quinta-feira, 9 de setembro de 2010

SONHOS E LETRAS


Cena da Peça Don Quijote com os colegas do Curso de Letras
Teatro Esperança - 2002




No início os moinhos eram monstros

E agora voltaram a ser moinhos:

Insanos os que não venceram o medo.

Partir para a batalha é viver os sonhos.


As honras ao vencedor implacável

São apenas vestígios da maior glória:

A vontade de mudar o mundo,

Começando pela própria história.


O cavaleiro não é errante:

Mas, desprovido de cavalo,

Buscou novos horizontes,

Viajou o mundo pelas letras.


Venceu medos para, enfim,

Singrar águas conhecidas

Conhecer novos "mares",

Desbravar mentes férteis.


O mundo em "prosa" e versos,

Abrindo novos universos,

Revelou a alma digna de história

E a história se faz presente, agora ...



Fábio Oliveira






Publicamos este poema enviado pelo Fábio, nosso "canhoneiro" (canhão de luz), quando da formatura em 2002 da Turma do Curso de Letras, Extensão da UCPel, em Jaguarão.

Com esta postagem, além de relembrar todas as aventuras que vivemos com os colegas, professores e amigos , inclusive com a loucura maior da realização do Don Quijote, gostariamos de homenagear as primeiras turmas de Pedagogia da Unipampa- Jaguarão que colam grau nesta sexta-feira.

Adelante! Vamos a las aventuras!


Postar um comentário