sexta-feira, 26 de novembro de 2010

A Lira Campesina


à comunidade do Cerrito


São da Colonia do Sacramento,
São dos Açores,
São lá de fora
Onde tudo ainda era campo.
É o feudo, o império, a república,
O charque movendo a roda.

É Julio Verne dando volta ao mundo.
É o velho Machado
Caminhando pelo Cosme Velho.
É a carreta que os conduz
À biblioteca no pampa.

É o chá dançante
Em regozijo pela vitória aliada.
É Strauss dançando no mugido da gadaria.
É o rito do cal branqueando o cemitério.

É o tempo que corrói
E será o que ressuscita.
É a face do que já foi,
Executando a melodia.
Será a estrada,
Será ciência, patrimônio.

É a Lira Campesina!

Jorge Passos



Ontem , dia 25 de novembro, no Ciclo de Palestras promovido pela Unipampa na Casa de Cultura, a Professora Neusa da Silva Matte expôs alguns pontos do seu Projeto:

"Lira Campesina: o resgate da memória cultural da região do Cerrito-RS no período entre 1850 e 1950".

A micro região conhecida como Cerrito, eqüidistante de três municípios da região da campanha fronteiriça do Rio Grande do Sul – Jaguarão, Herval, e Arroio Grande- constituiu-se um núcleo comercial, social e cultural de extrema vitalidade no período entre a segunda metade do século XIX e a primeira metade do século XX. No meio do campo, uma venda onde podia-se comprar puro linho irlandês, especialmente encomendado para os enxovais das noivas, um local de feira, onde o gado era comercializado, um escola, cujo professor escrevia e ilustrava as cartilhas dos alunos a mão, uma biblioteca com sistema de empréstimo de livros aos sócios, um clube social, construído em estilo neoclássico, e, talvez, o fator mais surpreendente, uma orquestra formada pelos moradores locais. Esse projeto pretende retraçar o contexto econômico, social e cultural dessa região buscando compreender as condições humanas, históricas e geográficas que proporcionaram tal nível de sofisticação em meio ao pampa em pleno século XIX, assim como as repercussões desse estilo ao longo do século.

Fonte: http://www.internacionaldelconocimiento.org/documentos/ressimp_13.pdf

Postar um comentário