sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Milonga para uma amiga


     
                                                                                     dedicada à Juliana Danigno

      Olhando a tua foto eu penso
numa milonga campeira,
na saudade verdadeira
das coisas do coração,
enquanto meu chimarrão
segue o chiar da chaleira!

      Lembro também, companheira,
desse prosear mano a mano,
que transforma o cotidiano
com teu sorriso sem par,
quando te pões a falar
de um sonho e um desengano,

      mas que um bom napolitano
ou uma Stella gelada,
te alegram, e deliciada,
na doçura ou no vapor,
fazes a viagem sem dor
no trotar da madrugada!

      Foi na praça ensolarada,
depois do sino tocar
e a voz do tenor cantar
a sua bela Ave Maria...!
Quando a tarde se exauria
numa prece eu quis voar,

      e nos meus versos chegar
como esse amigo esperado,
que há tempo foi convidado
pra te fazer companhia:
pelas lembranças de um dia
que nos falam do passado!

Dario Garcia


Postar um comentário