sexta-feira, 9 de março de 2012

Thadeu Gomes - Cerro da Pólvora



Aconteceu. Havia um certo clima pesado no ar. Dizem que depois do sucedido em 64, a guarnição local, tendo alguns de seus oficiais reformados por demonstrarem lealdade à Constituição, apresentava sinais de descontentamento. Falou-se que o responsável pela manutenção e guarda do imponente prédio situado no Cerro da Pólvora, onde circulavam rumores de gente torturada nos seus porões, a pedido de uma favorita sua, moradora das redondezas, concedeu à moça a regalia de retirar algumas telhas.
Tira, disse ele.
Ela tirou.
Todos tiraram.

Éramos crianças. Disso ou daquilo pouco sabíamos. O Thadeu, guri de 12 anos nessa época, além de estudar, se virava buscando alguma farinha e querosene do Uruguai no bagageiro da bicicleta para faturar uns trocos. Trazia pro armazém do Seu Alcides, ali na rua onde passava o trem, não muito longe da Venda do Barriga Murcha.  Também fazia a cobrança da mensalidade do Clube Suburbano. Os sócios, na maioria, era tudo gente da família. Barbada.

Até hoje não há gente muito disposta a tratar daquele assunto. Afinal, as ruínas não foram resultado de uma invasão dos castelhanos, nem de lutas entre revolucionários, maragatos ou chimangos.

Foi um ataque de formigas.

A suposição que se pode fazer pelo descaso, é de que grassava um espírito do novo, do moderno, do concreto armado, do milagre brasileiro, no pessoal que tenenciava em Jaguarão. O grande sonho era ter um arranha céu pra colocar a cidade no mundo. Chega de velharia diziam. Por isso, mesmo que fosse patrimônio público, era melhor que caísse mesmo. Assim foi também com os trilhos, virando poste de aramado de estância. Coisa sem serventia.

Um tio do Thadeu contava. Era assombrada. Mal assombrada. Cansou de tirar serviço por lá e sem mais nem menos, ouvir barulhos de prato e panelas na cozinha. De correr pra ver quem era e não encontrar vivente, nada. Muita gente do lugar contava também ouvir gritos que vinham de lá. Almas dos presos massacrados, dizia-se. Eu, de vez em quando, visitava uma tia minha que morava bem na bocada do Cerro. Antes de ser desativada, recordo os seus corredores, um homem de tapa-pó  branco me aplicando vacina. Uma irmã minha chegou a dar aula em suas salas, num estágio do Curso Normal do Colégio das Freiras.    

Talvez haja outras versões sobre o fato. O que é certo e está ainda na memória do Thadeu, é que numa certa manhã de 1967, da esquina da rua do Cordão onde morava, viu um formigueiro de gente no encimo do Cerro da Pólvora, trepando nos muros da enfermaria, todos às voltas com as telhas, azulejos, cerâmicas, portas, trincos, o que fosse aproveitável. De longe, parecia um carreiro formigante coqueando tudo nas costas. Gente pobre que sobrevivia em ranchos de pau a pique, casas de lata. Como desse.

Quem olha por entre os portais do que fora a antiga Enfermaria Militar pode ver ao longe , lá embaixo, a fronteira, a ponte, as águas do rio fazendo a curva em direção à Lagoa e a vista inteira, quase, da cidade.

Passados uns dez anos do ataque das formigas, o Thadeu curtia uns Led Zeppelin, uns Black Sabath na eletrola do Bárbaro Xavier. O Bárbaro morava na encosta do Cerro, bem defronte às ruínas, Porão do Marinheiro, como dizia o Caneco.

Iluminado por esse som endiabrado e pelo clarão da lua, ao sair desse covil do rock, o paisano Thadeu, que já o era, vendo as sombras da enfermaria, o céu bonito, as pedras de fogo, é inundado pela visão e compõe ali mesmo os primeiros versos do Cerro da Pólvora. Em 78, já em Pelotas, na casa dos estudantes, atormentado pela saudade, escreve a parte final. A melodia veio na carona das zambitas do Atahualpa e do Cafrune, mas de um jeito especial, meio cheirando a campos do Telho.

A música em seguida foi posta na roda da paisanada e foi virando hino nas serenatas. O Reinaldo Sapo, que além de produzir eventos musicais, dizia-se em seu curriculum ter hospedado o Ronnie Von, fato não comprovado e inclusive desmentido com veemência, pois juram que o renomado cantor da jovem guarda ficou numa casa defronte ao colégio onde funcionou o IPA, e o Sapo morava num bairro afastado do centro e além disso, não teria condições de hospedar ninguém, a não ser gente da família,  organizou e muito bem organizado, em 1980, o Festival Jaguarense da Canção no Teatro Esperança. O Cerro da Pólvora foi a vencedora.

Não se sabe se foram esses versos do Thadeu que estimularam um desejo de restauração, mas pouco depois, o Valdo e sua turma, estudantes de arquitetura em Porto Alegre, lançaram o Projeto Jaguar visando valorizar e preservar aquele espaço.

Hoje, lá no alto, em roda do Cerro da Pólvora, porteira da Ponte Mauá, começa a ser erguido, sobre as ruínas da Enfermaria, o Centro de Interpretação do Pampa. Depois da tormenta que trouxe a escuridão, como um moleque gambeteando pelas ruas, andorinha ao vento, vai ressurgindo por esta fronteira, ares de um renovado tempo.


Jorge Passos


Thadeu Gomesjaguarense, músico autodidata, psicólogo formado pela UCPel, em l983 e Pós-Gruaduado, em 2002 pela Sociedade Brasileira de Psicanálise-SP. Sua monografia enfocava aspectos do ator e do teatro. Atualmente atua como profissional liberal e também junto à Pref. Munic. de Uberaba-MG, como Psicólogo Clínico.
Postar um comentário