidos pelo governo Lula e Dilma, O Teatro Esperança, recebeu mais de um milhão para restauro, as Ruínas da Enfermaria, sete milhões para virar o Centro de Interpretação do Pampa, um cineclube, que proporciona de forma gratuita acesso as mais diversas obras cinematográficas. Temos hoje uma Universidade Federal aqui, além de tantas outras ações como a restauração da Ponte Mauá, Construção da segunda ponte, 2.000 famílias beneficiadas pelo Bolsa-Família, construção de casas populares, através do Programa Minha Casa, Minha Vida.

É por tudo isto, que apoiamos a candidatura de Dilma Rouseff . Porque sabemos que ela significa mais do que a continuidade destes projetos, ela significa o avanço. Significa a garantia de cada vez termos mais cultura, educação, saúde, infra- estrutura, qualidade de vida, cidadania.

Dia 31 Jaguarão irá confirmar. É Dilma, é 13, para o Brasil seguir mudando.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

O MENINO E O POETA

Foto: Digoals



O menino fita o poeta

e não consegue precisar

o que está sentindo.


Admiração e inveja

se confundem.

O menino tece então,

incansavelmente,

suas frases, em vão.


Queria captar

o instante exato

onde todos pensam,

poucos se olham,

e ninguém fala.


E sonha um dia alcançar,

o que mais deseja,

sua grande meta!


Através da magia das palavras

libertar do coração

o seu próprio poeta.


João Pedro Passos Dutra

sábado, 23 de outubro de 2010

A Poesia

Pintura: "A vitória comanda o povo" - Delacroix

Para Luna

Até que enfim uma atitude!
Silencio!
A poesia se levanta entre os escombros.
Em atentados contra o pudor
Por entre as placas de outdoor
Inserida nos reclames
Ela ressurge,

Nas praças, nos prostíbulos,
No murmúrio das tavernas
Nas lápides dos jazigos
Em disritmia, em convulsões,
Como um salto no abismo
Até que enfim ela acontece!

Temerosa, grito paralisado,
Removendo pedras, cortando campos,
Ela caminha.
Nos coletivos, na multidão, no gemer dos trilhos,
Transita.
Em filas, adoentada, espera.

Em andrajos ou de jóias revestida, desfila.
Em escalas sincopadas, nos tambores primitivos,
Na periferia, remixada, ela dança.

Lavando roupa, varrendo as ruas, vendendo o corpo,
Sobrevive.

Diante das faces mal dormidas, frente a esfinges desgrenhadas,
Em papéis amarelados, em garrafas no mar,
Nos monitores, em telas de cristal,
Ela pergunta.

Debaixo das saias, detrás das blusas, sob os véus,
Se esconde.
Em todo o teu corpo, em tua fala, em ti,
Ela se expressa.



Jorge Passos (14/03/2003 - Dia mundial da poesia)

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Bibliotheca Pública Pelotense - 135 anos

Música, literatura e a linguagem do traço

Eventos com entrada franca na programação especial da Bibliotheca Pública Pelotense

Os grandes compositores da MPB - de Vinicius a Chico Buarque, de Lupicínio Rodrigues a Tom Jobim - são os nomes destacados neste sábado (23), na programação especial que comemora os 135 anos da Bibliotheca Pública Pelotense (BPP). O passeio pela obra destes e de outros autores é conduzido, a partir das 20 hs, no salão nobre da BPP, pelo VOCAL SEM BATUTA , grupo (de Caxias do Sul) com sete vozes femininas acompanhadas por quatro instrumentistas. O espetáculo integra o programa ARTESESC e representa uma contribuição do SESC-RS à programação de aniversário da Bibliotheca, aberta no último dia 15 e com atividades até 14 de novembro.

Aldyr Schlee

Às vésperas de lançar mais uma obra - Dom Frutos , pela editora ARdoTEmpo , dia 03 de novembro, em Porto Alegre - o jaguarense-pelotense Aldyr Garcia Schlee é o convidado especial do segundoevento da série Leituras Brancas , às 19:30 horas da próxima terça (26), no salão térreo da BPP. Como leitor-convidado, Schlee apresenta trechos do romance histórico que será lançado na Feira do Livro da capital. Leituras Brancas tem a coordenação e condução dos professores ( da UFPel) Luis Rubira e Renata Requião. Neste segunda edição será feita a leitura pública de trechos de três obras de Schlee: Uma terra só , Linha divisória e Contos de sempre. Com quatro edições ( sempre às terças) dentro da programação geral BPP 135 ANOS/LETRAS E VERSOS DE FRONTEIRA , o projeto destaca a produção literária de Aldyr Schlee e Cyro Martins ( 1908-1995), pela ligação com o universo de fronteira.
Humor gráfico e a arte do traço

Na programação de aniversário da BPP a noite de quinta (28) está reservada para autores que passam suas mensagens com raras palavras - ou mesmo sem palavras. Dentro do espaço Conversa sobre Livros - às 19:30 horas, no salão térreo - profissionais do traço ( humor gráfico, quadrinhos, charges) reúnem-se em torno do convidado especial, Renato Canini. Nascido em Paraí - RS, em 1936 e residindo em Pelotas já há alguns anos, Canini é uma das referências nacionais na arte do traço. Criador de vários personagens, ilustrador de mais de 50 livros infantis , participou das principais publicações dedicadas ou com espaço para o humor gráfico , inclusive do PASQUIM , criado por Ziraldo, Millor, Jaguar e outros no final dos anos 60. Formador de uma geração de cartunistas, o semanário carioca teve ainda uma segunda fase, no início desta década, sob o título Pasquim 21. André Macedo ( Pelotas) e Wagner Passos ( Rio Grande) estão entre os convidados para a conversa com Renato Canini. Conversa sobre Livros tem entrada franca, como todos eventos da BPP.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Porque eso es la vida

Nei Lisboa, Martim César, José Carbajal, Yo (Canto do Jaguar, 2010)


Borracho pero con flores , vengo.

Y vino, vino a Jaguarão, El Sabalero se hizo presente no Canto do Jaguar em março de 2010, num show que ficará na história, pois pela primeira e, por fatalidade do destino, última vez, fez uma apresentação no Brasil. Emocionante, sencilla, cativante quando desceu do palco e caminhou no meio do público cantando la Chiquillada.

Um poeta e cronista do cotidiano, das coisas simples. Simples, como era ele. Recordo quando a banda chegou na pousada onde reservamos a estadia...o pessoal foi escolhendo os quartos e quando ele chegou, o produtor perguntou se ele queria ficar na suite principal e ele, muy tranquilo disse, no, me quedo acá mismo, num colchonete que havia no chão.
Depois do show, no jantar de confraternização, chegou na mesa onde estava concentrado o seu pessoal e foi dizendo , nada de quedarnos charlando entre nosotros, mezclense con la gente, tenemos de integrarnos!

Fez questão de tirar essa foto com Nei Lisboa, tinha intenções de conhecer mais o Brasil. E nós de mostrá-lo ao Brasil. Sua obra o fará.


LA MUERTE - JOSE CARBAJAL


"Me enrosco en tus ancas fuertes
y en tus ternuras mi negra
me gusta vivir la vida
entregándome a la suerte
pa' no tener tanto miedo
cuando me abrace la muerte".

"La muerte andaba rondando
quién sabe dónde andará
no me dejes alegría
no te vayas vida mía
que esta puta vieja y fría
nos tumba sin avisar". (La muerte) José Carbajal



Jorge Passos


quarta-feira, 20 de outubro de 2010

UM OUTRO TIPO DE DOR


Há, os poetas que cantam o amor

Se soubessem que há outro tipo de dor

Jamais mudariam

Lágrimas, lágrimas, lágrimas

Para todo o sempre amariam


Para quem sente a falta de um perfume

Rogo a Deus que permita

Permaneça a busca

Livrai do pesadelo que, enfim, ofusca

O peito de uma alma aflita


Jamais desista, alma penada

Jamais desvie, animal faminto

Nunca sinta o que eu sinto

Viva o luto, que pra mim é nada.


Edson Martins (março de 2003)

terça-feira, 19 de outubro de 2010

NEVER MORE



O ESTORVO


Estava eu nascendo,

Quando a grave voz do profeta

Se fez ouvir, dizendo:

- Mau poeta, mau poeta


Mesmo assim fui insistindo,

com a pena penando, me iludindo,

Me achando o Rei da Cocada Preta

Até que meu amigo George "Never" Passos

Discorrendo sobre rimas e compassos

No Masini, sentando o braço,

Apresentou-me o belo Corvo.


E lendo o belo Corvo,

E relendo o belo Corvo,

Vi que até hoje prás letras

Não fui mais que um estorvo.


Um enganador, um pateta.

Resolvi virar anacoreta

Ou ciscar em outros quintais.


E se um dia me perguntarem,

Se realmente perguntarem,

-E escrever novamente

Quando vais?

Como já passei da conta

Já terei resposta pronta:

-Nunca mais, nunca mais...

Jorge Missagia



Leia aqui o poema "O Corvo" de Edgar Allan Poe em tradução de Machado de Assis:

http://pt.wikisource.org/wiki/O_Corvo_(tradu%C3%A7%C3%A3o_de_Machado_de_Assis)


segunda-feira, 18 de outubro de 2010

NA TONGA DA MIRONGA DO CABULETÊ

1970. Vinícius e Toquinho voltam da Itália onde haviam acabado de inaugurar a parceria com o disco “A Arca de Noé”, fruto de um velho livro que o poetinha fizera para seu filho Pedro, quando este ainda era menino.

Encontram o Brasil em pleno “milagre econômico”. A censura em alta, a Bossa em baixa.

Opositores ao regime pagando com a liberdade e a vida o preço de seus ideais.

O poeta é visto como comunista pela cegueira militar e ultrapassado pela intelectualidade militante, que pejorativa e injustamente classifica sua música de easy music.

No teatro Castro Alves, em Salvador, é apresentada ao Brasil a nova parceria.
Vinícius está casado com a atriz baiana Gesse Gessy, uma das maiores paixões de sua vida, que o aproximaria do candomblé, apresentando-o à Mãe Menininha do Gantois.
Sentindo a angústia do companheiro, Gesse o diverte, ensinando-lhe xingamentos em Nagô, entre eles “tonga da mironga do cabuletê”, que significa “o pêlo do cu da mãe”. O mote anal e seu sentimento em relação aos homens de verde oliva inspiram o poeta.

Com Toquinho, Vinícius compõe a canção para apresentá-la no Teatro Castro Alves.
Era a oportunidade de xingar os militares sem que eles compreendessem a ofensa.
E o poeta ainda se divertia com tudo isso: - “Te garanto que na Escola Superior de Guerra não tem um milico que saiba falar nagô”.
Fonte: Vinicius de Moraes: o Poeta da Paixão; uma Biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.
Tonga da Mironga do Cabuletê (Toquinho e Vinicius de Moraes)

Eu caio de bossa eu sou quem eu sou
Eu saio da fossa xingando em nagô
Você que ouve e não fala
Você que olha e não vê
Eu vou lhe dar uma pala
Você vai ter que aprender

A tonga da mironga do cabuletê
A tonga da mironga do cabuletê
A tonga da mironga do cabuletê

Você que lê e não sabe
Você que reza e não crê
Você que entra e não cabe
Você vai ter que viver

Na tonga da mironga do cabuletê
Na tonga da mironga do cabuletê
Na tonga da mironga do cabuletê

Você que fuma e não traga
E que não paga pra ver
Vou lhe rogar uma praga
Eu vou é mandar você

Pra tonga da mironga do cabuletê
Pra tonga da mironga do cabuletê
Pra tonga da mironga do cabuletê

sábado, 16 de outubro de 2010

Restauração da Esperança.wmv



A inclusão de Jaguarão no PAC das cidades históricas

possibilitou a restauração do Teatro Esperança,

da cultura como fator de desenvolvimento.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Un tal de fúbol!

Macanudo Taurino - Santiago



Certa feita me invitaram,
uns amigos orientales,

a jogar um tal de fúbol

no campo de Don Morales...

Les agradeci o convite,
disse que não sabia jogar;

mas insistiram que eu fosse

que o causo era só por chivear...

E lá me fui mui facero,
c'o pingo bem aperado,

achava que esse tal jogo

era carrera o cartiado...

Cheguei na cancha indicada,
mas fiquei meio indinado,

subesse que a cosa era ansim

eu não vinha tão pilchado...

Em seguida veio um deles
pa' remediar a situação,

me troxe carpim, chutera,

camiseta azul e calção...

Don Manoel, dono do time,
ajuntô toda a cambada,

disse um lote de camanga

e u'a manga de barbada...

M'escalaram de que sei eu,
total era nome em inglês,

e ansim començô o tal fúbol,

que foi terminar no xadrez...

Em cada lado da raia,
um bando de onze jogador;

no meio um loco de negro,

fazendo as vez de apitador...

Logo empeçô o meu tormento
(amigos, nem queiram saber!),

apanhei como boi ladrão

e quase nem pude bater...

Que a equipe do Morales,
de camisa colorada,

adorava nos dar chute,

rastera e cotovelada...

Da comparsa adeversária
levei um ror de patada,

e pa' colmo os do meu lado

me cagavam a putiada...

Se deram conta que eu era
completo inorante e chambão,

me mandaram ficar no arco

e seguiu nomás a função...

Me deram um par de luva,
uns protetor de joelho,

camiseta manga larga

e uma ponta de conselho...

Tinha essa tal de golera
dois palanque e um travessão,

me disseram que ali eu podia

até mesmo atacá co' as mão...

Me disseram que de arquero
era mais tranquilo lidar,

que se vinhesse algum chute,

eu só tinha que me atirar...

Mas a cosa parô feia,
mais jodida que já tava;

fora o lote de sopapos,

levei um bolaço puava...

Robaro a bola da zaga
e se vinheram de novo,

de perto me la patearam

e pegô bem nos meus zôvo...

Vi, como num dia d' eclipis,
tudo escuro na mi'a frente,

que um golpe no entrepernas

é de bolear um vivente...

E despois rodei de boléu,
vendo o mundo girando;

diz que colorado de dor,

entre gemendo e urrando...

Don Morales, tipo bueno,
agarrô e foi na "catchila"

buscar uma curandera

que morava em otra vila...

Por ser um causo mui sério,
escolheram Tia Marucha,

que um se curava ligero

só de olhar pa' tal bruxa...

Dali um poquito chegaram
tapados de polvadera

e velha disse mui brava:

Uta, quê estrada porquera!...

E foi sacando, da bolsa
mui mugrienta e cascaruda,

santinhos, yuyos distintos,

velas e galhos de arruda...

E as percanta do chinero,
que do alambrado bombeavam,

pa' não perderem um freguês,

junto co' a velha rezavam...

Com tanto chá e benzedura,
fiquei curado mui pronto;

mas fiquei de fora olhando,

tava ainda medio tonto...

E a partida seguiu nomás,
zero a zero como empeçô,

até que o nosso pontero

adentrô solito e marcô...

Já foi aquele salsero,
partiram pa' cima do juíz

e, pedindo um tal de "or sáide",

cagaram a pau o infeliz...

Despois disso fechô o tempo
e os times s' entreveraram,

palavrão, biaba, dentada,

passapé e coice sobraram...

Até eu, que tava neutro,
tive que entrar nesta dança,

queriam me dar uma sova

de não sair da lembrança...

Mas dei de mão numa tauba,
já pressentindo o perigo;

não ia les dexar barato,

pois eu levava um comigo...

Les disse pa' virem de a um,
se fossem machos de veras,

e, reboleando a madera,

fiquei esperando as feras...

Mas nisso o fandango parô,
que vinha vindo a polecía

(e parece que angurrienta!)

como chancho pa's melancía...

Saíram logo disparando
todos os que podiam andar,

mas não puderam ir longe

que tava cercado o lugar...

Nos arrebanharam todos
o mesmo que tropa de bois,

num caminhão nos meteram

e fumus p'o quartel, despois...

Chegando na Comissaría,
dá-le prestar declaração

e, pa' calmar os ânimo,

drumimos tudo na prisão...

A la pucha, noite fiera,
com tanta pulga e mosquito,

um que peidava dormindo

e otro que sonhava aos grito...

E no domingo bem cedo,
deram ordem de soltura,

não sem sermão de hora e pico,

com café e galleta dura...

Tanta gente arrependida
de ter entrado na peleia,

podendo estar com sua prenda,

ter que pernoitar na cadeia...

E ali mesmo fizemo as paz,
novo jogo foi marcado,

mas desta vez sem bochincho

e, de juíz, o delegado...

Seria no pátio do quartel,
no meio da melicada;

sem arma, canha e piguancha,

senão dá bagacerada...


Mas, se eu for, voi vichar nomás,
que cansei de levar murro,
pois trompaço grátis
,
é pa' quem é loco o é burro...

Melhor ficar curiosiando,
total, sô mesmo maleta,
já basta os puaço que levo
nessa mi'a vida sotreta!


Relato humorístico
de El Chango Duarte
Brasília/DF, 03/VII/1990.