terça-feira, 26 de junho de 2012

Jaguarão: efervescência cultural


Prefeito Cláudio Martins na assinatura do Contrato de Restauração do Teatro Esperança

Um rico laboratório de experiências alquímicas. Palavras emocionadas do “Poeta de los Churros”, Darío Garcia, após participar na última sexta-feira do Poesia no Bar no Clube 24 de Agosto e que reuniu estudantes da Unipampa, professores, poetas, músicos, Vídeoamadores, coral, orquestra, maestros, gente da comunidade, inclusive com o Mestre Vado na tela. O evento fazia parte da Semana do Audiovisual que agitou nossa fronteira Jaguarão- Rio Branco de 12 a 17 de junho. Alquimia, busca da pedra filosofal, transformação de pedras em ouro, metáfora da transformação dos elementos em busca da sabedoria.

Na mesma noite de sexta, um pouco antes, outro ato de significado profundo acontecia no foyer do Teatro Esperança. A assinatura do contrato por parte da prefeitura e do Iphan com a Empresa Marsou Engenharia para a segunda e última etapa de restauro do prédio histórico que abrigou e abrigará variada manifestação cultural. Aos nossos leitores, que não puderam estar presentes, registramos um pouco do que foi dito nos importantes pronunciamentos que se realizaram.


Deputado Henrique Fontana ao lado do Prefeito Cláudio Martins, equipe da Secult e
escritor Eduardo Alvares de Souza do IHGJ
O Deputado Federal Henrique Fontana, que não é desta região, mas com ela está compromissado, haja vista os vários projetos favorecendo nossa cidade em que atuou como articulador em Brasília, disse que devíamos o momento, à força e determinação do povo brasileiro , que vem construindo ao longo de gerações um país rico e pujante e que isto tornou possível a recuperação de um pedaço fundamental da história de Jaguarão. Segundo ele, o Teatro Esperança, será sem dúvida um atrativo para que muitos gaúchos e brasileiros conheçam e se afeiçoem a este chão. Falou ainda sobre a política como exercício da virtude, espaço de dedicação ao bem comum, representação efetiva da vontade popular.


Ao centro, arquiteta Ana Meira, Superintendente do IPHAN com equipe da Secult
A arquiteta Ana Lúcia Meira, superintendente do IPHAN no Rio Grande do Sul, começou seu pronunciamento agradecendo o povo de Jaguarão por preservar esse fabuloso legado, com o esforço que há muitas décadas vem fazendo para manter aqui o maior centro histórico do Sul do Brasil. Testemunhou ainda, depoimentos de várias pessoas que vieram de Brasília, notando como a cidade está bem cuidada, de como os jaguarenses falam com orgulho do patrimônio que aqui tem. Adiantou que o Dnit já finalizou o projeto de restauração da Ponte Mauá, o qual deve ser licitado proximamente. Assinalou também que manteve tratativas com o Setor de Patrimônio do Uruguay na possibilidade de reativar a ferrovia, mesmo que simbolicamente, com uma locomotiva fazendo a ligação entre os dois países num passeio turístico. Sobre o Teatro Esperança, disse que não se confunda reforma com restauração. Esta é mais séria, exige maior cuidado, mais mão de obra especializada. Exige a recomposição, onde possível, tal qual o original. Os recursos investidos na obra se justificam pelo valor incalculável do teatro.


Foyer do teatro Esperança ficou lotado para presenciar o Ato
Dificilmente se encontrará em um município pequeno, de 28 mil habitantes, em proporção a seu orçamento, tantos recursos de investimento por parte do Iphan. Assim iniciou sua fala o Prefeito Cláudio Martins, agradecendo a arquiteta Ana Meira e sua equipe, que tanto tem feito pela história de Jaguarão. Ressaltou a alegria em ver presente ao ato, absoluta pluralidade partidária, pessoas que compreenderam o momento histórico e a contribuição, que tantos deram antes, para que o objetivo fosse atingido. Citou o ex Prefeito Henrique Knorr e sua secretária de Cultura Carmem Lúcia Passos que coordenaram o processo de municipalização do Teatro, a presidente do CDL, Maria Emma Lipollis pela parceria na discussão do patrimônio cultural como vetor de desenvolvimento na região, pioneirismo quase quixotesco do Valdo Nunes com o Projeto Jaguar, equipe de governo pela elaboração e acompanhamento de projetos, a sociedade em sua pluralidade, que vem acreditando e pavimentando a construção deste sonho, gestando um futuro seguro para a cidade de Jaguarão. 

Informou ainda, que nos próximos dias o Correio lançará uma série de selos comemorativos aos 200 anos da cidade, com estampas dos prédios tombados, divulgando nosso patrimônio por todo o Brasil. Expressou a importância de valorizar o patrimônio da Comunidade quilombola, do braço negro e escravo que ajudou a construir e a manter a riqueza, das obras de infraestrutura que contemplem os mais necessitados. Finalizou dizendo que, mais que um contrato a assinar, aquele era um ato de compartilhamento com toda a sociedade de um compromisso selado pela valorização do patrimônio cultural na história de Jaguarão e região.


Don Quijote de La Mancha, Peça encenada em 2001 e 2002 no Esperança

A restauração do Teatro Esperança nos colocará um desafio. Encher aquele corpo renovado de alma, de fazer teatro, de incentivar a formação de grupos amadores. A Unipampa, seus alunos, o Curso de Produção Cultural, os agentes culturais, terão parte importante nisso. Volto ao poeta para encerrar com suas palavras: interessantíssimo amalgama cultural está a gestar-se nesta cidade!

Jorge Passos

Texto publicado na coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional do dia 20/06/2012
Postar um comentário