sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Dona



Subia ao grande palco da vida,
Maquiada de felicidade,
Decorava seu texto quase sem vontade,
Sua vocação era encenar, encenar.

Seu figurino demonstrava sua simplicidade,
As mãos calejadas deflagravam sua persistência,
O ensaio para seus questionamentos, dúvidas,
Jamais saiam do papel durante sua apresentação diária.

O público indiferente, quase nunca percebia,
Que todo santo dia,
Ela atuava, sorria e chorava mecanicamente,
Que seus sentimentos nem lhe pertenciam mais.



Daniel Moreira (revista-seja.blogspot.com)
Postar um comentário