domingo, 22 de setembro de 2013

Sol de Inverno

Para amenizar um pouco o rigor do mês de agosto que castiga os viventes destas paragens, aproveitei uns dias de férias e passei uma semana em Brasília visitando familiares. O clima nesta época no Planalto Central, apesar da seca e calor constante , é agradável. O Parque da Ermida no Lago Paranoá é um dos meus pontos preferidos quando ando por lá. Um matezito na beira d'agua e um mergulho nas águas claras do lago é um programa de luxo e que custa muito pouco. Além do mais, há todo um simbolismo presente nesta verdadeira obra do engenho humano e brasileiro que é o artificial Paranoá. Sente-se a força da imaginação criadora do Presidente Juscelino que contra todos os prognósticos, conseguiu construir este lago que é essencial para a vida da cidade. Ao lado da Granja do Torto, residencia de campo da presidência da república, também há um passeio que vale a pena. O Parque Nacional de Brasília, verdadeiro santuário de preservação do Cerrado onde é possível caminhar por trilhas no meio da mata povoada com a fauna característica que são os macacos, o prego, o mico, o leão dourado, além de pássaros de várias especies. Uma piscina de água corrente mineral, similar à de Herval, porém muito maior, é outra atração do Parque.

(Da esq p dir) - Garcia, Maestro Cuello, Guzmán e Passos
Porém o mês de agosto não ia passar impune. Ainda em Brasília, recebi um telefonema que me entristeceu muito. A noticia do falecimento do grande amigo e parceiro de Xadrez, Gilberto Cuello, na cidade de Rio Branco. O ¨Maestro Cuello¨ como carinhosamente o chamávamos, nascido em Melo e radicado em Rio Branco há muitos anos, participou ativamente da Equipe de Xadrez da Associação Cruzeiro Jaguarense em sua fase áurea, quando conquistamos o Estadual por Equipes do Interior e o Absoluto lá pelo final dos anos 80. Em sua companhia não havia lugar para a tristeza e sempre tinha uma historia engraçada para animar os companheiros. Era muito culto, em todas as áreas. Recordo que foi dirigente de futebol em Cerro Largo e um dos seus orgulhos era saber a escalação das seleções do Uruguay e Brasil na final de 1950. O Maestro tinha 64 anos e sua morte causou grande surpresa aos amigos e familiares. Uma grande perda para o Xadrez jaguarense e fronteiriço.  
Mas, apesar de tudo, há boas novas. Esta edição do Meridional traz entrevista com o Vice Prefeito Lisandro Lenz que apresenta franca recuperação do grave acidente que sofreu e em breve estará de volta a Jaguarão. Tem impressionado os médicos que o tratam, sua capacidade de enfrentar com otimismo e espírito forte as várias cirurgias a que foi submetido e a isto se deve sua acelerada melhora. Como todos sabem, o acidente que envolveu o Lisandro ocorreu em viagem de trabalho, representando a Prefeitura, para tratar de assuntos relacionados ao Meio ambiente em Porto Alegre. É de se pensar, tendo em vista a necessidade frequente de deslocamentos, tanto do Prefeito como de outros representantes do poder público, a melhoria dos carros da frota da Prefeitura tendo em vista a segurança nas viagens. Afinal, são pessoas que constantemente estão na estrada trabalhando pela cidade e por nós.


Para finalizar, um registro sobre o Rio Jaguarão que volta e meia mostra-nos toda sua exuberância. A ultima crescente braba tinha sido em 2005. Novamente, a cidade vizinha de Rio Branco foi a mais atingida. As águas tomaram conta das ruas em torno dos freeshops. Lamenta-se que a correnteza mostre o lixo e a sujeira que as pessoas jogam às margens do rio e em zonas alagáveis. Ainda temos muito a caminhar em relação ao cuidado com a natureza. Apesar dos prejuízos, ainda creio que somos abençoados por morarmos nesta região banhada por rios e lagoas, um verdadeiro mar doce. Mil vezes águas abundantes à seca exterminadora.

O rio foi pra rua e invadiu a cidade de Rio Branco

Jorge Passos

Publicado na Coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional em 18/09/2013



 
Postar um comentário