terça-feira, 4 de junho de 2013

Festival Canguçu da Canção Popular

 Marco Gottinari, Pedro Munhoz, Paulo Timm , Martim César
Daniel Zanotelli têm a missão de decidir quem serão
os vencedores do festival
As inscrições para o XVII Festival Canguçu da Canção Popular – Fecanpop – encerram no dia 6 de junho. Até lá, músicos de Canguçu e região podem enviar suas composições para o evento que acontecerá nos dias 3 e 4 de agosto.
A projeção dos organizadores é de que o Fecanpop será um dos maiores já realizados desde a retomada do festival, em 2007.

A perspectiva otimista se baseia no aumento da premiação, na qualidade dos shows e na capacidade da comissão julgadora, formada por nomes conhecidos do cenário artístico nacional.

É o caso do poeta Martim César, natural de Jaguarão e duas vezes vencedor do concurso nacional de poesia Rua dos Cataventos. Martim lançará durante o Fecanpop seu sexto livro: Sobre amores e outras utopias.

Além do poeta jaguarense, Daniel zanotelli, Marco Gottinari, Paulo Timm e Pedro Munhoz terão a responsabilidade de definir as músicas vencedoras.

Conheça o perfil e a tragetória artística dos cinco jurados do Fecanpop:

Daniel Avila Zanotelli
Nasceu em Pelotas, em 1973. Começou seus estudos de música aos 12 anos com a professora Amélia Cruz, com quem teve lições de solfejo, percepção e teoria musical, além da prática do saxofone. Aos 15 anos ingressou no Conservatório para aperfeiçoar seus conhecimentos de solfejo, percepção e teoria. Em 1993 ingressou no curso de bacharelado em flauta transversal, na UFPel. Nessa época, começou a participar de Festivais de Música no RS. Também participou do festival de inverno de Ouro Preto (MG) promovido pela UFMG. Gravou com grandes nomes da música do RS. Idealizou, com Eduardo Varela, o Clube de Jazz de Pelotas e, depois, o Festival de Jazz de Pelotas. Atualmente, além de participar de festivais de música, vem gravando diversos discos pelo Ponto de Cultura Outro Sul.

Marco Gottinari 
Pequeno agricultor, compositor e canta-autor da cidade de Pelotas. Em 2007 lançou o cd “Interior” – lançando em paralelo o projeto “Mata Viva”, que consiste no plantio de dez mudas de árvores nativas na região, começando pelo Arroio Pelotas, onde reside, para cada cópia vendida. Em maio de 2012 lançou "Tudo uma canção". No ano de 2013, Marco Gottinari conquista o Primeiro lugar no XVI Fecampop com a composição “Carrossel”.     Em Abril de 2013, o cd “Tudo Uma Canção” é indicado ao 24º Premio da Musica Brasileira, promovido pelo Ministério da Cultura, onde disputam nomes consagrados, como Roberto Carlos e Seu Jorge.

Martim Cesar 
Natural de Jaguarão,é integrante do grupo poético-musical Caminhos de Si. Vencedor por duas vezes do prêmio Rua dos Cata-ventos; Vencedor de diversos festivais no RS, além de festivais nacionais como o Pampa e Cerrado (Brasília-DF) e o Festival Nacional da Reforma Agrária. É coautor da peça “O engenhoso fidalgo Don Quixote de la Mancha (adaptação da obra de Miguel de Cervantes)”. Foi Indicado ao Prêmio Açorianos 2010 como melhor letrista do RS. Autor de 5 livros de poesia e contos. Coautor dos trabalhos discográficos Caminhos de Si; Maria Conceição canta Martim César e Paulo Timm; Canções de a(r)mar e desa(r)mar; Da mesma raiz (indicado ao açorianos do ano de 2010), Já se vieram, Memorial de Campo, e dos que estão em fase de lançamento: Cartas de Marear e Paisagem Interior.

Paulo Timm
Músico, compositor e produtor musical. Natural de Jaguarão. Faz parte do movimento musical do RS desde 1995 quando participou da 2ª Edição do CIRIO (Pelotas). Recebeu o prêmio máximo da 3ª edição do CIRIO com a composição “Chacarera Libertária” e o prêmio de melhor melodia na 4ª Edição do Minuano da Canção Nativa de Santa Maria com a composição “La lluvia no viene sola”. Com relação ao registro fonográfico de suas composições edita em 2004 o CD Caminhos de Si. Em 2005 lança Maria Conceição canta Martim César e Paulo Timm, trabalho que registra sua trajetória como compositor de música latino–americana. Em 2009 lança Da Mesma Raiz, recebendo indicação ao Prêmio Açorianos de Música. Seu mais recente trabalho: o CD ‘Singular’ em parceria com Maurício Raupp Martins e Gilberto Isquierdo.

Pedro Munhoz
Considera-se um caminhante em permanente missão musical. Nos anos 80 iniciou suas andanças. Nos últimos dez anos foram 15 países visitados. A militância política se confunde com a sua arte. Engajado, leva o seu canto aos estudantes, movimentos sociais, sindicatos e acampamentos Sem-Terra. No Uruguai, em 2012, foi agraciado com o titulo de Embaixador Cultural da cidade de La Paz. Tem 5 discos gravados e duas coletâneas. Em 2013, o reconhecimento se dá através do grupo Teatro Mágico que havia gravado uma de suas composições, Canção da Terra. A música está na trilha da novela Flor do Caribe, que vai ao ar diariamente às 18h. Munhoz assinou com a Globo o primeiro contrato de Mídia Livre. Isto significa que sua música pode ser baixado gratuitamente na Internet, o que antes era impossível.


Matéria escrita por  Alan Redu e Dionizio Gonçalves 

Fonte: http://www.ecult.com.br       
prosagalponeira.blogspot.com.br
Postar um comentário