quarta-feira, 3 de abril de 2013

Morias Engomion (Μωρίας Εγκώμιον)


Stultitiae Laus 


Nem eu sei quem sou, se houver na face da terra alguém capaz de dizer, o faça com coragem e sem medo do que possam pensar. Só peço não te omitas! Pois o silêncio, muitas vezes, é sustento e outras se torna queda. E se for pra cair que seja de tanto dar risada! E assim como a LOUCURA desafia a todos os que, assombrados pela sua nudez, ficam perplexos com a felicidade dos outros que se despem das vaidades em busca da Felicidade. Assim sou eu hoje, aquilo que aos olhos burgueses é sem valor, em minha vida é estrela e farol de meu viver. O amargo sabor das dificuldades que tempera com força as vitorias. E não se esqueçam que a felicidade não é um elefante branco caindo do céu, são as pequenas coisas que, na maioria das vezes, está ao nosso lado .

Este coração já foi pedra, hoje é carne. Já não habita mais meu peito! Está no espaço? Está no cyber espaço? Não... está nas tuas mãos.  O coração que leva o coração! O coração que leva o coração! O coração que leva o coração! O coração que leva o coração! O coração que leva o coração! O coração que leva o coração!O coração que leva o coração! O coração que leva o coração!


Jorge Araújo Azambuja
(9 de janeiro de 2010, pós 02:30 )

Postar um comentário