sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Uma sentença salvadora



Tem tudo, mas falta tudo. Esta frase que em si carrega uma evidente contradição me foi repassada por alguém com o qual conversava hoje de manhã . A sentença surpreendente, de autoria de DonAna,   funcionária do citado amigo, era o parecer sobre a lista a fazer para o rancho do mês. A aparente incoerência guarda, entretanto, muita sabedoria. E era uma resposta para mim também! Resposta para o quebra-cabeça em que me meti para escrever esta coluna.  E lhes digo isto porque tinha tanta coisa, tanto assunto sobre o que  escrever esta semana que no fim não me sobrava nenhum. Isto é, nenhum passava no crivo do assassino crítico que anda por aí dentro de mim a salvar a literatura e a crônica dos  sofríveis textos que volta e meia se me escapam e vem pelas ventanas a tomar luz.

Temos tudo e, no entanto, falta tudo. Filosoficamente, a eterna insatisfação humana sempre em busca do que somos e do que poderemos ser. Não nos basta ser filhos de Deus e feitos à sua semelhança, termos o planeta ao nosso dispor e descuidá-lo. Queremos a eternidade! Nem que seja para ficar contemplando o Todo poderoso às voltas com sua criação. E quem sabe criticá-lo! Que também não deve ser fácil ficar quieto por uma eternidade sem dar nem pelo menos um pitaco sobre o que anda a ser feito.

Mas voltemos ao chão. Penso e falo sobre o que vejo por estas paragens .  Universidade Federal com quase mil alunos, um projeto de Escola Técnica Federal em vias de conclusão, pavimentação, construção de moradias populares a baixo custo, acesso a financiamento com juros acessíveis, investimentos na preservação do Patrimônio histórico (Enfermaria e Teatro) que vão alavancar o turismo cultural e histórico, Bolsa Família, programa social aclamado no mundo, que tirou muita gente da miséria e colocou a criançada na escola. No Brasil a frequência das crianças beneficiadas pelo Bolsa é de 95,5%. Temos tudo? Ainda não , mas o avanço tem sido sensacional. Nunca se viu tanta ação do Governo Federal em Jaguarão. Por isso não entendemos os conterrâneos que embarcam na canoa furada do Partido da Imprensa Golpista (PIG) capitaneada pela Globo e Veja e que despejam diariamente um ódio visceral pelo ex presidente Luiz Inácio. Como diz o Mino Carta, até o mundo mineral reconhece o papel que o Lula tem desempenhado como liderança mundial.

Falando de lideranças, é de se elogiar a capacidade do Fábio Koff, aos 81 anos, em ser Presidente do Grêmio. Uma figura já lendária pelos títulos conquistados. Tem tudo , mas ainda quer mais. Ambição? Não creio. Vaidade? Talvez. Mas a vaidade em dose certa é o combustível da obra humana. Mesmo assim, cuidado, em overdose, vira veneno.

Se tudo temos e ainda falta tudo, só me vem à mente, para terminar, parte da letra do Titãs: “ a gente não quer só comida, a gente quer comida diversão e arte”! 

Viva a IV Feira do Livro, a DonAna e a sabedoria popular!

Jorge Passos

Texto publicado na Coluna Gente Fronteiriça do Jornal Meridional do dia 24/10/2012
Postar um comentário