sábado, 30 de junho de 2012

Espacio de Frontera- Leyendas del Mate

matear, hábito común de la mayoría de los habitantes de un lado y otro de la frontera


El mate es una bebida que por su popularidad y tradición no es necesario explicar . No es necesario explicar  sus caraterísticas ni su figura. Todos lo conocemos, aunque no seamos bebedores de esa infusión. Principalmente, para quienes habitamos las regiones del sur de América del Sur, es decir , Argentina, Paraguay, Sur de Brasil y Uruguay.

La historia del mate , las variadas formas de beberlo, los elementos que lo integran, las variedades de recipientes, de bombillas, de calidad de yerba y etc han configurado que una inacabable lista de investigadores y comentaristas, historiadores le hayan dedicado gran tiempo a su estudio. En consecuencia se observan infinidad de publicaciones con este tema.
El mate, popular y conocida infusión, es bebido a lo largo de la región sur de nuestra América que engloba Argentina, Paraguay, sur de Brasil y Uruguay.

Es muy interesante observar cómo el hábito de tomar mate constituye un hecho de connotaciones sociales y culturales. Este hábito, además de ser una costumbre, configura un espacio ritual compartido, que favorece la comunicación humana en un clima propicio.

En las reducciones guaraníes a través de la orientación de los jesuitas se organizó la plantación y el cultivo de la yerba mate. Anteriormente la yerba mate crecía de manera silvestre y aunque era bebida por los indios no estaba normatizado su cultivo.Fue en el territorio misionero donde se sistematizó y propagó el cultivo y desde ahí se extendió a otras regiones de nuestra América.

Destacados escritores de la región han mencionado al mate en algunos fragmentos de sus obras.Por ejemplo Simoes Lopes Neto en sus “Contos gauchescos e lendas do sul”,Julio Cortazar en "Final de juego” y “Bestiario”, Mario Benedetti en “Primavera con una esquina rota” y Eduardo Galeano en “Días y noches de amor y de guerra”.



Se encuentran muchas y diferentes leyendas sobre el origen del mate. Las variantes responden a las regiones donde se originaron y a algunas versiones que le otorgan su color local. El origen de la yerba mate es atribuido legendariamente a la acción de divinidades, y a hechos sobrenaturales.

Algunas leyendas :
1)
Un poema anónimo atribuye a Santo Tomás esta dádiva entregada a los indios:
“En recuerdo de mi estada
una merced os he de dar
que es la yerba paraguaya
que por mí bendita está.”

2)
Una maravillosa noche , la Luna se paseaba por la selva del alto Paraná, conoció misteriosos  aromas y sabores. Nadó y paseó hasta que en un momento un jaguar intentó morderla en su cuello. Un viejo labrador la  salvó de las garras del jaguar y también cuando tuvo hambre la llevó a su casa y su mujer le ofreció unas tortillas de maíz, que era el único alimento que ellos tenían. A la noche siguiente, desde el cielo, la Luna se asomó a la casa de sus amigos, ubicada en un claro de la selva. La Luna descubrió que en aquella casa no quedaba nada para comer. Para ella habían sido las últimas tortillas de maíz. Entonces iluminó el lugar con su luz y pidió a las nubes que dejaran caer cerca de la casa una llovizna especial. Al amanecer habían brotado unos árboles desconocidos, entre cuyas hojas verdes resaltaban las flores blancas. Era la yerba mate.

3)Otra:
Dios, acompañado por San Juan y San Pedro, salió a recorrer el mundo y llegó, después de largo andar, a Misiones. En una de sus marchas llegaron hasta el rancho de un anciano, padre de una joven tan hermosa como buena. Sin reconocerlos, cumplimentó a los celestiales viajeros lo mejor que pudo y sacrificó para ellos la única gallina que poseía. Para premiar esa acción . Dios después de deliberar con sus santos acompañantes, y visto el cariño que profesaba el anciano a su hija, prometió hacerla inmortal, dándole la virtud de ser recordada con cariño por los hombres de la selva y de la campaña, a los que proporcionaría sano y sabroso regalo. Y así nació la yerba mate, tan difundida  que podemos decir que no hay hogar donde no se la conozca y aprecie.

4)Otra versión de esta leyenda dice que Jací y Araí(la Luna y la Nube) fueron atacadas por un jaguar. Un indio las salvó con un flechazo certero. Entonces en agradecimiento le entregaron la caa(yerba),planta benéfica y protectora.

Aparecen en estas versiones puntos comunes. Seres que necesitan alimento, protección y otros que la dan. Las divinidades, la Luna y la Nube, San Juan y San Pedro, son asistidos por seres humanos, que les brindan alimento y albergue .Y en todas, hay una retribución por la buena acción realizada. Surge el peligro en la forma de un jaguar que es evitado por la rápida acción del indio.

Se observa el agradecimiento como una manifestación de reconocimiento por los favores recibidos.Y la yerba mate es la retribución, el premio por la buena acción.

Esta leyendas son versiones diferentes de un caso de hospitalidad y amistad. La buena voluntad de dar. Dar sin esperar nada a cambio. Dar a quien lo necesite. Ese dar tiene como consecuencia un regalo final: el tesoro que le dejan en recompensa. Y ese tesoro es el mate .

Así se origina esta planta que es , tesoro de los guaraníes y signo indiscutible de la hospitalidad.

Elizabeth Mullins

Bibliografía:
El mate , su historia y su cultura. M.Barreto.Ed. del Sol
Leyendas de América. L.Giudice
Leyendas americanas.L.Possamay
Leyendas indígenas. L Parodi.Ed Andrómeda

Colaboração de Elizabeth Mullins para o Blog da Confra. Elizabeth morou alguns anos na cidade de Rio Branco na década de 60 e era nossa vizinha., filha do saudoso Capitán Mullins, da Marinha uruguaia.  



sexta-feira, 29 de junho de 2012

Crônica do Menalton: Informação e encantamento


Nunca entendi a razão por que se juntam pessoas de grupos os mais heterogêneos para ouvir falar de assuntos com alguma especificidade, ou seja, de conhecimento não corriqueiro. Naquela noite fui incumbido de discorrer sobre linguagem literária, assunto que se leva alguns anos estudando para se ter pálida ideia, mas que muitos promotores de eventos culturais supõem passível de ser destrinchado em uma hora, uma hora e meia. E pra qualquer plateia.

Isso tem ocorrido na minha vida e com bastante frequência. Como o público sai depois de uma palestra dessas eu não sei, quanto a mim, saio suando, com vontade de morrer, mas sem coragem para o ato final.

Uma dessas ocasiões me deixou marcado. Bastante gente na plateia, para glória e honra dos promotores e angústia do palestrante, que, com cara de pateta, olhava de um lado para o outro tentando descobrir qual o padrão de linguagem a ser empregado. Apresentações e agradecimentos, lá estava eu de microfone na mão ainda enrolando com alguma graça para conquistar o público, até que não deu mais para segurar e o assunto foi enfrentado.

A certa altura, ocorreu a lembrança de que alguns exemplos sempre ajudam, pois dão concretude a conceitos por vezes não familiares. Por isso, chamei a atenção da plateia para o que faria: dois enunciados diferentes. Então parodiei um poema:

Uma mulher declara que nem se deu conta da passagem do tempo, e está perplexa por não se reconhecer por causa das mudanças.

Em seguida li, da Cecília Meireles, Retrato, que muitas vezes carrego comigo:

Eu não tinha este rosto de hoje, / assim calmo, assim triste, assim magro, / nem estes olhos tão vazios, / nem o lábio amargo.
Eu não tinha estas mãos sem força, / tão paradas e frias e mortas; / eu não tinha este coração / que nem se mostra.
Eu não dei por esta mudança,/ tão simples, tão certa, tão fácil: /– Em que espelho ficou perdida / a minha face?

Em seguida, a pergunta que me pareceu óbvia:
- Qual dos dois textos vocês preferem?
Houve um movimento de pessoas se remexendo nas cadeiras, alguns cochichos e nada mais. A plateia parecia me ignorar, um pouco incomodada com o assunto.
Mas eis que se levanta uma mulher, ergue o braço e me pergunta se pode responder com toda sinceridade. Respondi que não era outra coisa o que eu queria, já contando com o sucesso da minha tática. Tive a impressão de que todo o público olhou para ela numa muda solidariedade.

- Pois eu, ela disse, prefiro o primeiro, porque do segundo não entendi coisa nenhuma. O primeiro é mais claro, mais simples, a gente entende.

Bom, nessa noite o acaso me salvou. O que falei sobre o caso já nem me lembro mais, mas parece que fui até o fim. Com os braços e pernas dormentes, sentindo algumas dezenas de graus de febre, dor de estômago e vontade de sair voando, mas devo ter ido até o fim. O acaso que me salvou de pôr um fim a minha vida foi a chegada de um amigo com quem tive de jantar e brindar nosso encontro, e continuar brindando até tarde da noite. Muito tarde.

Hoje, salvo pelo acaso, levo em conta duas considerações: A mulher, do primeiro texto, não existia, era uma invenção minha. Portanto, a informação não informava nada, apesar da simplicidade e da linguagem comum, pragmática, que é esta linguagem que se usa a toda hora para nossa troca de informações com os semelhantes.  Não é isso que se busca na literatura. O primeiro texto está escrito em linguagem social, comum a todos, sem nada de original, sem marca nenhuma de autoria. O segundo texto explora toda a virtualidade das palavras: a sonoridade, as combinações inusitadas, a interação entre elas que as potencializa. O segundo texto, por seus arranjos e combinações, pelo eco, pela delicadeza no modo de falar de sentimentos mais concretos, por tudo isso, é um texto que não serve para informar, mas para encantar. Importa saber se a Cecília Meireles era jovem ou velha quando escreveu o poema? Claro que não. Ela universalizou uma experiência humana que não necessariamente era a sua.

Enterrados em sua circunstância material, nem todos se encantam com a beleza.

Menalton Braff

Theatro Esperança começa a ganhar cara nova



Desde o dia 18 deste mês uma equipe de operários trabalha 
em ritmo acelerado no prédio. Foto Carlos Queiroz
Por: Luciara Schneid
luciara@diariopopular.com.br
  
Em um mês, as obras de recuperação do Theatro Esperança, localizado no centro de Jaguarão, entram na fase de execução da obra propriamente dita. Desde o dia 18 deste mês, equipe da Marsou Engenharia Ltda, formada por dois arquitetos, um engenheiro e mais oito operários, trabalha em ritmo acelerado no prédio, na realização dos serviços iniciais de limpeza, proteção dos pisos, assoalhos e elementos artísticos, essenciais para que o trabalho de restauração possa ser efetivamente iniciado. 

Na quarta-feira (27), as arquitetas do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Ana Beltrame e da Marsou, Simone Delanoy, discutiram a programação visual do tapume, que irá isolar a calçada da frente do teatro, na avenida 27 de Janeiro, durante os 18 meses de execução da obra. A proposta é mostrar imagens e textos que contem a história do teatro à população e aos visitantes. As obras integram a segunda e última etapa de restauro da casa de espetáculos, para que ela possa ser devolvida novamente à população jaguarense, pois está fechada desde 2010. 

A arquiteta da Marsou explica que nesta segunda e última etapa de obras, serão recuperados o palco, camarins, plateia, balcão nobre, escadas, foyer, piso, forro, lustre, urdimento, construção de banheiros, luminotécnica e sonorização. O investimento é de R$ 3.913.753,54, recursos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), do Ministério da Cultura, com contrapartida da prefeitura. Em breve, será feita a troca do assoalho dos camarotes e, na parte de instalação cênica, que fica acima do palco, uma escada de madeira será substituída por estrutura metálica. O teatro também receberá instalações elétrica e sanitária novas, diz. No foyer, atrás  das bilheterias, o espaço será destinado à instalação de duas lojas.

Na primeira fase, concluída em 2010, com investimentos do governo federal, foram recuperados o telhado original e a cobertura do edifício como um todo, a pintura decorativa mural e as galerias, estruturas que estavam em estado avançado de comprometimento. O prédio é tombado pelo Estado desde 1990 e integra o Conjunto Histórico e Paisagístico da cidade, tombado pela União.

História

O Theatro Politheama Esperança foi construído entre os anos de 1887 e 1897, sob o comando português Martinho de Oliveira Braga. O edifício original possuía depósito de carbureto, combustível de iluminação, e uma cocheira, situada junto à frontaria dos fundos do prédio. A casa de espetáculos movimenta a fronteira desde fins do século 19. 


quinta-feira, 28 de junho de 2012

Clube Instrução e Recreio viveu noite de Literatura com o Poeta das Águas Doces

José Alberto de Souza recebeu leitores, amigos e admiradores no aconchegante
espaço do histórico Clube Instrução para o lançamento de seu novo livro

Com Elisangela Barcellos, responsável pela fotografia de Capa da nova obra

Com Prof. Maninho, Maria Fernanda Passos e Alencar Porto, agentes da Cultura
Com a jornalista Fernanda Cassel, do DECOM da Prefeitura Municipal

Com os parceiros Jorge Passos e Martim César 

Com o amigo " Paraguaio", figura eminente em simpatia  

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Gabinete Digital é apresentado em Jaguarão no Estrada para o Futuro


Gabinete Digital do RS: Ferramentas inovadoras de participação direta”, é o título da palestra que apresentará o Gabinete Digital no Estrada para o Futuro, evento que  acontece nos dias 28 e 29 de junho, em Jaguarão, município a 395km da capital. A palestra do Gabinete Digital será realizada às 15h do dia 28 na Unipampa.

O II Estrada para o Futuro – Circuito Zona Sul é realizado pela secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento em parceria com a AZONASUL – Associação dos Municípios da Zona Sul e o Governo do Estado do Rio Grande do Sul. O Gabinete Digital será apresentado pelo seu coordenador executivo, Fabrício Solagna.

O evento tem o objetivo de levar conhecimentos e capacidades em Tecnologia da Informação e Comunicação para o aprimoramento da gestão municipal. São ministradas diversas oficinas, palestras e conferências nos seguintes temas: Agricultura, Funções Administrativas e Gestão de TI; Lei de Acesso a Informação; Inclusão Digital; Cidades Digitais e Banda Larga; Software Público e Software Livre.

Para inscrição, acesse


Clube Instrução e Recreio é palco para lançamento de Livro do Poeta das Águas Doces

Convite à Comunidade


Nesta Quarta, 19 horas, no histórico Clube Instrução e Recreio, acontece o Lançamento da obra "Minha Fachada Predileta", de José Alberto de Souza (Nosso Poeta das águas doces). 

terça-feira, 26 de junho de 2012

Jaguarão: efervescência cultural


Prefeito Cláudio Martins na assinatura do Contrato de Restauração do Teatro Esperança

Um rico laboratório de experiências alquímicas. Palavras emocionadas do “Poeta de los Churros”, Darío Garcia, após participar na última sexta-feira do Poesia no Bar no Clube 24 de Agosto e que reuniu estudantes da Unipampa, professores, poetas, músicos, Vídeoamadores, coral, orquestra, maestros, gente da comunidade, inclusive com o Mestre Vado na tela. O evento fazia parte da Semana do Audiovisual que agitou nossa fronteira Jaguarão- Rio Branco de 12 a 17 de junho. Alquimia, busca da pedra filosofal, transformação de pedras em ouro, metáfora da transformação dos elementos em busca da sabedoria.

Na mesma noite de sexta, um pouco antes, outro ato de significado profundo acontecia no foyer do Teatro Esperança. A assinatura do contrato por parte da prefeitura e do Iphan com a Empresa Marsou Engenharia para a segunda e última etapa de restauro do prédio histórico que abrigou e abrigará variada manifestação cultural. Aos nossos leitores, que não puderam estar presentes, registramos um pouco do que foi dito nos importantes pronunciamentos que se realizaram.


Deputado Henrique Fontana ao lado do Prefeito Cláudio Martins, equipe da Secult e
escritor Eduardo Alvares de Souza do IHGJ
O Deputado Federal Henrique Fontana, que não é desta região, mas com ela está compromissado, haja vista os vários projetos favorecendo nossa cidade em que atuou como articulador em Brasília, disse que devíamos o momento, à força e determinação do povo brasileiro , que vem construindo ao longo de gerações um país rico e pujante e que isto tornou possível a recuperação de um pedaço fundamental da história de Jaguarão. Segundo ele, o Teatro Esperança, será sem dúvida um atrativo para que muitos gaúchos e brasileiros conheçam e se afeiçoem a este chão. Falou ainda sobre a política como exercício da virtude, espaço de dedicação ao bem comum, representação efetiva da vontade popular.


Ao centro, arquiteta Ana Meira, Superintendente do IPHAN com equipe da Secult
A arquiteta Ana Lúcia Meira, superintendente do IPHAN no Rio Grande do Sul, começou seu pronunciamento agradecendo o povo de Jaguarão por preservar esse fabuloso legado, com o esforço que há muitas décadas vem fazendo para manter aqui o maior centro histórico do Sul do Brasil. Testemunhou ainda, depoimentos de várias pessoas que vieram de Brasília, notando como a cidade está bem cuidada, de como os jaguarenses falam com orgulho do patrimônio que aqui tem. Adiantou que o Dnit já finalizou o projeto de restauração da Ponte Mauá, o qual deve ser licitado proximamente. Assinalou também que manteve tratativas com o Setor de Patrimônio do Uruguay na possibilidade de reativar a ferrovia, mesmo que simbolicamente, com uma locomotiva fazendo a ligação entre os dois países num passeio turístico. Sobre o Teatro Esperança, disse que não se confunda reforma com restauração. Esta é mais séria, exige maior cuidado, mais mão de obra especializada. Exige a recomposição, onde possível, tal qual o original. Os recursos investidos na obra se justificam pelo valor incalculável do teatro.


Foyer do teatro Esperança ficou lotado para presenciar o Ato
Dificilmente se encontrará em um município pequeno, de 28 mil habitantes, em proporção a seu orçamento, tantos recursos de investimento por parte do Iphan. Assim iniciou sua fala o Prefeito Cláudio Martins, agradecendo a arquiteta Ana Meira e sua equipe, que tanto tem feito pela história de Jaguarão. Ressaltou a alegria em ver presente ao ato, absoluta pluralidade partidária, pessoas que compreenderam o momento histórico e a contribuição, que tantos deram antes, para que o objetivo fosse atingido. Citou o ex Prefeito Henrique Knorr e sua secretária de Cultura Carmem Lúcia Passos que coordenaram o processo de municipalização do Teatro, a presidente do CDL, Maria Emma Lipollis pela parceria na discussão do patrimônio cultural como vetor de desenvolvimento na região, pioneirismo quase quixotesco do Valdo Nunes com o Projeto Jaguar, equipe de governo pela elaboração e acompanhamento de projetos, a sociedade em sua pluralidade, que vem acreditando e pavimentando a construção deste sonho, gestando um futuro seguro para a cidade de Jaguarão. 

Informou ainda, que nos próximos dias o Correio lançará uma série de selos comemorativos aos 200 anos da cidade, com estampas dos prédios tombados, divulgando nosso patrimônio por todo o Brasil. Expressou a importância de valorizar o patrimônio da Comunidade quilombola, do braço negro e escravo que ajudou a construir e a manter a riqueza, das obras de infraestrutura que contemplem os mais necessitados. Finalizou dizendo que, mais que um contrato a assinar, aquele era um ato de compartilhamento com toda a sociedade de um compromisso selado pela valorização do patrimônio cultural na história de Jaguarão e região.


Don Quijote de La Mancha, Peça encenada em 2001 e 2002 no Esperança

A restauração do Teatro Esperança nos colocará um desafio. Encher aquele corpo renovado de alma, de fazer teatro, de incentivar a formação de grupos amadores. A Unipampa, seus alunos, o Curso de Produção Cultural, os agentes culturais, terão parte importante nisso. Volto ao poeta para encerrar com suas palavras: interessantíssimo amalgama cultural está a gestar-se nesta cidade!

Jorge Passos

Texto publicado na coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional do dia 20/06/2012

segunda-feira, 25 de junho de 2012

ALÉM DOS SHOPPINGS-CENTERS

Marcuse, um dos Teóricos de Frankfurt 


E então? Vencemos o crime?
Já ninguém mais nos oprime
Pastores, pais, lei e algoz?
Que bom voltar pra família!
Viver a vidinha à pilha!
Yuppies sabor baunilha
Era uma vez todos nós!
(Belchior – Os Profissionais)


A canção de Belchior, acima, lança um desafio àqueles que, uma vez idealistas contra as vicissitudes do capitalismo se deixam dominar pelo charme da vida na sociedade industrial. Ceder ao mencionado fascínio, seria, imaginemos, por exemplo, cuidar que os shoppings centers definem um padrão de vida ideal, como que pairando acima da espessura do restante do cotidiano, e sempre de um gosto muito apurado. Onde a música ambiental seleta esteja sempre presente. Por certo, estarão ali, chanceladas, as luminosidades languescentes das joalherias, que com seus reflexos evocam tesouros misteriosos; um arranjo floral em corbelha de vime insinua o trabalho humano decorativo, e lá estarão os dorsos delicados das manequins, cobertos com o requinte do tecido que parece mais acariciar do que vestir.

Pessoas, de impoluta determinação, os freqüentadores assíduos das galerias, não deixam, entretanto, de perceber, com um pequeno desgosto, certas contrariedades que de vez em quando podem ocorrer. Será aquele inoportuno gerente que, alheio à isenção que o ambiente reclama, debruça-se no balcão e de cenho franzido examina documentos contábeis. Ou ainda o sindicalista desairoso que adentra um por um dos estabelecimentos para distribuir com espalhafato alguma convocação.

Estes shoppings centers são o cartão de visitas da pretendida administração total, onde o funcional e o artístico se fundiriam. Herbert Marcuse, em A ideologia da sociedade industrial, aponta que, até mesmo, um maior grau de liberdade sexual está inserido na maneira de operar da civilização industrial, diz: Esta é uma das realizações originais da sociedade industrial - tornada possível pela redução da sujeira e do trabalho físico pesado; pela disponibilidade de roupas baratas e atraentes, cultivo da beleza e higiene física; pelas exigências da indústria de propaganda etc. As escriturárias e balconistas sensuais, o chefe de seção e o superintendente atraentes e viris são mercadorias altamente comercializáveis ...

As necessidades humanas que estão além da esfera biológica são precedidas por um estilo de vida, por uma orientação do desejo, por uma seleção do que deve ser adquirido, possuído, alcançado. Com isso instaura-se um campo de disputa, no qual as diferentes propostas versam sobre uma poética do ser neste espaço onde se vendem e se compram mercadorias. Eis a multiplicidade de uma disputa que vai do shopping center ao camelódromo. Por isto os free-shops estão em constante mutação.


Sérgio Batista Christino

Texto publicado na Coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional em 06/06/2012




domingo, 24 de junho de 2012

Martim César - Paisagem, por Paulo José Miranda



Poeta e escritor português Paulo José Miranda declama poema de Martim César Gonçalves, Paisagem, do Livro Dez Sonetos Delirantes (e um Quixote sem Cavalo) durante os Colóquios da III Feira Binacional do Livro em Jaguarão-RS, dezembro de 2011.


sábado, 23 de junho de 2012

Revista SEJA - Espaço para a Poesia ou Poesia no Espaço



A Revista Seja foi lançada no dia 06 de Abril de 2010 com o objetivo de divulgar e promover a arte e a cultura através da participação de colaboradores na sua construção. Utilizando a plataforma Blogspot, a Revista Seja desde o seu início contou com entrevistas, crônicas, opiniões, vídeos e muita poesia. A última postagem da primeira fase da Revista Seja foi no dia 30 de Outubro de 2011.

Depois de sete meses na geladeira virtual a Revista Seja volta com outra cara, agora o foco fica totalmente voltado para a poesia. Outra mudança que será notada pelos leitores é que nesse novo formato a Revista Seja passará a ser editada e construída por cinco poetas/editores e não só por um poeta/editor como antes.

O novo time da Revista Seja:


Cada poeta/editor ficará responsável por um dia da semana. Uma semana por mês as publicações serão de poemas próprios dos autores e nas três semanas seguintes, os poetas irão publicar poemas de outros autores do Brasil e do mundo.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

XXII SARAU BPP 26 de junho lembra Obra de Bernardo Taveiro Jr



Nascido em Rio Grande ( 1836) e com a maior parte de sua vida e atividade vinculadas a Pelotas , o poeta-jornalista-professor-teatrólogo e tradutor Bernardo Taveira Junior é o autor em destaque na XXII edição do Sarau Poético-Musical da Bibliotheca Pública Pelotense (BPP) , no próximo dia 26. Republicano e abolicionista, teve expressiva participação na imprensa de Pelotas e região, como cronista e autor de folhetins e poemas. Sua obra está reunida em sete titulos, com destaque para Provincianas, editada em 1886 - seis anos antes de sua morte. A exposição sobre a obra e vida de Taveira Junior abre a XXII edição do Sarau que, na sequência, oferece blocos alternados de música e poesia recitada.
 
CONFIRA PROGRAMAÇÃO E CONVIDADOS
 
O QUE - XXII edição  do Projeto  Sarau Poético-Musical BPP.
QUANDO E ONDE: 26 de Junho  de 2012, no salão térreo da BPP. Entrada franca. Inicio às 19:30 horas.
 
AUTORES-POETAS CONVIDADOS
Antonio Carlos R. Marques
Carlos Marques
Márcio Ezequiel
Sônia Cardozo
 
POETA EM DESTAQUE
Bernardo Taveira Junior (1836 -1892)
 
CONVERSA SOBRE O AUTOR DESTACADO
Mariana Couto Gonçalves
 
MÚSICA
Grupo Som de Fato
 
Parceiros Institucionais
Confraria dos Poetas de Jaguarão
Curso de Relações Internacionais / UFPel
Faculdade de Educação / UFPel
Faculdade de Letras / UFPel
Instituto Estadual de Educação Assis Brasil
RádioCOM.104.5FM
 
Realização
Bibliotheca Pública Pelotense



Publicadas na segunda metade do século XIX , obras de Taveira Jr integram acerco da BPP  

Nesta sexta, Don Quijote no Sarau Poético Musical em Pelotas

Fotografia e arte: J. Passos

Sarau Poético Musical 

Don Quijote vuelve a sus andanzas 

Com Leonardo Oxley - Paulo Timm - Gil Soares - Fernando Petry - Martim César
Participação especial:  Aluíso Rockembach

Dia 22 - Sexta-Feira - Pelotas- 22 horas
Local: salão de festas - Andrade Neves 4000. Ed. Acapulco.



quinta-feira, 21 de junho de 2012

Domingo, 24, Cineclube especial no Circulo Operário: "Tropa de Elite 2: O Inimigo agora é outro"



Neste domingo (24) o Cineclube Jaguarão, ocupa o teatro do Circulo Operário para exibir o filme Tropa de Elite 2: O Inimigo agora é outro. A promoção é do Cineclube Jaguarão em Parceria com Círculo Operário e Programa Variedades do Ruba. A sessão inicia às 19h e tem entrada gratuita.


Sinopse - Nascimento (Wagner Moura), agora coronel, foi afastado do BOPE por conta de uma mal sucedida operação. Desta forma, ele vai parar na inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Estado. Contudo, ele descobre que o sistema que tanto combate é mais podre do que imagina e que o buraco é bem mais embaixo. Seus problemas só aumentam, porque o filho Rafael (Pedro Van Held) tornou-se adolescente, Rosane (Maria Ribeiro) não é mais sua esposa e seu arqui inimigo Fraga (Irandhir Santos) ocupa posição de destaque no seio de sua família.

Direção José Padilha.
Classificação etária:16 anos.

Fonte: http://secultjaguarao.blogspot.com.br

Comitê de Fronteira Jaguarão- Rio Branco fez Reunião Anual na Unipampa


No dia 14 de junho foi realizado na Universidade Federal do Pampa, a reunião anual do Comitê de Fronteira Jaguarão- Rio Branco.Trabalhou-se em oficinas de saúde, segurança, educação, assuntos financeiros, entre outros,  com a finalidade de apresentar as inquietações da fronteira na VIII Reunião de Alto Nível que terá lugar no mês de setembro na cidade de Porto Alegre.




Lista de autoridades presentes:

RIO BRANCO

Alcalde del Municipio de Rio Branco, ROBERT PEREIRA
Sres. Consejales del Municipio de Rio Branco
Director Departamental de Salud de Cerro Largo, HECTOR .YON
Segundo Comandante del Regimiento de Caballeria N° 7, Capitán José Fonseca
SubComisario de Seccional 3° Rio Branco, GERARDO OLIVERA.
Prefecto de Puerto de Rio Branco, JORGE BERTRAND.
Administrador de Aduanas de Rio Branco, Sr. DICK W. FREIRE.
Migración Río Branco, Juan Guerrero
Directora de la Casa de la Cultura de Rio Branco, Sra. MIREYA BROCHADO.
Directora de U.T.U Rio Branco, Profa. SANDRA GARATE.
Presidente de los Free Shop, Sr. MARIO VIDALES
Gerente Banco de la Republica Orientel del Uruguay, Sr. CARLOS MIGUES.
Representante CODICEN, Sra. Beatriz Fortunato

JAGUARÃO

Prefeito de JAGUARÃO – RS, Representante: Rodrigo Nunes
Presidente da Câmara de Vereadores, Vereador ENIO RIGATTI
Delegado da Polícia Federal, Representante: Cleber Ribeiro.
Regimento de Cavalaria 12°, Tte. - cel. ROGÉRIO MARQUES NUNES.
Comandante da Brigada Militar, Representante: Capitan Diogo Botelho.
Diretor Campus de Jaguarão da UNIPAMPA, Prof. Dr. MAURICIO AIRES VIEIRA.
Instituto Federal Sulriograndense, Ricardo P. Costa
Diretor da Santa Casa de Caridade, Representante: Milton Ferman
Secretaria da Saúde, Sec. ELAINE NUNES GOULARTE
Secretaria da Educação, Representante: Mariângela Faria
Presidente da Liga Comercial de Jaguarão, Representante: José Domingos.
Gerente Banco do Brasil, Sr. MAURICIO BARCELOS.
Sindicato de Pescadores de Yaguarón

Fonte: Consulado Uruguaio em Jaguarão




quarta-feira, 20 de junho de 2012

Exposição Aloumiño, de Bruno Schuch, na Casa de Cultura de Jaguarão


Os cavalos sempre fizeram parte da vida do acadêmico de Jornalismo da Universidade Católica de Pelotas (UCPel), Bruno Schuch. Filho de pecuarista, criado em Jaguarão, costumava conviver intensamente com os animais. Essa importante relação ficou marcada, não só em sua história, mas também em  tatuagem de um cavalo no pulso esquerdo. Desde março do ano passado as memórias de uma infância campestre vêm ganhando vida através de pinturas em acrílico - arte que o autor compartilha em exposição denominada Aloumiño, na Casa de Cultura de Jaguarão, a partir desta segunda- feira, dia 25.

Os dez quadros em exposição são suas primeiras aventuras na técnica em acrílico, mas desde a pré-escola Bruno brinca de fazer arte. Também já experimentou aquarela e outras técnicas, sempre como hobby. Essa mostra representa sua iniciação no mundo das galerias de arte. Todas as telas, no entanto, são de acervo e não estão à venda. “Nunca vendi um quadro. Até então, sempre pintei pra mim”, disse. Mas o artista se dispõe a trabalhar sob encomenda pelo e-mail brunoschuch@gmail.com. 


Fonte: Texto (adaptado) : http://www.diariopopular.com.br 



Bruno Schuch expõe na Casa de Cultura -Foto: divulgação - DP

Uruguay: Estado venderá maconha a usuários que se registrem

Publicamos noticia do Diário El Pais - UY

José Mujica por Arotxa

El Estado venderá marihuana a consumidores que se registren

Marihuana libre. Anuncian 16 medidas para combatir la ola de inseguridad. Internación compulsiva de adictos a pasta base y prohibirán o limitarán transmisión de videos de delitos

El Poder Ejecutivo legalizará la venta de marihuana y generará redes de distribución estatales. Habrá registros de consumidores y el precio de los cigarrillos incluirá impuestos.

El gobierno anunciará hoy un paquete con 16 medidas tendientes a combatir la inseguridad pública bajo la premisa "guerra a la pasta base", a la que culpa de buena parte de los delitos que se cometen, fundamentalmente a nivel de menores. En ese sentido, el presidente José Mujica trabajó en un proyecto de ley que dejará en manos del Estado la venta de marihuana como forma de "blanquear" el mercado de estupefacientes, quitándole un importante margen de ganancia a los narcotraficantes y "correr" hacia una droga más blanda a los adictos a la pasta base.

El consumo y la tenencia para uso personal de marihuana no están penalizados en Uruguay. Fuentes parlamentarias dijeron a El País que el proyecto del Poder Ejecutivo prevé que el consumo y la tenencia sean regulados por el Estado.

A tales efectos será el Estado el encargado de vender marihuana en locales habilitados, en los que se llevará un registro de consumidores para impedir conductas adictivas. "Esto no es como el cigarrillo. La venta no será libre, estará regulada por el Estado y será prohibida a menores de 18 años", señaló la fuente. La calidad de la droga será certificada por el Estado y se establecerá un máximo de cigarrillos por consumidor; aquellos que se excedan deberán someterse a tratamientos de rehabilitación.

CLIQUE AQUI  para ler mais

terça-feira, 19 de junho de 2012

Restauração do Teatro Esperança - Ana Meira - IPHAN.wmv




Pronunciamento da Superintendente do IPHAN , Ana Lúcia Meira, durante o Ato de Inicio da Segunda Etapa de Restauração do Teatro Esperança em Jaguarão, dia 15 de junho de 2012.

Foram abordados importantes assuntos referentes ao Patrimônio Histórico e Cultural em Jaguarão; restauração da Ponte Mauá, reativação da ferrovia ligando os dois países num passeio turístico, atuação emergencial no socorro ao Clube Jaguarense preservando um ponto vital do Conjunto do Centro Histórico, Centro de Interpretação do Pampa, legado patrimonial que os jaguarenses com todo o esforço mantiveram conservado por tantas décadas, entre outros.   


Fronteira: cinema com novo sabor


Prédio do Cine Regente. Pérola do modernismo em Jaguarão que é preciso conservar
Foto: Jorge L. Stocker Jr

Cinema em Jaguarão era sinônimo de saudades. De um tempo que tinha ficado lá atrás, arquivado na memória de domingos em que as famílias iam assistir grandes clássicos ou pequenas histórias de amor, rir, chorar. As vizinhas se encontravam e os casais aproveitavam para namorar no Cine Regente.

Com esse sabor nostálgico é que o cinema retornou à Jaguarão. Não, é claro, no seu antigo espaço, que possui cerca de mil lugares, e que atualmente (por conta da televisão, dvd e tantos outros motivos da vida moderna) perdeu público, perdeu gente.

O cinema em Jaguarão retorna com a proposta de democratizar o acesso a milhares de filmes que são produzidos mundo afora. Um espaço democrático que respeita e escuta a voz do público. O cinema nasce como Cineclube. E com ele, renascem todas as coisas pelas quais suspirávamos, quase poéticas na sua simplicidade profunda: os encontros, conversas, viver histórias, conhecer lugares e culturas diferentes.

Em quase três anos de vida, o cineclube tem levado cinema a milhares de pessoas. Bairros, escolas, associações, famílias, crianças e jovens. Também conectou Jaguarão com o Brasil por meio do Conselho Nacional de Cineclubes, e com o Uruguai, através da Red de Circulación de Contenidos Audiovisuales. E por falar em Uruguai, o Cineclube também foi o espaço gestor da Semana do Audiovisual, que estará acontecendo do dia 12 à 17 de junho dos dois lados da fronteira.

Será uma intensa semana onde assistiremos filmes, realizaremos oficinas de produção de vídeos, bate papos, noite da poesia no bar, ocupação de espaços públicos como escolas, Liceo, pista de skate, Corredor das Tropas, Clube 24 de Agosto, APAE, CAPS Sitio Renascer e tantos outros.

Hoje, cinema para nós jaguarenses, vai sendo temperado com outro sabor: de novidade, múltiplas possibilidades, com um pequeno toque de nostalgia, em preto e branco, como um filme antigo.

O Cineclube funciona todas às quintas-feiras, às 20h na Casa de Cultura e tem entrada gratuita.



Maria Fernanda Passos
Jornalista, Secretária adjunta da Sec. de Cultura e Turismo de Jaguarão

Texto publicado na coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional no dia 13/06/2012