sábado, 3 de março de 2012

Integração jurídico-política da fronteira Jaguarão/Rio Branco

Meio ambiente, peculiaridade e preocupação comum 


A lei, ou a norma legal, tem a missão de atender às necessidades das pessoas - dos cidadãos. Ou seja, a lei serve às pessoas que habitam um espaço comum, indivíduos que contribuem para o desenvolvimento deste espaço e que, enfim, usufruem deste desenvolvimento. Portanto, a lei deve refletir sempre uma aspiração coletiva que se torna premente. Mas as coisas nem sempre são tão simples, às vezes pode ocorrer que uma determinada necessidade social encontre obstáculos para ser regrada através da criação de uma lei.

É o caso, parece-me, das populações fronteiriças onde o conceito de fronteira-contato é mais adequado do que o de fronteira-limite1, nas quais a integração espacial, cultural e comercial efetivamente acontece, sem que, no entanto, um marco legal comum possa satisfazer de imediato algumas carências destes cotidianos contíguos. Vejam-se as cidades de Santana do Livramento/Rivera, Jaguarão/Rio Branco, Uruguaiana/Paso de los Libres, etc.

A integração de Livramento e Uruguaiana com suas limítrofes são situações em estudo desde algum tempo, quanto a Jaguarão e Chuí, desconheço inteiramente se foram feitos esforços no sentido de buscar uma integração, também, pela via jurídica. Espero não estar “chovendo no molhado”. Ocorre que as possibilidades abertas pelo Ministério da Integração Nacional - por exemplo, o Programa de Desenvolvimento da Faixa de Fronteira (PDFF)-, somadas à vigência do Mercosul, inspiram soluções jurídicas para problemas que afetam a vida das pessoas que moram dos dois lados da fronteira. Cite-se o problema do meio ambiente, enquanto uma peculiaridade comum e que merece a maior consideração. Da mesma forma as questões ligadas ao saneamento básico e suas repercussões sobre a saúde pública.

O desafio de que sejam construídos Planos Diretores conjuntos para as duas cidades deve ser alimentado pela resultante de um desenvolvimento maior e mais seguro para as pessoas que vivem na fronteira, e que hoje, de fato, já praticam um integração múltipla. E é esta situação já colocada, já vivenciada, que, penso eu, deveria ser rebatida sobre uma superfície de expressão jurídica, binacional, que viesse a oferecer garantias e estabelecer algumas obrigações necessárias ao viço de Rio Branco e de Jaguarão.

Sérgio B. Christino

1 Uma excelente reflexão sobre este tema pode ser encontrada no artigo Espaços urbanos em cidades de fronteira: Lógica Espacial X Lógica Legal, de Karla Nunes de Barros Coelho e Antônio Tarcísio da Luz Reis, do GPIT.

Texto publicado na Coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional , edição de 29/02/2012

Postar um comentário