sexta-feira, 17 de setembro de 2010

MAIS SOBRE O PÚCARO BÚLGARO- TEATRO DA CAIXA BRASÍLIA


Foto J. Passos


O primeiro romance-em–cena, o que quer que signifique essa expressão, que provavelmente não foi usada antes (provavelmente , mas não seguramente; nenhuma exclusividade é garantida em mundo tão vasto), é coisa do século passado.


(...) O terceiro romance-em-cena é este o Púcaro Búlgaro. Obra prima da literatura brasileira. ...é uma maluquice dos diabos e, ao mesmo tempo obra de “altas sacações metafísicas “, como diria Glauber Rocha. Nos cercamos de todas as filosofias e de todas as loucuras.


Entre as primeiras, sobretudo, as que procuram definir o que é real, começando pelo siciliano (quando a Sicília era parte da Magna Grécia) Górgias, autor do Tratado do não ser (1. não há nada; 2. se houvesse algo, não se poderia conhecê-lo; 3.se houvesse algo e esse fosse cognoscível, ninguém poderia ser utilmente informado disso).


E entre as loucuras, sobretudo as loucuras Dada e surrealistas.


Do que resultou daí para o progresso da ciência e retrocesso da moral...


Aderbal Freire-Filho (diretor)


AOS 16 ANOS MATEI MEU PROFESSOR DE LÓGICA.

Campos de Carvalho, A lua vem da Ásia, capítulo primeiro.


TENHO VONTADE DE SAIR GRITANDO “ALELUIA” PELO RIO VERMELHO AFORA: UMA DAS OBRAS MAIORES DA LITERATURA BRASILEIRA, POR TANTOS ANOS ESQUECIDA, FORA DAS MONTRAS DAS LIVRARIAS, REENCONTRA O CAMINHO DO PÚBLICO E DO RECONHECIMENTO DA CRÍTICA.

Jorge Amado, no prefácio da Obra Reunida- José Olympio Editora



NO FUNDO, ACHO QUE NÃO HÁ NADA PARECIDO COM O QUE ELE ESCREVE NO BRASIL. REALMENTE A MELHOR COMPARAÇÃO ME PARECE SER COM A LITERATURA SATÍRICA INGLESA DE JONATHAN SWIFT E LAURENCE STERNE.

Carlos Heitor Cony


APESAR DA EXCELENCIA DE A LUA VEM DA ÁSIA, A OBRA-PRIMA DE CAMPOS DE CARVALHO É MESMO O PÚCARO BÚLGARO. TRATA-SE DE UMA PROPOSTA DE MISTURAR FRANZ KAFKA COM OS IRMÃO MARX.

Leo Gilson Ribeiro


(...) PODERIA, SE HOUVESSE ESCRITO E PUBLICADO EM OUTRO TEMPO, FIGURAR NAQUELA LISTA DE ESCRITORES QUE PRECEDERAM O SURREALISMO, APRESENTADA NO PRIMEIRO MANIFESTO DE ANDRÉ BRETON.

Cláudio Willer, citado por Juva Batella em “Quem tem medo de Campos de Carvalho, Editora 7 letras, 2004

Fonte: Folder da peça.


AINDA HÁ TEMPO DE VER ESSE ESPETÁCULO ! NÃO PERCA!

SÁBADO - 18/9 - as 20h e DOMINGO - 19/9 - as 19h.

Teatro da Caixa - SBS Qd. 4, - Asa Sul

Preço inteira: R$ 20
Preço meia: R$ 10 (para estudantes, pessoas com 60 anos ou mais, professores e empregados da Caixa, para portadores do Cartão Petrobras na compra de até 2 ingressos)


Postar um comentário