quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Um Sobrado e sua gente


Preciso esclarecer que, órfão de pai e mãe, José Dalberto e Maria Francisca, fui criado como filho pelos meus tios Cantalício e Florisbela, que me acolheram em sua residência em Jaguarão.

Era um sobrado, onde funcionava a livraria e tipografia na parte térrea, sendo a parte de cima ocupada como moradia da família e situava-se na esquina das ruas 27 de Janeiro e Andrade Neves, a bem dizer o coração da cidade, pois ali também estavam localizados o Banco do Estado do Rio Grande do Sul, o restaurante Gruta Jaguarense e o Café do Comércio, tradicionais pontos de encontro da população.

Contíguos ao nosso prédio, tínhamos a Prefeitura Municipal, pela 27, e o Snooker do Oliosi, pela Andrade Neves. O sobrado possuía seis sacadas, cinco das quais davam para a rua principal, a 27, e dali podia-se observar todo o movimento urbano.

No carnaval, não se dormia a noite inteira e ficávamos assistindo de camarote o desfile dos blocos carnavalescos e dos carros alegóricos, além do corso das rainhas dos clubes Harmonia, Jaguarense, Caixeiral, Instrução e Recreio, 24 de Agosto.

Na época, os principais blocos carnavalescos eram o Bataclã, os Marujos do Amor e o Troveja Mas Não Chove, que costumavam se apresentar durante o dia, antes dos desfiles, na frente das residências para angariarem recursos ou para agradecerem àqueles que tinham assinado os seus Livros de Ouro.

Nesse casarão, aconteceram os casamentos das filhas de Cantalício - Nilza e Lucy. 

Nas férias, o nosso sobrado lotava recebendo os filhos e netos de Cantalício, muitos deles nascidos ali mesmo. Era a Nilza e o Cesário, prolíficos por natureza, com Evandro, Graciema, Cesário Filho, Graciara, Gracíola, Gracília e Gracira, seus filhotes.

Luiz Cesário da Silveira, casado com a Nilza, já falecido, iniciou sua carreira militar servindo como aspirante no 13º. RCI, chegou a coronel na ativa. Foi o primo carnavalesco que costumava reunir uma turma de tenentes, toda emperiquitada, para sair fazendo farra pela rua. Cliente privilegiado da Gruta, cujo dono, o saudoso Domingos Isaias Leite, tinha o apelido de Camões por ser português e caolho como o poeta patrício, o Cesário não resistia aos apetitosos pratos expostos na vitrine daquele restaurante e sempre atravessava a rua para saborear daquelas iguarias, não obstante reclamasse dos preços praticados, chamando carinhosamente aquele de ladrão e por aí afora.

Pois este mesmo Cesário, gozador emérito, certa feita estava na sacada quando avistou o Camões na porta da Gruta, correu ao banheiro, voltou a tempo de pega-lo atravessando a rua em diagonal ao Café e, aos gritos de Ladrão, Ladrão, pega esta, lançou-lhe uma serpentina... De papel higiênico.

Depois, começaram a aparecer o Anysio e a Lecy, sua primeira esposa já falecida, e os rebentos José Augusto, Lia e Luiz Augusto.

Em seguida, foi a vez da Lucy e do José Hidalgo Filho, já desencarnado, geradores da prole de Maria da Graça, Átila, Lorena e as gêmeas Maria da Luz e Anaí.

E, por último, do segundo casamento do Anysio com Mirnaloy, também já falecida, passaram a habitar a casa seus filhos Anysinho e Quênia.

Ali também residiram, até morrerem, a mãe e um dos irmãos de Cantalício, Delfina e Modesto. Eram freqüentadores assíduos da casa o irmão e o cunhado de Florisbela, João Teixeira no jogo da bisca do final de semana, e Joaquim Mello, português viúvo de Maria José, sempre exaltando as vantagens da sua pátria.

Com eles, convivi boa parte da minha existência.


José Alberto de Souza

Publicado na Coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional em 19/11/2014
Postar um comentário