sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Nietzsche no século XXI


Morto há mais de um século, continua Nietzsche sendo ainda motivo de escândalo, no sentido de que ele não nos deixa em paz e, por outro lado, nem nós deixamos sua memória sossegada. Parece que não nos contentamos com o que ele escreveu e exigimos que nos diga mais, que se explique e nos explique. Sentimos que ele nos abriu uma porta, mas não permitiu que entrássemos. Tendo sido ao mesmo tempo filósofo e poeta, diante de sua obra somos levados a querer mais, e só ele nos poderia saciar esta sede.

Quando em Turim, para reuniões da Fundação Granziani Cavour, percorri mais de uma vez o trecho de rua em que em 1888, aos 44 anos de sua idade, Nietzsche ficou de repente fora de si e do mundo. Como um raio, a loucura o atingiu. Viveria ainda perto de 11 anos, como um objeto, sob os cuidados da irmã e da mãe, para morrer em 1900.

Naquele ano de 1888, viveria em Turim, onde terminaria alguns de seus livros mais significativos - "Ecce Homo", "O anticristo", "Nietzsche contra Wagner", "Vontade de potência" - e exigira tanto de si mesmo (devia saber que estava nos últimos arrancos de sua inteligência) que rompeu a base corporal que o ligava ao mundo exterior.

Repito: virou um objeto. A simples constatação dessa queda, num até então dominador permanente do pensamento e da palavra, revela o tênue limite que nos separa da sombra.

O livro de José Osvaldo de Meira Penna"Nietzsche e a loucura", lançado este mês, vem colocar a bibliografia nietzschiana brasileira em nível superlativo. É trabalho abrangente, analítico, preciso nas suas interpretações, corajoso em suas conclusões.

Profeta e poeta, previu Nietzsche muitas das tendências do que seria mais tarde o século XX. As palavras de Zaratrusta, que ele intuiu e escreveu, a figura do Super-Homem (que a literatura infantil e o cinema explorariam ad-nauseam) estiveram presentes em todos os últimos 100 anos de nossa história e ingressaram com passos cada vez mais firmes no século XXI.

Nietzsche surge também como dos mais importantes criadores da moderna psicologia analítica. E foi em Turim, no livro "Ecce Homo", que deixou escrito: "Haverá guerras como nunca dantes houve na terra". E mais: "Apenas após minha morte haverá grandes acontecimentos políticos sobre a terra".

A oposição ética entre a crueldade e a compaixão perpassa pela obra de Nietzsche que, envolto pela tendência seletiva que Darwin impusera ao pensamento do século XIX, privilegiava o forte, o são, o inteligente - e podia, nesse caminho, aceitar, inclusive, a crueldade. E eu me pergunto se ele não terá sido vítima de si mesmo quando, em face de uma crueldade inesperada, reagiu com tal violência que atingiu a si mesmo, no seu cérebro, no seu íntimo, no seu equilíbrio diante do mundo.

Pois o que aconteceu, isto é, do que ouvi em Turim, em conversas com professores locais e jornalistas da cidade que haviam pesquisado sobre o que ocorrera, bem como de acordo com a descrição feita por Meira Penna para o livro de agora, foi simplesmente isto. Depois de noites em que muito pouco dormia (tinha de consumir uma quantidade excessiva de hidrato de cloro para cair no sono), saiu a passear pela Via Carlo Alberto quando parou diante de uma cena de crueldade.

Um homem qualquer batia num animal - cavalo, jumento ou mula - batia-lhe no pescoço, na cabeça, nos olhos, no focinho, batia e voltava a bater. Nos primeiros minutos, Niezstche olhou espantado para o que via, como se tentasse atinar com o que na realidade acontecia. De repente, faz gestos de quem ficou dominado por violenta emoção, dá um grito e se atira sobre o animal, chorando sem parar, agarra-lhe o pescoço de modo frenético, chora, chora, chora, quer afastá-lo do agressor, parece alucinado, diz frases sem o menor sentido, tem uma síncope e cai na calçada.

Levado para uma clínica na Basiléia, o diagnóstico foi paralisia progressiva. O fim, porém, não estava perto. Sem escrever, de certo ponto em diante sem falar, sem demonstrar reconhecimento do que acontecia ao redor, morreria longos 11 anos depois.

O livro de José Osvaldo de Meira Penna chega no momento em que estamos, no Brasil, discutindo, aceitando, negando, querendo que se apresentem, os diversos caminhos e as inúmeras proposições que se apresentam para compor nosso futuro. Conhecer o pensamento de Nietzsche é importante nesse emaranhado de idéias que nos assaltam. Poucos escritores pagaram com a vida para pensar o que pensaram, para viver o que pensaram.

Mesmo que não seja para aceitá-lo integralmente, há de discuti-lo e, acima de tudo, sentir a força de seu pensamento e a beleza literária de seus escritos. "Assim falou Zaratrusta" está inserido entre as obras mais belamente fortes dos textos daquele tempo que, na realidade, não se diferencia muito do de hoje. Sendo um escritor de agora, deste começo de um milênio, pode fazer-nos compreender o que está acontecendo neste momento ao nosso redor.

Di-lo Meira Penna ao terminar sua introdução ao livro: "Poucos estão prontos a admiti-lo, mas Nietzsche é o filósofo do século XXI. É o poeta, o analista, o psicólogo, é mesmo - com Kafka, Orwell ou Huxley - o ficcionista da nova era do mundo global".

"Nietzsche e a loucura", de José Osvaldo de Meira Penna, é um lançamento da Editora UniverCidade através de seu Instituto de Filosofia e Estudos Interdisciplinares. "Orelha" de José Arthur Rios.



Resenha publicada na coluna de Antonio Olinto na Tribuna da Imprensa em abril de 2004.
Postar um comentário