quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Buenos Aires, Caminito, Biblioteca Café y Boquitas Pintadas


Chegamos ontem a Buenos Aires, viagem muito confortável de uma hora e quinze minutos pelo Buquebus saindo de Colonia. A cidade estava comovida com o falecimento da grande escritora, compositora, dramaturga e música, María Elena Walsh. "Como la Cigarra", "Las estatuas", são algumas de suas canções mais conhecidas no Brasil por meio da voz de Mercedes Sosa.

Foi dia de reconhecimento. Caminhamos à tarde no entorno do hotel Esmeralda, que fica na rua Marcelo Alvear a duas quadras da Av. 9 de Júlio. Almoçamos no restaurante Natascha que fica na esquina com Suipacha. Caminhamos pela 9 de Julio e entramos na calle Lavalle. Encontramos uma agência de reservas de shows e espetáculos. Procurávamos algo que não fosse para "turistas". Olhando a cartelera, me atraiu um concerto na Biblioteca Café. Mas isso, contamos depois. Pudemos observar que a capital argentina está literalmente tomada pelos turistas de todas as partes, entre eles, muitos brasileiros.

Acordamos cedo hoje. Destino, Barrio la Boca, mais precisamente El Caminito. Em vez de tomar um táxi, decidimos caminhar até a Praça San Martin e tentar ir de subte. Encontramos amável paisano o qual nos informou que para onde íamos, só havia ônibus, que passava ali na praça mesmo, el 152. A dificuldade foi encontrar moedas para pagar a passagem, concedida por uma máquina ao entrar no coletivo. Custa um peso e 75 centavos, aproximadamente um real.

Transposto esse contratempo, embarcamos e em 15 minutos estávamos entrando na magia de El Caminito. É realmente um passeio fantástico. Assim caminhamos por entre caminitos, enfumaçados pelas parrillas, dançarinos, pinturas, e muito artesanato típico com a temática do tango imperando, além do pampa e de tudo a que se refere aos costumes platinos. O couro, de todas as formas e cores, é o forte da maioria dos objetos expostos a venda, bem como as peles, o que nos lembrou o massacre de pequenos animais como raposas, chinchilas e outros de pele "nobre" .

Este fato parece não incomodar a quem os vende e muito menos a quem os compra, pois por aqui, parece ser normal possuir um casaco maravilhoso de pele legítima! O melhor foi o almoço, em lugar aprazível, pátio sombreado por um paraíso imenso, que dá o nome ao lugar. Lá pudemos apreciar um belo assado, tomar a cerveja Patagonia, com lúpulo daquela região...tudo ao som de don Miguel Córdoba, guitarrero e intérprete de tangos de voz suave... Como dicen los porteños, fenómeno de tarde!

Retornamos de ônibus e tiramos fotos de prédios incríveis, inclusive a Casa Rosada... Descemos no mesmo ponto da plaza San Martin e caminhamos até a Florida, rua famosa por seu comércio de primeiro mundo. Entretanto, sentimo-nos assediados pelos vendedores que ficam na porta das lojas convidando a entrar...um pouco constrangedor, porém insuficiente para diminuir o encantamento da cidade. Ainda assim, vale a pena conferir o preço das chassimires, bolsas e casacos de couro, belíssimos...

No hotel, pequena pausa para descanso e preparativos para a noite. Que noite!!! Maravilha de espetáculo na Biblioteca Café: Boquitas Pintadas, cinco mulheres fantásticas tocando e encantando com o tango! O lugar é simplemente surpreendente, pequeno, aconchegante, atmosfera Borgiana, culinária deliciosa. Alvear, 1155. O café abre diariamente e serve de tudo, desde que se faça reserva de mesa... Vale a pena conferir.

Pra terminar o diário de bordo de hoje, o registro da forma gentil e cortez com que fomos tratados em todos os lugares pelos hermanos porteños! A Confraria está se sentindo em casa!

Jorge e Analva Passos - 12/01/2011

Plaza San Martin - Mephisto y Fausto.
Barrio La Boca - Caminito - El Paraíso
Biblioteca Café - Boquitas Pintadas

Postar um comentário