quinta-feira, 2 de agosto de 2012

IV FEIRA BINACIONAL DO LIVRO

Pintura em óleo - Jaguarão por Mestre Pino

Jaguarão, cenário de cinema do coração do Pampa

Jaguarão é uma belíssima cidade localizada na fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai. Um sítio histórico tombado onde o prédio da antiga Enfermaria Militar está sendo restaurado para abrigar o Centro de Interpretação do Pampa. O interesse de escrever sobre esta cidade se deu a partir de algumas coincidências. Quem acha que o Rio Grande do Sul se resume a Porto Alegre e Gramado, está perdendo o melhor. Da mesma forma, se engana quem pensa que o Nordeste é só litoral. Além das delícias pampeanas, Jaguarão guarda semelhanças com a Paraíba: a hospitalidade cultural e a esperança transbordando nos olhos das novas gerações.

Assim como ocorre em Boqueirão, no Cariri paraibano, Jaguarão vem retomando a cultura como uma de suas melhores vocações. Ao contrário de muitas cidades brasileiras, no geral o município soube preservar seu patrimônio histórico. A grande maioria dos prédios são habitados ou usados comercialmente. A cidade é um cenário de cinema no coração do Pampa. Uma pedra preciosa que começa a ser lapidada enquanto fonte de riqueza e qualidade de vida. Especialmente a partir do olhar dos pesquisadores da Unipampa e na superação de uma massa conservadora que condenava o povo à emigração. Uma nova mentalidade toma conta do futuro.

Uma cidade distante dos grandes centros econômicos precisa desbravar seus caminhos. A preservação do patrimônio histórico e o desenvolvimento cultural são rotas estratégicas para um desenvolvimento justo. Uma das ações que está dando visibilidade a Jaguarão é a IV Feira Binacional do Livro que este ano se realizará de 30/11 a 09/12. O evento busca articular a literatura do país de Mário Benedetti e Eduardo Galeano com a terra do lendário Edu da Gaita, do renomado escritor gaúcho Aldyr Schlee e do Hélio Ramirez, legítimo representante da arte e da resistência local.

A coincidência entre o que acontece em Jaguarão e Boqueirão é quase uma tendência nacional. A exemplo de Parati, com a sua festejada FLIP, ou Passo Fundo - RS, onde a Jornada Nacional de Literatura estabeleceu a formação de leitores como prioridade. Acontece o mesmo também na Feira Literária de Boqueirão, a FLIBO, onde o envolvimento das escolas públicas começa a fazer a diferença. Sabemos que o país não terá capacidade de evoluir de forma equilibrada sem aumentar o investimento na Educação. Todavia, a Educação não se consolidará sem políticas consistentes de incentivo à leitura. Assim, o Pampa começa a estabelecer uma importante fronteira com o Cariri, num filão que deixará muita gente com água na boca. Afinal, viver nas grandes cidades já não é a única saída para as nossas vidas. Esta é a lição que está posta.

Lau Siqueira

Lau Siqueira é Poeta e escritor jaguarense há muitos anos radicado em João Pessoa. Ele atualmente exerce o cargo de Secretário Executivo da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Humano da Paraíba e deve participar da IV Feira Binacional do Livro de Jaguarão. Este texto foi publicado no Jornal da Paraíba.

Publicado na Coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional, edição do dia 25/07/2012

Postar um comentário