quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Jaguarão Recantos e Encantos - TVE 1983 - Parte IV


Programa da TVE do RS sobre a Cidade de Jaguarão, sua Memória, sua Cultura, sua Política. Participação de Valdo Nunes e Jorge Garcia, mentores do Projeto Jaguar. 

Neste segmento, enfoca-se primeiramente a residencia do Presidente da Província, Dr Carlos Barbosa, e que depois seria o atual museu. Vista do interior do Museu ao som de um sarau com Professora Verdina Raffo Soares ao piano, tenor Jarbas Taurino e encenando no papel de Doquinha, Carmem Azevedo.

A seguir, imagens do Theatro Esperança apresentando peças ao violino com o Professor Stefano Roncato.



quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Sensação de alívio na América Latina

Líderes da América Latina saúdam vitória de Dilma
Como costumo fazer em dias de eleição, saí cedo pela manhã.  Depois de votar fui dar um passeio pelas ruas da cidade para ver o movimento. Eram 9 horas. Tudo estava calmo, nem parecíamos estar decidindo o futuro do país. Resolvi alargar o trajeto e dei um pulo do lado uruguaio. Fazia tempos que não tínhamos essa festa da democracia simultaneamente aqui e allá. Encontrei a Virrey Arredondo em alvoroço. Carros embandeirados, comitês dos tres partidos, Nacional, Colorado e Frente, cheios de militantes entusiasmados. E foi um dia histórico para a fronteira. Pela primeira vez o partido FrenteAmplista conquistou vitória em Cerro Largo. Parabéns aos amigos del Frente.

Do lado brasileiro, o candidato Sartori confirmou o favoritismo no RS, mais calcado na feroz e raivosa campanha antipetista que por suas qualidades ou projetos. É daqueles políticos mansos, que dizem ser sua maior virtude não ter partido, como se não tivesse. Não por acaso, a mídia tem desvalorizado os partidos e a política. Ouvi de várias pessoas a mesma cantilena: “sei que o Tarso é melhor, mas voto no outro porque sou anti-PT.”  Resultado de anos de  uma cruzada sórdida de difamações, calúnias e desinformação da poderosa grande mídia e seus tentáculos. Aqui mesmo em Jaguarão, há um gerente de uma cadeia de lojas, que sob o codinome Apanhado da Silva, escondendo-se sob o manto do anonimato,  presta-se a comprar uma página inteira de jornal para divulgar textos e blogs antipetistas, com acusações e ataques infundados e mentirosos. São os mesmos que falam em ditadura e radicalismo do PT. Pelo menos em nível nacional, com vitória decisiva em MG e RJ, apoio incondicional do Nordeste e votações expreessivas em todos os estados da federação, livramos os eleitores Aecistas de se arrependerem e repetir o fenômeno Collor. Seis meses depois não se encontrava ninguém que admitisse ter votado no playboy das Alagoas. Era o voto envergonhado.  

Mas deixemos os cães latirem, porque a caravana passa. E passa para transportar a maior revolução  transformadora do Brasil e de sua gente. E de forma pacífica! Milhões e milhões de pessoas que saíram da miséria e ascenderam socialmente. A continuidade de um governo que sabe defender os interesses populares, mesmo em meio à recessão mundial, à sabotagem do grande empresariado, foi uma gigantesca vitória.


Em referencia ao título desta coluna, o analista político Martim Granovski do Diário Página 12 da Argentina, expressou que Dilma e Lula conseguiram a vitoria eleitoral mais importante dos Projetos de reforma com inclusão na América do Sul. O triunfo no Brasil,  foi recebido como se fosse um próprio triunfo na Argentina, Uruguay, Venezuela, Bolívia, Equador e Chile, e com satisfação pelo presidente colombiano Juan Manuel Santos, que pelo Twitter felicitou Dilma dizendo que espera “seguir trabalhando pelo bem de nossos dois países e da região”. A derrota de Aécio Neves, que apregoava uma mudança nas relações exteriores do Brasil, consolida a chance de fortalecer o Mercosul, de afirmar  a Unasur como intercâmbio de  políticas diversificadas e de integração energética e de infraestrutura e estender a aliança com a Comunidade de Estados Latinoamericanos e Caribeños, a Celac. Na noite de domingo  foi palpável que as forças  afins ao PT na América do Sul sentiram o mesmo que os eleitores de Dilma. Não só alegria. Também um enorme e prazenteiro alívio.     

Jorge Passos

Publicado na coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional em 29/10/2014

Poesia no Bar no Le Grand Café Bistrô em Pelotas


Na próxima sexta-feira, 31, no Le Grand Café Bistrô (Pelotas), acontece mais um Poesia no Bar. Em sua 21ª edição, a terceira da agenda comemorativa dos 4 anos de projeto, além da distribuição de poemas autorais em marca-páginas e da leitura de poemas,o Poesia no Bar, numa parceria com o projeto Declame para Drummond, homenageia um dos grandes nomes da literatura brasileira, Carlos Drummond de Andrade, no dia de seu aniversário.

O evento faz parte da programação oficial da 42ª Feira do Livro de Pelotas e contará com a participação especial da violinista uruguaia Micaela Fermandez e com trilha sonora organizada pelo núcleo Poesia no Bar. 

DECLAME PARA DRUMMOND
Realizado desde 2010, o projeto Declame para Drummond, da poeta brasiliense Marina Mara, já espalhou milhares de poemas por todo o Brasil e em alguns outros países. Além de homenagear o poeta Carlos Drummond de Andrade no dia de seu aniversário, 31 de outubro, o projeto é uma forma colaborativa de circulação de poesia autoral, por meio de intervenções urbanas, saraus, vídeopoemas, entre outras manifestações artísticas. Para mais informações, visite página do evento:www.facebook.com/events/684705194912003/

Serviço:
O que: Poesia no Bar – Declame para Drummond
Quando: dia 31 de outubro, pós 17h.
Onde: Le Grand Café Bistrô (Pça Coronel Pedro Osório, 61-A)
Entrada Franca!

Apoio: Prefeitura Municipal de Pelotas
Produção: Núcleo Poesia no Bar
Realização: Mandinga Arte Literatura


domingo, 26 de outubro de 2014

A Poesia faz Oração para Dilma em 26 de outubro

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Mercosul a Perigo!

Bloco tem posição estratégica, estendendo-se  do Caribe
 ao extremo sul do continente. Aécio propõe dar-lhe fim. 

Conforme noticia do Jornal Valor Econômico publicado em abril deste ano, em Palestra proferida durante o Fórum da Liberdade, promovido pelo Instituto de Estudos Empresariais (IEE) em Porto Alegre, o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, encerrou a agenda propondo o fim do Mercosul. Ele classificou o Bloco Econômico como “coisa anacrônica” que “não está servindo a nenhum interesse dos brasileiros”.

No mesmo tom de desprezo ao Bloco, o ex-embaixador Rubens Barbosa, coordenador do programa de governo tucano para a política externa afirmou ao jornal Sul21, que, num eventual governo de Aécio, este daria início a uma revisão profunda do Mercosul e uma revisão do seu tratado, para permitir ao Brasil negociar, sozinho, acordos de livre-comércio.

Parodiando o Chico Buarque, dessas declarações tucanas, deduzo que “eles falam grosso com nossos vizinhos e falam fino com os Estados Unidos”.

Esta coluna, até pelo título que ostenta, Gente Fronteiriça, não poderia furtar-se a abordar essas pretensões do candidato Aécio. Em primeiro lugar, para informar as pessoas , que muitas vezes votam em candidatos apenas por parecer bons moços, ou por simpatia, ou por ser bonitinho, sem saber das intenções que têm e a quem representam. Em segundo lugar, esses projetos afetam diretamente as comunidades vizinhas em cidades de fronteira. O Mercosul já faz farte de nossas vidas.

A começar pelo setor de Comércio Internacional que emprega grande número de trabalhadores, tanto em Jaguarão quanto em Rio Branco. Para quem circula pela BR 116 é visível a construção de galpões de novas transportadoras que aqui se instalaram, e que têm experimentado um forte incremento em suas demandas. Pessoas que eram apenas entregadores de documentos , com as oportunidades que se apresentaram nestes últimos dez anos , hoje são empresários florescentes. Há todo um ramo de serviços, despachantes, depositários, funcionários, serviços públicos de órgãos intervenientes, que estão envolvidos nessa área de atendimento ao Comércio Exterior. O Fim do Mercosul, certamente trará apreensão a esses segmentos. Quem garante que não haverá declínio do fluxo de transações entre os países do Mercosul?

E o Tratado do Mercosul não se restringe apenas ao setor de trocas comerciais. Conforme expressou a presidenta Dilma, “o Mercosul nunca se propôs a ser apenas uma área de livre comércio. A união aduaneira e a livre circulação de pessoas, elementos vitais de um verdadeiro mercado comum, são partes orgânicas desse projeto de integração(...) Sempre insistimos em que, para que ela seja consolidada, é fundamental que haja uma integração entre os povos, inclusive com a criação de uma cidadania comum, como se deu no caso da União Europeia.” E nós temos vivenciado isto. Aqui na nossa fronteira é crescente a cooperação entre as duas cidades. Escola Binacional, legislação ao fronteiriço, intercâmbio cultural. Este desejo tucano de acabar com o Mercosul, traduz outra consequência desastrosa para nossa região. A centralização dos recursos federais no eixo- Rio São Paulo. Não foi por acaso que a votação aqui na Metade Sul foi amplamente favorável ao governo federal. Os municípios menores nunca tiveram tantos investimentos federais. É a descentralização que teve inicio no governo do presidente Lula e teve continuidade com Dilma.

Dar as costas ao Mercosul seria um tremendo erro e um grande atraso para o nosso país.

Jorge Passos

Publicado na Coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional em 21/10/2014  

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Manifesto dos Professores Federais da região Sul do RS em apoio à reeleição de Tarso e Dilma

Nesta terça feira, as 17 horas, ocorre em Pelotas , no Largo do Mercado Público o Ato de Lançamento Do Manifesto dos Professores Federais da Região Sul do RS em apoio à reeleição de Tarso e Dilma. 

ASSINE CLICANDO AQUI

PROFESSORES E PROFESSORAS DAS UNIVERSIDADES E DOS INSTITUTOS FEDERAIS DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL COM DILMA E TARSO NO SEGUNDO TURNO PELA MANUTENÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO


A expansão das universidades federais nos governos Lula/Dilma é visível. Programas como o REUNI e a UAB ampliaram largamente o acesso ao ensino superior, levando a formação universitária pública para regiões antes carentes. A criação de instituições como a UNIPAMPA, que atende cidades da região sul como Bagé e Jaguarão, fez com que milhares de jovens não precisassem sair de seus municípios para estudar, assim como deu a muitos desses jovens a possibilidade de fazer sua graduação, o que era impossível para a maioria nos governos do PSDB.Esse crescimento em todo país, visível no caso da UFPel e da FURG, não é irrelevante: de 2003 a 2014, vimos não só o aumento de números de vagas, como o aumento de cursos de graduação e pós-graduação oferecidos. O número de matrículas no ensino superior em todo Brasil subiu de 3,52 milhões em 2002 para 7,1 milhões em 2014 (dados do INEP). De forma não menos expressiva, o número de bolsas somente de mestrado e doutorado oferecidos pelo governo federal subiu de 23.234 em 2002 para 74.094 em 2012 (dados: GEOCAPES).

A Presidenta Dilma Rousseff, o Presidente Lula e o Governador de nosso Estado, Tarso Genro, então Ministro da Educação, criaram a Universidade Aberta do Brasil, ampliando a presença das universidades federais, para além das 18 criadas entre 2003 e 2014 em todo país, a mais de 600 cidades, sendo que, somente no Rio Grande do Sul, existem quase 50 polos de educação superior, os quais oferecem cursos de graduação e pós-graduação.

Em 2012, foi criada a Lei de Cotas Sociais, a qual destina 50% das vagas em universidades federais e institutos federais de educação, ciência e tecnologia a alunos oriundos de ensino médio público, em cursos regulares ou da educação de jovens e adultos. Essas vagas são subdivididas entre estudantes de escolas públicas com renda familiar bruta igual ou inferior a um salário mínimo e meio per capita e estudantes de escolas públicas com renda familiar superior a um salário mínimo e meio. Em ambos os casos, é levado em conta o percentual mínimo correspondente à soma de pretos, pardos e indígenas no estado, de acordo com os dados do IBGE.

O ENEM atinge hoje 95% das universidades federais, democratizando, assim como a Lei de Cotas, o ingresso ao ensino superior. Além das universidades brasileiras, também a Universidade de Coimbra já utiliza o ENEM como forma de ingresso.

O ensino técnico e tecnológico também recebeu massivos recursos e expandiu-se como nunca no país. Em uma década apenas, os governos Lula e Dilma criaram 214 escolas de ensino técnico e tecnológico. São hoje 354 institutos federais no Brasil, com milhares de vagas em cursos de ensino médio, técnico, tecnológico, bacharelados e pós-graduação. Somente o Rio Grande do Sul conta com 41 campi (17 do IF-RS, 14 do IFSul e 10 do IFFarroupilha).

O PIBID, Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência, contribui de forma significativa para a qualificação da educação básica, concedendo bolsas a estudantes de licenciaturas vinculados a projetos de Instituições de Educação Superior em parceria com escolas públicas de educação básica. São 284 IES públicas e privadas a participarem do programa, tendo sido concedidas quase 90.000 bolsas somente em 2014 (Dados: CAPES).

O Programa Ciência sem fronteiras, que visa à internacionalização, consolidação e expansão das pesquisas brasileiras em ciência e tecnologia já concedeu mais de 20.000 bolsas para estudantes de todos os níveis fazerem intercâmbio em 40 países.

Nós, professores federais, não podemos negligenciar o avanço que esses dados representam: não estamos falando somente de estatísticas mas de pessoas que tiveram a oportunidade de escolher uma profissão e de entrar no mercado de trabalho. Relacionados ao aumento da qualificação da força de trabalho dos brasileiros via educação superior pública, vêm também outros tantos dados, como o aumento do salário mínimo – ameaçado constantemente pelas declarações de apoiadores de Aécio Neves –, a queda da taxa de desemprego para pouco mais de 5%, a ampla realização de concursos públicos, a valorização dos salários dos trabalhadores e trabalhadoras da educação pública etc.

Neste segundo turno, consideramos essencial apoiar as reeleições de Dilma e Tarso e dizer NÃO AO RETROCESSO que apresentam as candidaturas de Aécio Neves e José Ivo Sartori!


 
DIZEMOS VEEMENTE NÃO À TERCEIRIZAÇÃO DO ENSINO PÚBLICO GRATUITO! DIZEMOS NÃO AO SUCATEAMENTO A QUE ESTIVERAM SUBMETIDAS AS UNIVERSIDADES E OS INSTITUTOS FEDERAIS DURANTE OS OITO ANOS DE GOVERNO DO PSDB! DIZEMOS NÃO AO ARROCHO SALARIAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS EM EDUCAÇÃO E DAS SERVIDORAS E SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS!

TODO TRABALHADOR E TODA TRABALHADORA DA EDUCAÇÃO DEVEM REFLETIR SOBRE SEU VOTO NO SEGUNDO TURNO, POIS ELE NÃO NOS É INDIFERENTE! PRECISAMOS DEFENDER OS DIREITOS CONQUISTADOS NOS ÚLTIMOS 12 ANOS!
AQUELES QUE VEEM NA EDUCAÇÃO UM NEGÓCIO LUCRATIVO E UMA VIA PARA A ALIENAÇÃO POLÍTICA, ALIADOS À GRANDE MÍDIA, AOS GRANDES EMPRESÁRIOS, AOS BANQUEIROS E A TUDO QUE O NEOLIBERALISMO REPRESENTA QUEREM TIRAR DILMA E TARSO DO PODER NÃO PELOS SEUS ERROS, MAS POR SEUS ACERTOS. ELES NÃO GOSTAM DA AMPLIAÇÃO DO ACESSO À EDUCAÇÃO EM TODOS OS NÍVEIS, MAS NÓS GOSTAMOS E, POR ISSO, DECLARAMOS NOSSO VOTO EM DILMA E TARSO, PARA AVANÇAR NAS MUDANÇAS E GARANTIR A SOLIDIFICAÇÃO DAS CONQUISTAS DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DA EDUCAÇÃO E DA JUVENTUDE QUE HOJE PODE ESCOLHER SEU FUTURO.

NÃO PODEMOS DEIXAR QUE O PRÉ-SAL SEJA ENTREGUE ÀS MULTINACIONAIS! SEM ELE, SERÃO R$ 200 BILHÕES A MENOS PARA A EDUCAÇÃO!

TEMOS PELA FRENTE GRANDES DESAFIOS: ESTAMOS JUNTO COM DILMA E TARSO PARA ENFRENTAR O CONGRESSO MAIS CONSERVADOR DESDE 1964 E GARANTIR A MANUTENÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ENSINO PÚBLICO E GRATUITO. COM ESSE SISTEMA POLÍTICO, QUE FAVORECE A ELEIÇÃO DE 27% DE EMPRESÁRIOS, 23% DE RURALISTAS E MENOS 44% DE SINDICALISTAS, NOSSOS DIREITOS ESTÃO AMPLAMENTE AMEAÇADOS. FOI POR ISSO QUE QUASE 8 MILHÕES DE BRASILEIROS VOTARAM SIM NO PLEBISCITO POPULAR QUE PEDE A CONVOCAÇÃO DE UMA CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA PARA FAZER A REFORMA POLÍTICA. SOMENTE DILMA, NO CENÁRIO ATUAL DA DISPUTA EM SEGUNDO TURNO, É CAPAZ DE ATENDER ÀS REIVINDICAÇÕES DOS BRASILEIROS E FAZER A MÃE DAS REFORMAS PARA QUE POSSAMOS AVANÇAR NAS MUDANÇAS EM TODAS AS ÁREAS E, PRINCIPALMENTE, NA EDUCAÇÃO PÚBLICA

NO DIA 26 DE OUTUBRO, VOTAMOS 13 PELA QUALIFICAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ENSINO PÚBLICO SUPERIOR!

Jaguarão Recantos e Encantos



O título acima refere-se ao Programa da TVE do RS sobre a cidade de Jaguarão, sua Memória, sua Cultura, sua Política, realizado no ano de 1983. A iniciativa do Professor Carlos José Maninho que com o auxílio do José Alberto de Souza, conseguiram resgatar na emissora de TV Educativa do RS o vídeo completo do Programa possibilitou-nos, apesar da qualidade deficiente das imagens , digitalizadas do VHS, a edição do conteúdo em partes que estamos publicando no nosso canal do You tube e postando no Blog da Confraria.

A equipe da TVE, segundo nos diz o apresentador Dilermando Torres, colheu as imagens durante um dia inteiro. Valdo Alves Nunes e Jorge Garcia, mentores do Projeto Jaguar, estão presentes e seus diálogos vão servindo de roteiro em todo o andamento do programa. No inicio, conversam à beira do Guaíba relembrando o Rio Jaguarão e sua importância como elemento fundador da cidade. Participação do Grupo Americando, formado por Helio Ramirez , Plinio Silveira e Jorge Passos, cantando Puente Mauá, música de Hélio Ramirez e letra de Don Duca Marins. Interessantes imagens da beira rio mostrando que os camelôs localizavam-se na extensão das calçadas da 20 de setembro antes de migrar para o atual camelódromo.

Já em Jaguarão, nossos dois guias introduzem o tema do patrimônio histórico com seu casario, hoje tombado pelo IPHAN. É filmado inteiramente em seu interior, o Sobrado do Barão, com depoimento do dono de retificadora localizada, à época, no térreo do Sobrado, senhor Gilberto Mesones. A seguir é mostrado o Mercado Público tendo por fundo musical um chorinho executado pelo Mestre Vado, "Tira-Teima", do compositor jaguarense Carmelo Goulart. No final desta sequencia temos a imagem do nosso inesquecível mestre do sax. Finalizando esta parte, imagens do casario e interior do jardim do Museu Carlos Barbosa e porta esplendidamente trabalhada em casa da Rua XV. A Loja Maçônica de Jaguarão, fundada em 1854, tem a construção do seu Templo e instalações interiores explicada pelo saudoso Professor Hermenegildo Ortiz, Primeiro Vigilante na Ordem da Instituição. José Caetano, membro do Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão, fala sobre o acervo da Casa.

Estas as partes que já estão publicadas. Há muito mais. Sarau no Museu Carlos Barbosa com a Professora Verdina Raffo ao piano e voz do tenor Jarbas Taurino, imagens do professor Stefano Roncato no Teatro Esperança executando uma peça no violino, entrevista com Sérgio da Costa Franco.São imagens de alto interesse histórico e que fazem parte de nosso patrimônio cultural.

Você, caro leitor, pode acessa-las na internet digitando na pesquisa do You tube “Jaguarão recantos e encantos” que será direcionado aos vídeos.

Reproduzo palavras do professor e ex-secretário de Cultura Carlos José Maninho: “ programa histórico que apresenta imagens e entrevistas feitas no ano de 1983 . Importante momento, precursor do que viria a acontecer em 2010, quando começam a se concretizar alguns sonhos que foram sonhados juntos. Com o trabalho desenvolvido pela Prefeitura e Secult, conseguiu-se junto ao IPHAN, que este praticamente adotasse nosso patrimônio. Daí adviriam o Restauro do Teatro Esperança, Enfermaria (que foi além do que se imaginava), Mercado Público, e muito mais pela frente, se os brasileiros permitirem, e eu acredito nisso!”

Nós também!
Jorge Passos

Publicado na coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional em 15/10/2014

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Apoiar a Presidenta Dilma é um ato de celebração da cultura



O melhor espelho de um país é a sua cultura porque é por via da cultura que somos o que somos. Por via da economia somos apenas o que temos e o que temos pode-nos ser retirado com alguma facilidade em tempos em que dominam os mercados globais e os seus patrões, os barões financeiros. A cultura, uma vez cultivada, cola-se à pele do povo e muito dificilmente pode ser retirada. É também o melhor investimento no futuro do país, pois um país cioso da sua cultura e das suas culturas é um país capaz de afirmar a sua identidade e as suas aspirações num mundo interdependente. A cultura é ainda a melhor arma para o aprofundamento da democracia pois cidadãos e cidadãs cultos são menos facilmente manipuláveis, tendem a ser politicamente mais ativos e o seu ativismo tende a ser mais esclarecido.

Se tudo isto é verdade, é imperioso reconhecer que nos últimos 12 anos o Brasil deu um salto qualitativo no aprofundamento e na diversificação da cultura, permitindo novas manifestações e mesmo novas concepções de cultura, novos projetos culturais de novos agentes culturais, grupos sociais até agora silenciados ou marginalizados. Esse salto qualitativo também ocorreu no grau de exigência dos cidadãos em relação à classe política, uma transformação de que esta, em geral , não se deu conta.

Olhando os factos, a transformação cultural do Brasil é extraordinária durante os governos do PT. O orçamento da Cultura no governo federal saltou de R$ 287 milhões em 2003 para R$ 2,2 bilhões em 2010. E a grande ação implementada nos últimos 12 anos em termos de políticas tem nome: Cultura Viva, o programa, lançado em 2004 pelo então ministro Gilberto Gil, que estabelece e promove uma rede de pontos e "pontões" de cultura espalhados pelo país.

A lógica da política cultural foi invertida: em vez de levar 'alta cultura' à população, o governo atual decidiu dar apoio às iniciativas culturais e populares já em curso, fortalecendo a diversidade sociocultural brasileira. Essa guinada buscou reconhecer e valorizar manifestações e 'identidades' culturais em seus 'territórios'. Por todo o lado que vou no Brasil deparo-me com a presença dessa transformação cultural.

Ainda recentemente tive ocasião de participar nas atividades do Instituto Trocando Ideias, de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, que desenvolve um desses pontos de cultura . A comunidade indígena pataxó que visitei em Porto Seguro, na Bahia, também tem o seu ponto de cultura. O Cultura Viva ganhou tal projeção que se tornou política de Estado, assegurada por lei. Um outro grande feito do atual governo foi a aprovação e adoção do Marco Civil da Internet (http://culturadigital.br/marcocivil/), que estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Trata-se de uma legislação inovadora no sentido da regulação de um setor sociocultural importantíssimo.

A continuidade desta vibrante politica cultural pressupõe a vontade política do governo para a fazer prevalecer perante outras prioridades que sempre se manifestam e muitas vezes com mais poder de influência do que a dos que defendem uma politica cultural atuante, solidária, emancipadora. Não tenhamos ilusões: essa vontade está apenas consolidada e garantida na proposta do governo Dilma.

Por isso a apoio.

Fonte: http://www.cartamaior.com.br

Em Jaguarão, o Clube 24 de Agosto é um dos Pontos de Cultura do RS

ATIVIDADES DO BACHARELADO EM PRODUÇÃO E POLÍTICA CULTURAL DA UNIPAMPA - JAGUARÃO.

    Prof. Alan Melo e os discentes Juliana, Leandro, Louise e Bruno do PPC


No mês de outubro o Grupo do Programa de Educação Tutorial em Produção e Política Cultural (PET-PPC) da Universidade Federal do Pampa está a todo vapor, com diversas atividades na cidade e presença em evento no Uruguai.

O mês começou com a participação dos petianos Bruno, Juliana, Leandro e Louise e o Tutor Prof. Alan Dutra na exposição artística do Prof. Thomas Josué Silva, que expôs suas obras de tapeçaria no Museu Regional Histórico na cidade de Melo, Uruguai. Nesta terça-feira o grupo se reunirá com o conjunto vocal Boêmios do Amor, para dar seguimento a uma pesquisa sobre o carnaval que tem como intuito principal a salvaguarda da memória do Conjunto e sua trajetória no carnaval Jaguarense.

O Cine-Pet deste mês se realizará parceria com o Instituto Conexão Sociocultural, e será realizado no dia 21 de outubro na Escola Municipal Castelo Branco com a exibição do filme “31 Minutos”, que é uma animação com classificação livre.

Entre os dias 23 e 25 o grupo participará de uma oficina de fotografia, ministrada pela prof. Dr. Denise Silva que leciona no campus São Borja. Essa oficina tem como intuito a formação de uma visão mais sensorial e sensível dos petianos. Esta atividade será apenas para o grupo.

No dia 25 o grupo realizará mais uma edição do “Pensando a Produção Cultural”, com o tema “Sistema Nacional de Cultura” que contará com a participação do Professor Dr. Alexandre Almeida Barbalho da UFC que com mediação do Coordenador do curso de Produção e Política Cultural da UNIPAMPA, Prof. Ms. Gabriel Chati. O Pensando é um projeto que busca a interação entre alunos da universidade com profissionais da área. A atividade é gratuita e aberta a todos. O local e horário a definir serão divulgados pelo blog do grupo.

O Grupo estará entre os dias 31/10 e 02/11 em saída de campo, que tem como cronograma uma visitação ao “Museu do Pão” em Ilópolis, o “Museu do Carvão” em Arroio dos Ratos, e instituições culturais em Porto Alegre.

Durante todo o mês de outubro o PET-PPC participará em oficinas de audiovisuais ministradas pela professora Luma Reis, formada em audiovisual e integrante da “Corja Filmes” - SP.

Pelo grupo PET do Bacharelado em Produção e Política Cultural,
Leandro Vieira Amorim.

Conheça mais sobre o Grupo e maiores informações das atividades em nosso blog: petproducaopoliticacultural.blogspot.com.br/ e pela nossa pagina no Facebook: facebook.com/ppcpet

Calendário Pet:
10/10: Exposição Melo-UY
21/10: Cine-PET, Escola Castelo Branco.
23 a 25/10: Curso de Fotografia.
25/10: “Pensando a Produção Cultural”, local e horário a definir.
31/10 a 02/11: Saída de Campo, Museus. 

       Discentes de PPC Leandro, Juliana, o artista Thomas J. Silva, e Louise

          Professor Alan Melo e o artista Thomas J. Silva



segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Jaguarão Recantos e Encantos - TVE 1983 - Parte III


Programa da TVE do RS sobre a Cidade de Jaguarão, sua Memória, sua Cultura, sua Política. Participação de Valdo Nunes e Jorge Garcia, mentores do Projeto Jaguar.
Neste segmento, a Loja Maçônica de Jaguarão, fundada em 1854, tem a construção do seu Templo e instalações interiores explicada pelo saudoso Professor Hermenegildo Ortiz, à época, Primeiro Vigilante na Ordem da Instituição. 
A seguir , José Caetano, membro do Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão, fala sobre o acervo do Instituto.

domingo, 12 de outubro de 2014

Jaguarão Recantos e Encantos - TVE 1983 - Parte II


Programa da TVE do RS sobre a Cidade de Jaguarão, sua Memória, sua Cultura, sua Política. Participação de Valdo Nunes e Jorge Garcia, mentores do Projeto Jaguar. Neste segmento são enfocados prédios históricos que hoje são tombados pelo IPHAN. Sobrado do Barão com depoimento do dono de retificadora localizada no térreo do Sobrado, Senhor Gilberto Mesones.

A seguir é mostrado o Mercado Público tendo por fundo musical um chorinho executado pelo Mestre Vado, "Tira-Teima", do compositor jaguarense Carmelo Goulart. No final desta sequencia temos a imagem do inesquecível expert do saxofone. 

Finalizando esta parte, imagens do casario e interior do jardim do Museu Carlos Barbosa e porta esplendidamente trabalhada em casa da Rua XV.

sábado, 11 de outubro de 2014

Jaguarão- Recantos e Encantos - TVE RS 1983 - Parte I


Programa da TVE do RS sobre a Cidade de Jaguarão, sua memória, sua cultura. Realizado pela emissora em 1983. Nesta primeira parte, participação de Valdo  e Nunes e Jorge Garcia, mentores do Projeto Jaguar. Participação do Grupo Americando,  formado por Hélio Ramirez , Plinio Silveira e Jorge Passos, cantando Puente Mauá, música de Hélio Ramirez e letra de Don Duca Marins.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

A Festa da Democracia


No sábado, último dia antes do primeiro turno das eleições, eu e minha esposa participávamos de uma carreata que aconteceu pelas ruas da cidade e observamos a verdadeira mobilização que a criançada faz, principalmente nos bairros mais periféricos, correndo atrás dos carros para ver quem conquista mais adesivos, bandeiras, panfletos. E ela me comentou, como achava bonito aquela festa, a possibilidade que essa futura juventude tem de vivenciar a democracia.

Há cinco décadas eu era uma criança de 7 anos de idade. O Golpe de 1964 surrupiou da minha infância essas experiências que tornam mais rica a nossa cidadania. Por longos anos proibiu-se qualquer manifestação política nas ruas. Depois do movimento pelas “Diretas Já” em 1984 com a Emenda Dante de Oliveira, que apesar de toda a pressão popular, foi rejeitada pelo Congresso Nacional, ainda dominado pelas medidas casuísticas de uma ditadura já em estado de decadência , lembro que, somente em 1989, pude exercer meu direito de voto à Presidência da República. Escrevendo este texto, chego a me surpreender com esse fato. O que hoje é desfrutado por todos a partir dos dezesseis anos e que às vezes até é um direito desprezado, só o pude fazer aos 32 anos. Talvez seja por isso que a minha geração, na sua maioria, dá tanta importância ao ato de depositar, ou melhor dizendo, digitar, nossas escolhas na urna eletrônica por quem nos representará no Parlamento e no Executivo.

Mesmo que possamos discutir o processo eleitoral, todas e cada uma das conquistas do país, desde a reimplantação da democracia, devem-se a decisões de natureza Política. Reivindicar a dignidade da Política e defender a representatividade é a única maneira de combater daqueles que pregam a sua criminalização e a desvalorização dos partidos. Claro que, a voz do povo nas ruas exige uma Reforma Política. Esta vontade foi sacramentada na votação expressiva de mais de 6 milhões de pessoas agora em setembro passado, durante a Semana da Pátria, no Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva.

Para finalizar, observando o resultado das Eleições no primeiro turno, podemos constatar no Mapa eleitoral da Metade Sul do nosso Estado, a ampla aprovação do eleitor aos Projetos implementados na região pelos governos Federal e Estadual. O Polo Naval, os Parques de Energia Eólica, fortes recursos investidos na Produção Rural, grandes obras de infraestrutura rodoviária como a duplicação da BR 116 , Porto Alegre - Pelotas, a BR 392 Pelotas - Rio Grande, Programas de inclusão social e saúde, ampliação de acesso à Educação superior e Técnica, dentre outras ações governamentais, sem dúvida influenciaram a escolha do eleitor. É esta verdadeira revolução de progresso e desenvolvimento para a Metade Sul, tão esquecida e relegada no passado, que estará em jogo no próximo dia 26 de outubro.        
Jorge Passos 

Publicado na Coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional em 08/10/2014

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

MÍDIA: LIBERDADE e liberdade


Sem dúvida a questão da liberdade de imprensa é um tema que permite as mais diversas interpretações. É tão controversa que há quem diga que nem isso se deveria discutir: se há dúvida; ela não existe. Pode ser. E pode não ser. Vamos debater somente a questão brasileira? Temos ou não temos liberdade de imprensa no País? Em um primeiro momento, os mais afoitos responderiam que sim, sem qualquer delonga. Outros – neles me incluo – responderiam: sim...e não... É complicado mesmo!

Há algum tempo, numa madrugada daquelas sem sono, em que não se acha o que fazer para enganar o tempo, deparei, na TV, com uma entrevista que estava sendo concedida pelo conhecido jornalista e escritor Fernando Moraes, autor de “A Ilha”. O entrevistador de um conhecido canal privado afirmava, em determinado momento: “Em Cuba não há liberdade de imprensa”. Ao que o entrevistado respondeu de pronto: “É verdade. Nem no Brasil. Aqui há liberdade de empresa: não de imprensa!”. Não preciso dizer que o assunto foi imediatamente trocado. Por que isso? Provavelmente até a própria entrevista sendo transmitida em uma hora tardia para espectadores comuns, já fosse indício de que alguma coisa acontece com intenção de não se atingir um determinado número de audiência talvez porque o tema não deva ser levado para um debate qualificado.

Recentemente, postei em meu blogue (wenceslaugoncalves.blogspot.com.br) uma matéria que intitulei “Jornalista é bem remunerado?” e tive a petulância de encaminhá-la a diversos desses profissionais que escrevem diariamente em nossa mídia. Somente um deles retornou-me, sem comentários ou detalhes, dizendo, apenas, que era remunerado de acordo com o salário da categoria. Minha provocação (reconheço) devia-se ao fato de que nunca escutei nem assisti em nossa mídia qualquer comentário – por mínimo que fosse – sobre a campanha salarial desses profissionais que era, então, encetada pelo sindicato da categoria quase em segredo, (ao menos para a mídia) sem qualquer divulgação . Isso seria um indício que existe uma “autocensura” ou uma (como diria) “censura empresarial” na nossa imprensa?

Devo confessar que não acredito em qualquer tipo de liberdade com monopólio. Seja político; seja econômico; seja de mídia. Hoje se pode afirmar que a “liberdade de mercado”, cantada em prosa e verso é uma balela. O poder financeiro dos grandes grupos econômicos “criam” e “destroem” mercados de acordo com seu interesse momentâneo.

E dizem os entendidos que no Brasil – um País de 200 milhões de habitantes – a imprensa é controlada por quatro famílias. E eu acrescento: por mera coincidência elas estão entre as maiores fortunas do País e, consequentemente, do globo.

Um dos grandes mestres da comunicação, o consagrado jornalista Mino Carta que tem uma longa história de lutas, afirma que o papel do jornalista obedece a três ditames: “fidelidade ao fato; espírito crítico e fiscalização do poder”. Sem dúvida, os dois últimos são amplamente exercidos pela grande mídia, com as ressalvas de praxe. Digo eu: a grande questão é em que termos se dá o primeiro sem que se transforme em uma interpretação dele (jornalista), conduzindo o leitor a uma aceitação de acordo com a ideologia dominante, que é, obviamente, a dos empresários da comunicação (Os patrões). São estes que ditam as linhas de comportamento dos meios de comunicação que, no caso de monopólio, é única e incontestável. Senão vejamos: Por que determinados temas atingem a unanimidade entre os colunistas? Os que discordam são uma exceção, talvez para confirmar uma regra. Será que todos os comentaristas têm a mesma maneira de pensar, sobre o Bolsa Família, por exemplo? Ou todos expressam uma opinião que não é a deles, mas é a “oficial” da empresa? Leia três jornais do dia e veja como eles encaram um tema – geralmente polêmico – com a mesma opinião. E aqui há mais um quesito importante: notícia e opinião. Essa simbiose, nem sempre detectada pelo leitor, acaba formando a “opinião pública” de acordo como é “fabricada” a notícia.

Na verdade sou um apaixonado pelo tema da liberdade de imprensa. Eu o considero fundamental para o desenvolvimento de uma consciência crítica que nos possa conduzir a uma sociedade igualitária ou, ao menos, não tão desigual como é hoje. Em minha modesta opinião, sem que as pessoas estejam em plena compreensão do que são legítimos direitos só pelo fato de serem “pessoas”, não conseguiremos alcançar o objetivo desejável, que é o de uma sociedade igualitária.

Wenceslau Gonçalves

Publicado na Coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional em 01/10/2014

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Theatro Esperança de Jaguarão



Reportagem do Diário Popular mostra o andamento das obras de restauro do Theatro Esperança já em seu estágio de finalização.

O bater dos martelos e o barulho de uma serra elétrica ainda ecoam na famosa caixa acústica do Teatro Esperança. Mas, a sinfonia claramente dissonante alegra quem a ouve, de perto ou de longe. Os sons desagradáveis são sublimados por prenunciarem a volta triunfante deste querido e precioso templo da arte jaguarense, e também do país, que em breve estará pronto para receber espetáculos e voltar a reverberar o som harmônico da cultura pulsante.

imagens: Michel Farias - DP

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Mundo Moinho recebe o Poesia no Bar em Rio Grande



Seguindo com as atividades de comemorações dos 4 anos de Poesia no Bar, na próxima terça-feira, dia 7 de outubro, o Mundo Moinho Casa das Artes (Av. Rheingantz 105A, Rio Grande-RS), receberá a vigésima edição do evento. 
Pockett show com Vicente Pimentero, apresentando Vuelo Libre, seu mais recente trabalho, com participação especial de Nina Mayers e Valder Valeirão. 
Distribuição de marca-páginas, leitura de poemas e espaço aberto para a participação do público. 
Entrada franca!




quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Festival Internacional de Cinema da Fronteira tem inscrições até dia 19 de outubro



Os realizadores interessados em participar da sexta edição do Festival Internacional de Cinema da Fronteira já podem inscrever seus filmes. Este ano, o evento ocorre entre os dias 24 e 29 de novembro, em Bagé, Rio Grande do Sul, e as inscrições devem ser realizadas até o dia 19 de outubro. O regulamento, formulário de inscrição e notícias sobre o festival podem ser acessados através do site http://www.festivaldafronteira.com/.
Durante a sexta edição do festival terá quatro mostras competitivas: mostra competitiva internacional de curtas-metragens, mostra competitiva regional (voltada ao público de Bagé e fronteira oeste), mostra competitiva universitária e a mostra competitiva internacional de longas-metragens (voltada a países lusófonos e latino-americanos). A mostra competitiva regional terá ainda o incentivo de R$ 15 mil aos dez melhores projetos através da segunda edição do Prêmio Memória e Patrimônio.
O Festival Internacional de Cinema da Fronteira é uma promoção da Prefeitura Municipal de Bagé, através da Secretaria Municipal da Cultura, uma realização da Associação Pró-Santa Thereza, uma produção da produtora Anti Filmes e Da Maya Espaço Cultural e conta com apoio da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), Universidade da Região da Campanha (Urcamp) e do Instituto Sul Riograndense (IFSul).
O curador da sexta edição do Festival Internacional de Cinema da Fronteira é o crítico de cinema Cid Nader, criador do http://www.cinequanon.art.br/.
O FESTIVAL

O Festival Internacional de Cinema da Fronteira é uma iniciativa cultural que proporciona a democratização do acesso à produção audiovisual, a formação de público e de novas janelas de exibição, incentivando a produção audiovisual na região da Campanha proporcionando o intercâmbio de experiências e ideias, além de discutir meios e estratégias para fomentar a produção e distribuição audiovisual no Rio Grande do Sul desde a cidade de Bagé-RS.

SERVIÇO

O QUE: Abertura das inscrições VI Festival Internacional de Cinema da Fronteira;
QUANDO: Inscrições: 03/09 até 19/10. Evento: 24/11 até 29/11 em Bagé.
ONDE: http://www.festivaldafronteira.com/´

Fonte:  www.ecult.com.br