quinta-feira, 14 de junho de 2012

Jerônimo Jardim ao vivo de Viva Voz - Um disco histórico


Jerônimo Jardim nasceu em Jaguarão, no Rio Grande do Sul. Adotado ainda na adolescência pela cidade de Bagé, a ela dedica sua melhor querência. Vivendo hoje em Porto Alegre, lá forjou importante obra cultural, mantendo vivo o olhar sobre o nativismo disseminado pela campanha gaúcha. Como bom tapejara, desde guri carrega na guaiaca o orgulho por sua gente.

Bacharel em Direito, publicitário, servidor aposentado do Tribunal Regional do Trabalho, exerceu a advocacia e o cargo de professor de Direito e Processo do Trabalho na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Rio Grande.

Mas o que nos interessa aqui e agora é a sua múltipla obra como compositor e escritor. Autor de três peças para teatro e de cinco livros infantis, Jerônimo lançou também dois bons romances: In extremis – Na alça de mira (2010), e Serafim de Serafim (2011). Compositor, teve músicas gravadas por conterrâneos seus, inclusive Elis Regina, que, em 1979, lançou “Moda de Sangue”, dele e Ivaldo Roque. E venceu o MPB-Shell/81 com “Purpurina”, interpretada por Lucinha Lins.

Sua produção musical e literária teve de ser interrompida quando um problema de saúde o forçou a deixar o violão e a escrita de lado. Aos poucos, entretanto, as ideias foram retomando espaço no dia a dia de Jerônimo Jardim. Até que, passo a passo, um dia após o outro, tudo desaguou em música na Sala Álvaro Moreira, em Porto Alegre. Lá, acompanhado por Toneco da Costa (arranjador, violonista e diretor musical do show), Pedrinho Figueiredo (produção, vocal, mixagem, escreveu arranjos para sax soprano e flauta e os tocou), Fernando do Ó (percussão), Greice Morelli (vocais), João Vicente (violão de sete cordas) e Luís Arnaldo (cavaquinho), foi gravado Jerônimo Jardim, ao vivo – de viva voz (independente).

O que nele se escuta é, talvez, menos importante do que o que se sente ao ouvir as músicas. Pulsa firme em cada uma delas a dignidade e a fortaleza de um compositor que, como poucos, expõe em versos a alma gaúcha. Feito um haragano, J. J. é arisco, difícil de domar, não se atém a formalidades estéticas banais, muito menos a simplismos facilitadores.
Sax e violão, mais o sete cordas, dão a introdução de “De Viva Voz” (J. J.). No choro delicado, a voz resvala nas notas, pois Jerônimo não é cantor, mas um trovador de suas músicas. Isso em nada diminui seu cantar; ao contrário, eleva-o a um ponto alto, onde o que prevalece é a emoção de sentir-se pleno em seu ofício de viver para fazer e cantar suas composições.

Seguem-se sambas brejeiros com melodias simples e letras bem humoradas: “Minha Nega”, “Perdoar”, “É Isso Aí”, todos de J. J.; choros: “O Amor É Assim” (J. J. e Luiz Coronel) e “Cartas Digitais” (J.J. e Clair Jardim); e frevo: “Lenha na Fogueira” (J. J. e Clair Jardim).

A tudo a plateia, os músicos e Jerônimo Jardim, estes com amplo talento, dão o tom de camaradagem explícita que perpassa cada compasso do show de uma vida levada para o disco histórico.

Aquiles Reis
Postar um comentário