quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Xarope Infalível


Estava eu a pesquisar nos arquivos da Biblioteca Nacional algo sobre os acontecimentos de 27 de janeiro de 1865 em jornais da época quando me deparei com uma joia no Jornal A Constituição no mesmo ano de 1865 . O anúncio do famoso Xarope Vegetal de Penedo, de cura infalível para as moléstias do peito. O Dr João Augusto Penedo apresenta os títulos de professor de Chymica e Pharmacia pela Faculdade de Montevideo e aprovado pela imperial academia do Rio de Janeiro e cavaleiro da imperial ordem da Rosa. Alerta o doutor Penedo que cada vidro do xarope é acompanhado de um folheto assinado pelo punho do autor, e bem assim na advertência que se acha em uma das faces do vidro se encontra a sua rubrica; além disso cada caixa de 12 vidros conterá um atestado por ele assinado, selado e reconhecido por tabelião. Os vidros que não forem acompanhados destes requisitos são falsos.

Esclarece o João Penedo, que estando uma pessoa de sua família muito enferma de afecção pulmonar e tendo já, perdidas as esperanças, seguiu conselho de um amigo que lhe indicou algumas plantas utilizadas pelos jesuítas que fariam bem aos pulmões. Delas fez um xarope que teve um resultado assombroso. “ Basta dizer-lhes que a doente, que fora reputada perdida e no período mais longo da enfermidade, meses depois se achava nutrida, com boa cor e robusta, deduzindo desta cura que o medicamento tinha feito cicatrizar os tubérculos que já dilaceravam os pulmões”. Resolveu então o Sr Penedo comercializar o produto.

E onde entra Jaguarão nesta história? Ora, no reclame, Penedo publica depoimentos de médicos e de várias pessoas que utilizaram com exito seu Xarope e aqui reproduzo o atestado de dois jaguarenses.

Atesto que padecendo minha mulher de uma afecção pulmonar bastante antiga acompanhada de impertinente tosse e dor no peito, sem que se colhesse resultado algum dos mais judiciosos medicamentos a que foi submetida, me deliberei aplicar-lhe o medicamento que se denomina XAROPE VEGETAL DE PENEDO, com o qual obteve uma cura radical, visto que tendo decorrido bastante tempo desde que isso sucedeu, jamais lhe repetiu tal incomodo: o que atesto é verdade – cidade de Jaguarão , 20 de julho de 1860 – Querubim Furtado

Agora quem depõe sobre as maravilhas da infusão é Manoel Furtado Pacheco, em Jaguarão, na data de 01 de agosto de 1960: atesto que minha mulher foi atacada de uma perigosa enfermidade do peito acompanhada de insuportável tosse: e conquanto sua idade poucas esperanças desse, por ser uma senhora de 78 anos, tive contudo o prazer de a ver completamente restabelecida com o uso do Xarope vegetal de Penedo. Todo referido é verdade, por isso de bom grado passo o presente.

Jornal ligado ao Partido Conservador apoiando a autoridade do Imperador Pedro II, A Constituição foi fundado num momento de prosperidade e efervescência política e intelectual em Fortaleza, decorrente, sobretudo, da riqueza gerada pela alta das exportações nacionais de algodão, o mais importante produto da economia do Ceará.

Sobre os acontecimentos das guerrilhas entre blancos e colorados que deram origem à escaramuça dos blancos em Jaguarão há interessantes aportes em A Constituição. De toda forma, vê-se que região estava muito conturbada e a Guerra do Paraguai viria logo a seguir como consequência dos conflitos no Rio da Prata.

Jorge Passos

Publicado na Coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional em 21/01/2014




Postar um comentário