quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Discurso sobre as coisas que me faltam




Estou em falta. Comigo mesmo, com as palavras que sempre me levaram a todos os lugares onde fui. Estou em falta. Falta com os sonhos transcritos ao papel, com a musa que grita aos meus ouvidos suas histórias, e eu, por preguiça ou descaso, não faço contar.



Em falta com os meus, os que me leem, os que nunca me lerão, os que fingem que se interessam e aqueles que um dia realmente hão de se interessar, ando em falta com coisas demais, coisas que cobram seu preço, nas horas de sono, do meu sonambulismo dormido.

Em falta com o lugar de onde vim, com as coisas que são minhas e me esperam em cada curva que meus caminhos retos inventam. Com as águas do rio da minha terra, com as caminhadas noturnas pelos corredores dos meus amores gastos, pelas ruelas da minha infância ainda gravadas naquele espaço de mundo, que é só meu, e também dos meus.

Ando em falta com aquelas voltas na praça, com o meu lar na fronteira, metade rio, metade sonho, metade adeus, metade até breve. Minhas metades avolumadas sob o véu dos idiomas híbridos, daquela voz que ressoa igual tanto de um lado quanto do outro. Ando em falta com meu espanhol, e meu português anda com saudade do portunhol. Ando em falta com meus continentes, com minhas canções e com meus poemas. Ando em falta comigo mesmo, com quem sou e principalmente com quem quero ser.

Anda me faltando aquela paz. Aquela que só se conhece nas margens do rio Jaguarão, quando tudo é silêncio e somos todos um só, mesmo que sejamos apenas um, um só.


Nicolás Gonçalves 


Texto publicado na coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional, edição do dia 01/09/2011  

Investimento em Cultura é desenvolvimento




Prefeito comemora mais de sete milhões de reais pra a área da cultura em Jaguarão


A viagem do Prefeito Cláudio Martins à Brasília marcou um importante momento de garantia de investimentos em diversas áreas, especialmente na cultura. Foram anunciados esta semana, mais de sete milhões de reais para a conclusão da segunda etapa do restauro do Teatro Esperança e para início das obras do Centro de Interpretação do Pampa.

Articular a liberação destas verbas tem sido uma das prioridades do Prefeito. “Lutamos muito para reconhecer o potencial histórico, turístico e cultural de nossa cidade. Tenho certeza de que esses recursos potencializarão o desenvolvimento e novos investimentos em Jaguarão, pois nos tornamos uma das principais referências culturais e arquitetônicas do Brasil”, afirma Cláudio Martins.

O município de Jaguarão tem chamado a atenção pela qualidade e aprofundamento dos projetos que tem apresentado na área da cultura. Exemplo deste reconhecimento, foi o convite feito ao Prefeito Cláudio, pelo Ministério do Turismo, para palestrar em Belém do Pará, sobre políticas públicas para a cultura.

Fonte : http://www.jaguarao.rs.gov.br/

Concurso de NARRATIVA JOVEN Casa de los Escritores del Uruguay- Edición 2011



La Casa de Escritores del Uruguay convoca al concurso de Narrativa Joven, edición 2011.

Podrán participar ciudadanos naturales o legales de toda la República, de hasta 30 años de edad (inclusive) a la fecha de cierre de la presente convocatoria. La temática es libre, admitiéndose obras originales que no hayan sido premiadas ni estén concursando simultáneamente otro premio, ni hayan sido publicadas en medio alguno. Las obras serán en idioma español.

BASES:
1)  Las obras se enviarán por correo electrónico a la dirección  directivacasaescritoresuy@gmail.com

El plazo de presentación será desde el martes 23 de agosto hasta el martes 6 de setiembre inclusive.

 Para asegurar el anonimato del autor se deberán observar  las siguientes instrucciones:


  • Cada autor podrá presentar una única obra y deberá enviarla por correo electrónico a la dirección previamente señalada.

  • En el cuerpo del mail deberá constar el nombre del autor, dirección, teléfono y seudónimo. No deberá figurar el nombre de la obra.

  • La obra se deberá adjuntar al mail como documento de Word y deberá tener como firma únicamente el seudónimo.

  • Se podrá enviar el mail a la dirección indicada hasta la hora 24 del día 6 de setiembre, fecha fijada como límite de la presente convocatoria.

  • En el asunto del mail deberá decir concurso narrativa joven edición 2011


  • El texto se adjuntará en formato Word,  fuente Times New Roman, 12 puntos, interlineado 1.5, a doble espacio.

  • En ningún caso el tribunal asignado conocerá la identidad de los concursantes ni durante el proceso de selección ni antes de emitir el fallo. Los datos confidenciales (nombre y seudónimo) obrarán en poder de un responsable asignado por la organización y sólo se harán públicos luego de ser emitido el fallo por parte del tribunal.

  • La persona responsable de mantener la confidencialidad de los datos será Rosana Malaneschii, Presidenta de la Casa de los Escritores.

2)  De las obras


  • Podrá optarse por la forma cuento corto o nouvelle. Para la primera, se aceptará un mínimo de 20 carillas y un máximo de 40. Para la segunda, un mínimo de 30 carillas y un máximo de 50. 

 3) Del Jurado:


  • El jurado estará integrado por Lilián Hirigoyen, Jorge Chagas y Hugo Bervejillo.

  • Deberá expedirse antes de los 45 días corridos a partir del momento en que la Casa de Escritores le haga entrega de todas las obras recibidas y aceptadas. 

  • Los jurados podrán declarar desierto el premio. La decisión podrá  tomarse por mayoría simple y tendrá carácter inapelable.

 4) De los premios:


  • Habrá un único premio, indivisible, y podrán otorgarse hasta tres menciones de honor.

  • El premio consistirá en la publicación de la obra y la entrega de 30 ejemplares al ganador a quien se extenderá un diploma de acreditación. 

  • Los mencionados recibirán el diploma correspondiente.

 5) Otros: 


  • Los trabajos no seleccionados serán eliminados. 

  • No podrán presentarse a este concurso familiares de hasta tercer grado de los miembros de la Directiva ni de los miembros del Jurado. 

  • Las situaciones no previstas en las presentes bases serán resueltas por la Directiva de la Casa de los Escritores del Uruguay luego de escuchar al jurado. 

  • La presentación a este concurso implica la aceptación de las presentes bases.

Rosana Malaneschii (Pdta), Ricardo Pallares, Silvia Prida, Lauro Marauda,
Lilián Hirigoyen, Sonia Otero
       Fonte: http://www.casaescritores.org

Concurso de POESÍA JOVEN Casa de los Escritores del Uruguay - Edición 2011


La Casa de Escritores del Uruguay convoca al concurso de Poesía Joven, edición 2011

Podrán participar ciudadanos naturales o legales de toda la República, de hasta 30 años de edad (inclusive) a la fecha de cierre de la presente convocatoria.
La temática es libre, admitiéndose obras originales que no hayan sido premiadas ni estén concursando simultáneamente otro premio, ni publicadas en medio alguno.
Las obras serán en idioma español.
BASES:

1)  Las obras se enviarán por correo electrónico a la direccióndirectivacasaescritoresuy@gmail.com


El plazo de presentación será desde el martes 23 de agosto hasta el martes 6 de setiembre inclusive.


2) Para asegurar el anonimato del autor se deberán observar  las siguientes instrucciones:


  • Cada autor podrá presentar una única obra y deberá enviarla por correo electrónico a la dirección previamente señalada.

  • En el cuerpo del mail deberá constar el nombre del autor, dirección, teléfono y seudónimo. No deberá figurar el nombre de la obra.

  • La obra se deberá adjuntar al mail como documento de Word y deberá tener como firma únicamente el seudónimo.

  • Se podrá enviar el mail a la dirección señalada hasta la hora 24 del día 6 de setiembre, fecha fijada como límite de la presente convocatoria.

  • En el asunto del mail deberá decir "concurso poesía joven edición 2011"


  • El texto se adjuntará en formato Word,  fuente Times New Roman, 12 puntos, interlineado 1.5, a doble espacio en el caso de ser prosa poética.

  • En ningún caso el tribunal asignado conocerá la identidad de los concursantes ni durante el proceso de selección ni antes de emitir el fallo. Los datos confidenciales (nombre y seudónimo) obrarán en poder de un responsable asignado por la organización y sólo se harán públicos luego de ser emitido el fallo por parte del tribunal.

  • La persona responsable de mantener la confidencialidad de los datos será Rosana Malaneschii, Presidenta de la Casa de los Escritores.
3) De las obras


  • Podrán participar obras en verso o poesía en prosa. El tema y la métrica son libres. La extensión será la siguiente: para obra en verso, un mínimo de 100 versos y un máximo de 250 versos; para poesía en prosa, un mínimo de 15 carillas y un máximo de 30. 

4) Del Jurado: 


  • El jurado estará integrado por: Silvia Guerra, Graciela Leguizamón y Ricardo Pallares y deberá expedirse antes de los  45 días corridos a partir del momento en que la Casa de Escritores le haga llegar las obras recibidas y aceptadas. Habrá un premio único y podrán otorgarse hasta tres menciones de honor. Los jurados podrán declarar desierto el premio. La decisión podrá tomarse por mayoría simple y tendrá carácter inapelable.

5) De los premios:


  •  El premio consistirá en la publicación de la obra y la entrega de 30 ejemplares al ganador a quien se extenderá un diploma de acreditación. 

  • Los mencionados recibirán el diploma correspondiente.
6) Otros: 
 Los trabajos no seleccionados serán eliminados. No podrán presentarse a este concurso familiares de hasta tercer grado de los miembros de la Directiva ni de los miembros del jurado. Las situaciones no previstas en las presentes bases serán resueltas por la Directiva de la Casa de los Escritores del Uruguay luego de escuchar al jurado. La presentación a este concurso implica la aceptación de las presentes bases.

Fonte: http://www.casaescritores.org

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Lançamento do "Já se vieram"

Lançamento em Jaguarão está previsto para o dia 08 de outubro 


 ELE SE CHAMA MARTIM CÉSAR, SENHORES"


 Escrevo para os que não estavam presentes no lançamento do CD "Já se vieram", com as letras de autoria do jaguarense Martim César Gonçalves,  que ocorreu no dia 27 de julho, no Teatro Bruno Kiefer, em Porto Alegre. Os que estiveram pessoalmente naquela noite, por certo, vão concordar que o momento foi de grande emoção. 


 Não cabe dúvida que a interpretação esmerada do intérprete das "poesias do Martim" - Marco Aurélio Vasconcelos -, assim como o acompanhamento musical coordenado por Marcelo Caminha, ficaram no mesmo nível do talento do letrista. Quero, no entanto, é chamar a atenção para as mensagens que transparecem nas letras apresentadas. Ouvir aquelas composições, para quem conhece a realidade campesina, é reviver, sem retoques românticos, um pouco da rotina quotidiana da vida na campanha. A história desse personagem, sem ser  um "mar de rosas", não é apenas de privações. Martim César consegue transferir para a literatura, com especial inspiração,  essa composição cultural própria do gáucho. Durante a apresentação, a platéia acompanha o cantor no sentimento que a canção expressa e não regateia aplausos, manifestando sua aprovação. A chamada para esta matéria está relacionada com uma das mais significativas composições do CD. A milonga-candombe "Torquato Flores, senhores", que mais agradou à assistência e, por sua solicitação, foi a que atendeu ao tradicional bis, consagrada pela preferência dos presentes. 
Vejam uma provinha da letra:

 "Meu nome é Torquato Flores
 Guitarra buena e bom pingo
 Fui feito para os amores
 E pras pencas de domingo"...
""Meu nome é Torquato Flores
 Não tenho marca ou sinal
 Pois não aceito senhores
 Tampouco rédea ou buçal... 

Quando, após o espetáculo, fui cumprimentar o autor, com meu abraço, só pude dizer-lhe que ele havia se superado. Não conheço tudo que ele já produziu até hoje, mas do que conheço, palpito que esse é um de seus melhores trabalhos. Quem sabe, ainda um dia tenha que desdizer o que estou afirmando agora?  Cumprimentos ao Martim, ao Marco Aurélio e à sua equipe. Sucesso a todos! Jaguarão também está de parabéns!


Você já encontra o CD "Já se Vieram" em Jaguarão nos seguintes locais: Tabacaria Tulipa, Livraria Contexto e na Casa de Cultura. 
Em Pelotas, no Studio CDs e Parrillada del Puerto.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

A Confraria avisa: Fumar já foi poético


XIV Edição do Projeto Sarau Poético-Musical BPP



Juntamente com seus parceiros e apoiadores, a Bibliotheca Pública Pelotense (BPP) convida para a  XIV edição   do Projeto  Sarau Poético-Musical BPP , no próximo 30 de agosto, a partir das 19:30 horas - conforme programação abaixo detalhada.

 
O QUE - XIV edição  do Projeto  Sarau Poético-Musical BPP.
QUANDO E ONDE: 30 de agosto 2011, no salão térreo da BPP. Entrada franca. Inicio às 19:30 horas.
 
 
CONVIDADOS
 
Música
Izair de Farias
 
Autores-poetas
Emir Neto
Marielda Medeiros
Nelda Frank
Wladimir de Melo Walerko
 
 
Poeta em destaque
Manuel Bandeira
 
Realização
Bibliotheca Pública Pelotense
 
Coordenação Projeto Sarau Poético BPP
Daniela Pires de Castro
Getulio Matos
Mara Agripina Ferreira
Pedro Moacyr Perez da Silveira
 
Parceiros Institucionais
Confraria dos Poetas de Jaguarão
Faculdade de Educação / UFPel
Faculdade de Letras / UFPel
Instituto Estadual de Educação Assis Brasil
 
Apoiadores Culturais
Labore Engenharia
RádioCOM.104.5FM
STUDIO CDs
Centro de Estudios en Lengua Española

domingo, 28 de agosto de 2011

Barracão - Edu Damatta




O músico Edu Damatta interpreta Barracão numa releitura toda pessoal e inovadora dessa música ícone da MPB. O clipe foi produzido na comunidade das Doquinhas em Pelotas/RS  com produção e direção de Jaques Rangel.

sábado, 27 de agosto de 2011

Em setembro Ciclo alternativo no Cineclube Jaguarão



Após um ciclo dedicado aos clássicos do cinema, o Cineclube Jaguarão apresenta no mês de setembro filmes e mostras que estão rolando atualmente no circuito alternativo e por vezes comercial no Brasil.

Nesta quinta-feira (01/09), as 19:30, o filme exibido será o documentário "Acácio", da diretora Marilia Rocha.

ACÁCIO, segundo longa-metragem da diretora Marília Rocha, tem como protagonista o artista plástico português Acácio Videira, que entre 1918 e 2008 dividiu a vida em três continentes. Nascido em Portugal, Acácio e sua esposa, Maria da Conceição, abandonaram a terra natal para se casar secretamente em Angola. Trinta anos depois, migraram para o Brasil fugindo da Guerra de Independência. A partir da história do casal, o filme interliga os três países e reflete sobre as relações coloniais, a guerra e a memória.

Durante o tempo em que viveu em Angola, Acácio produziu filmes e fotografias sobre a vida de povos angolanos e colonos portugueses. A descoberta desse acervo inédito levou a equipe do filme a conhecer o casal e realizar um documentário com eles. Depois de filmar Acácio e Conceição por dois anos, foi realizado o trajeto inverso daquele feito por eles. Do Brasil a equipe partiu para Angola e Portugal, lançando um novo olhar sobre os lugares onde viveram e não conseguiram esquecer.

A realização do filme durou quatro anos. A pesquisa teve início em 2005, a partir de uma parceria de Marília Rocha com a pesquisadora e produtora Glaura Cardoso. A filmagem durou dois anos e a montagem um ano. A equipe principal o filme contou com a fotógrafa e montadora Clarissa Campolina, montagem e concepção sonora de O Grivo, captação de som de Pedro Aspahan e produção de Diana Gebrim, Helvécio Marins Jr e Luana Melgaço.

A produtora Teia realizou ACÁCIO com recursos da Lei Rouanet e Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais, foi patrocinada pela Vivo e Destilaria Jalles Machado e teve apoio Plena Transmissoras. A distribuição em salas de cinema conta com o incentivo da Lei do Audiovisual da Ancine e recursos do Filme em Minas – Programa de Estímulo ao Audiovisual da Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais que é patrocinado pela Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais). 

www.mariliarocha.com

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Guarânia. Hein, guarânia!!?

   



Com fé no companheiro ao lado lutamos por ti, Guarânia-Guarani.
Nas asas de um bom chimarrão,/ a noite - graúna - desceu...” (Taiguara – Canções de Amor e Liberdade).

A presidência rotativa, ou pro tempore, do Mercosul Cultural passará a ser uruguaia no segundo semestre de 2011; assim como o foi do Paraguai no primeiro semestre deste mesmo ano. São notícias embaciadas pelo grande volume de informações que procedem de outros setores. A marcha lerdaça do viés cultural contrasta com o andar fagueiro e lépido da diplomacia comercial, por exemplo. O Mercosul Cultural foi criado em 1996, em Fortaleza, há quinze anos!

O fato é que, tanto o tango argentino quanto a guarânia me vão bem melhor que o blues. No entanto, a pobre música guaranítica reclama até hoje a resistência invocada pelo poeta ímpar que foi Taiguara. Será que dita resistência é coisa de atores não-governamentais? De um Nei Lisboa, que, embaixador cultural ad hoc, toma a iniciativa de trazer ao público no Brasil o Candombe para Gardel.

A França, como se sabe, é pioneira, há mais de um século, na diplomacia cultural. É, portanto, um bom parâmetro para a discussão de requisitos em torno de uma política governamental para a cultura. Uma recente polêmica entre intelectuais franceses merece atenção. Ela parte da seguinte questão: Existe uma cultura popular e uma cultura erudita, sendo a primeira objeto das leis de mercado e a segunda merecedora da ação estatal? Quanto à pergunta existem dois posicionamentos, de um lado aqueles que defendem que se pode estabelecer uma hierarquia dentro da cultura, das artes e das práticas culturais. Assim, haveria uma cultura das obras primas universais da humanidade, que, por seus valores, deve ser democratizada. Por outro lado, há os que rejeitam essa versão hierárquica das coisas, entendendo que não há mais sentido na distinção entre as culturas popular e acadêmica. Citam, a favor deste argumento, o fato de que os grandes artistas sabem da fatalidade do interculturalismo, de tal forma que a cultura do século XX criou-se como sendo a cultura das misturas e do "impuro". “Quando Picasso se impregna das culturas primitivas, quando o jazz nasceu em bordéis ou na rua, dá-se uma mistura constitutiva do nosso século”, diz Laure Adler.

Por ora não quero me posicionar em torno desta questão, no entanto, para mim, é evidente que não são posições que se excluem necessariamente. Mas a primeira posição é a mais clara quanto ao papel da ação do poder público. Queremos preservar o samba, a guarânia, o candombe, o tango, enquanto valores culturais a serem transmitidos às gerações futuras, e não o pastiche engendrado e difundido nas tevês e  que toca a toda hora nas rádios.

Sérgio Batista Christino 

Texto publicado na Coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional , edição do dia 25 de agosto de 2011

EL INSPECTOR MAIGRET - Resenha de Soledad Platero no El País Cultural


Cada hombre es un mundo

LA PRIMERA novela de la serie protagonizada por el comisario Maigret, escrita por Georges Simenon, fue Pietr, le leton, de 1931. En español circuló como Pedro, el letón, pero también como La muerte ronda a Maigret, un título más cercano a la estética de las colecciones de novelas populares en las que el célebre comisario se inscribiría.
Jules Maigret fue el protagonista de 78 novelas y 28 cuentos, y es uno de los detectives literarios más recordados por los lectores y, sin duda, el más querido. Abrió el camino del policial europeo -ese que se distanció tanto de la novela inglesa de enigma como de la novela negra norteamericana para instalarse en un clima de pequeños cafés y tabernas, en fondas que guardan el olor de muchos guisos, en pensiones y arrabales menos violentos que sórdidos o melancólicos.
Maigret es el rey indiscutible de ese ambiente, y podríamos afirmar que es él mismo quien lo construye, en tanto son siempre su perspectiva y su universo moral los que tenemos al transitarlo. Es probable que el notable éxito de la serie, que la simpatía y el afecto conquistados por el personaje, y el respeto obtenido por su creador, Georges Simenon, se apoyen en la sólida legalidad que el comisario de la Policía Judicial va desplegando a su paso, y que, aún ahora, pasados tantos años, sigue impermeable a las objeciones políticamente correctas, a los reclamos de veracidad y a las exigencias de precisión que amenazan a tantos mundos ficticios. 
El comisario no tiene hijos. Vive con su mujer, Mme. Maigret, en un apartamento del bulevar Richard-Lenoir. Tienen rutinas matrimoniales -el cine de los jueves; las cenas, una vez al mes, en casa de los Pardon; las vacaciones, una vez al año, en Meung-sur-Loire, en donde piensan vivir de viejos- que asoman siempre, lateralmente, para ayudar al lector a instalarse en la perspectiva del personaje. Para pisar dentro de los zapatos de Maigret desde que se despierta, y acompañarlo en cada paso dado en ese mundo conocido pero siempre desafiante, en el que alguien muere violentamente y hay que descubrir por qué.
El mundo de Maigret es la gente. No es París, ni las pequeñas poblaciones a las que se traslada ocasionalmente, casi siempre detrás de un impulso, de una curiosidad, sin órdenes expresas ni cobertura oficial. Su mundo es la pura gente y su circunstancia. Su mundo se edifica desde él, desde su mirada, y se completa en ese misterio siempre renovado que son las personas, sus vidas de todos los días, los hábitos en los que se han ido gastando y desdibujando durante años, hasta el punto de pedir, secretamente, que algo, aunque sea alguna desgracia, caiga sobre ellos y los arranque de ahí.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Samba de Tres



Ponte Mauá,
o sol descai
ao redor
dos jornais,
há tanto amor
no birô .

Tabacaria,
revistas,
Truffaut,
a tarde ferve
no cine
Rio Branco.

Samba de três ,
“Jules et Jim”
sessão
Vermouth
em
antigas matinês .

Villa Lobos,
cio de amores
efêmeros,
dial ensaio lírico,
fantasias
e plácidos domingos ...

Mise-en-scéne
de nós três :
Léo,eu e você,
naquele The End
branqueando
sua saia plissê .

Carlos Di Jaguarão


ISBN : 978-85-61629-47-03


quarta-feira, 24 de agosto de 2011

China Isabel

Desnudo - Durbal Ney Ramos - Minas -UY

Sorrir?
Isabel não sorria...
Falar?
Isabel não falava...
Tinha segredos consigo
Que somente ao Minuano contava
Quando caminhava solita
À beira do São Gonçalo

Tinha o coração na mãe África
Que um dia ouvira falar
Ou em Joaquim Saladero
Negro que morreu peleando
Buscando liberdade pros lados de Vichadero
Já quase Banda Oriental

Sorrir...
Isabel não sorria...
Escrava, cria da casa...
Neta d´algum coronel de costumes europeus
Opulência de charqueador, dono de gado e gente
Com sobrado imponente e vida de Vice Rey

Falar?
Isabel não falava..
Juntava flores e ervas do pampa
carqueja, marcela....
para depois larga-las ao vento...
Num ritual belo e xucro
Como se fosse oferenda
para algum Deus da sua gente
Ou a são Francisco de Paula

Isabel não sorria,
Isabel não falava,
Era muda pra vida.
Ficou muda para o amor.

Que segredos escondia para o mundo Negra Isabel?

Hélio Ramirez

Este poema do Hélio fará parte do próximo CD que está sendo elaborado em conjunto com Régis Bardini. É um dos textos selecionados para a apresentação cultural  que faremos hoje no encerramento da Jornada de História e Educação, evento que acontece na Unipampa Jaguarão.  Recital de poesia e música com Hélio Ramirez,  Martim César e Jorge Passos as 19 horas no Auditório da Universidade.   

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Grandes atrações no Projeto Cultural América & Pampa





No formato já tradicional - mesa redonda e música ao vivo - a Bibliotheca Pública Pelotense (BPP) apresenta,  na noite desta quarta (24), a 46ª edição do Projeto Cultural América & Pampa. No salão nobre da BPP e com entrada franca, a programação inicia às 18 horas com uma mesa redonda que leva o título de CONVERSA SOBRE RÁDIO. De maneira informal, cinco convidados conversam sobre temas que vão da memória do Rádio  à recente realidade que incorpora as emissoras comunitárias, a internet e as redes sociais. Ás 19:30 horas começa a música ao vivo, com seis nomes locais e, como convidado especial, o compositor e intérprete uruguaio Julio Victor,El ZucaráCom mais de quatro décadas de carreira, o cantautor é um dos nomes históricos do chamado Canto Popular do Uruguai e se apresenta pela primeira vez no Brasil.

O projeto da BPP presta homenagem, nesta edição, ao décimo aniversário de dois  parceiros institucionais presentes deste a sua implantação, no final de 2003: a RádioCOM 104.5FM e o programa Cantos de Luta e Esperança, da própria emissora comunitária - projeto coletivo conduzido por uma sociedade civil sem fins lucrativos -  no ar desde 12 de junho de 2001. No mesmo mês ( dia 23), foi ao ar a primeira edição do programa Cantos de Luta e Esperança. Hoje com duas edições por semana - terças e domingos - o espaço trata, durante 90 minutos, da música de raiz popular de toda América Latina.
Programação
18 hs - MESA REDONDA / Conversa sobre Rádio

Convidados
André Amaral
Enilton Grill Jr
Lair de Mattos
Otávio Soares
Ricardo Petrucci
19:30 hs - MÚSICA AO VIVO
Convidados

Aluísio Rockembach
Frederico Viana
Gilberto Isquierdo
Lyber Bermudez
Roberto Borges
CONVIDADO ESPECIAL

Julio Victor / El Zucará
Compositor e intérprete
Canto Popular Uruguaio
Participação / poesia recitada
Marco Antônio Chaves

sábado, 20 de agosto de 2011

A homenagem de Jaguarão a Aldyr Garcia Schlee



Ilmo. Sr. Claudio Martins
MD. Prefeito de Jaguarão

Caro amigo,

A data de hoje reveste-se de especial significado para todos nós.

Jaguarenses ou não, familiares do homenageado ou não, estamos sinceramente agradecidos por tudo. No meu caso particular, convivo com Jaguarão e com Schlee há 48 anos. Cresci guri nas casas desta cidade, despertei para o patrimônio nas ruas de Jaguarão. Em Pelotas, me formei e acompanhei a feitura dos livros de meu pai. Saiba que eles não são escritos, mas exaustivamente pensados, detalhadamente construídos, cuidadosamente desenhados e, finalmente registrados. Contos que nascem de um universo literário particular, com limites culturais e espaciais definidos e que abrange os homens que viveram ou que vivem por aqui. Deste lado, ou do lado de lá da ponte. Personagens de histórias reais, travestidas da mais pura e humana ficção. Histórias que, por isso mesmo, são universais. De Jaguarão para o resto do mundo!

A Jaguarão que sempre viveu em minha memória e no meu coração, agora é patrimônio de todo o povo brasileiro. Representa, portanto, parte do legado que o Brasil de hoje deixará para as gerações futuras. E é nesta mesma cidade histórica que, a partir de hoje, existirá uma rua denominada de “Uma Terra Só”. A nossa Jaguarão e a de meu pai. Preservada como Aldyr Garcia Schlee sempre desejou. Não deixa de ser significativo, tratar-se de uma simples via, que nasce em Jaguarão, que mergulha no rio, que emerge em Rio Branco e que tem como horizonte o Uruguai. Sendo ela mesma, uma bela peça de ficção!

Uma terra só e uma rua, curiosamente, sem portas! Como que sugerindo um mundo sem fronteiras e sem propriedades. Também como Aldyr Garcia Schlee sempre sonhou e lutou.

Caro Prefeito, parabéns pelo conjunto de iniciativas!

(dê um forte abraço em meu pai!)

Andrey Rosenthal Schlee*
Brasília, 20 de agosto de 2011

* ...também diretor de Departamento de Patrimonio Material e Fiscalização do Instituto Histórico e Artístico Nacional (IPHAN)  

Maestro Juan Schellemberg e Banda de Jovens abriram com música

Enfrentou-se o frio com disposição galharda
A literatura tomando posse desta rua  
regozijo dos familiares, leitores e amigos
sessão de autógrafos com muito bate papo entre leitores e escritor