quinta-feira, 29 de julho de 2010

OS CAMELÔS DA POESIA

Armando a barraca - Foto J. Passos
Poetas loucos, roucos, bêbados e infames
Vendem poesias como poucos,
cocos, pêssegos e salames,
Mas isso são rimas, não poesia!

Lingerie, manequins, cuecas,
Os mais ousados, bicicletas.
Que importa?
Eles parecem mais patetas que poetas.

Mas então eles não tem arte...
Jamais serão milionários...
É... ter não tem.

São visionários!
Eles somente a vêem...
Em toda parte!!!


M. César e J. Passos

Nenhum comentário:

UM DIA EN RIO BRANCO -URUGUAY ( Século XX)

Amanheceu. Da quinta vem o ruído da enxada limpando o pasto na volta dos morangos. São poucos, mas bem cuidados. O terreiro das galinhas já ...