sexta-feira, 10 de setembro de 2010

PENALTI NA LAGOA


Nos verões do "La Mancha" na Lagoa Mirim, nos fins de tarde, depois que o sol dava uma trégua, costumávamos jogar um futebol no campinho do castelhano que tem uma tornearia ali na beira do Rio Jaguarão.
Geralmente eram (e ainda são) partidas acirradas entre a gurizada e os veteranos, entre uruguaios y brasileros, entre los de la frontera contra los de Melo.
Não havia, sinceramente, uma técnica muito apurada dos jogadores, apesar de alguns craques do passado, de vez enquando, realizarem alguns lances de efeito e algum guri atrevido sair driblando todo mundo.
Quando a coisa esquentava demais, o dono do campinho acabava com a brincadeira tirando as traves e íamos tomar aquela Patricia gelada e fazer um asadito de tira.
Pois o que aqui se conta em versos é, numa dessas jornadas, a epopéia de um veterano, na decisão por penaltis de um jogo encruado. Como voces sabem , a penalidade máxima sempre coloca o batedor entre a glória e o abismo. Vejam qual o seu destino:

A Epopéia de um Veterano


Teve uma vez na lagoa

Num jogo dito imperdível

Digo, 'perdível' parceiros

Que um grande companheiro

Talvez por sua qualidade

Foi bater penalidade

Contra um medroso goleiro


Como se fosse o Romário

Com classe, tarimba e jeito

E corre pro tiro fatal...

Vai ser gol... ele é letal...

E estava tudo perfeito

Não tinha um outro final

Mas um piá sem piedade

Sem compreender o paisano

Berra, assim, nesse momento

'Vai errar o veterano' !


A vida tem dessa, hermano

Quando seu pé deu na bola

Parece que tinha cola

No couro da sua chuteira

Pifou, pinchou, e a matreira

Quase nem chega na meta!


A platéia assim... pateta

Estancou toda a lagoa

E o goleiro rindo à toa

Com a pelota na mão

E o coitado do compadre

Que nem ajudá-lo pude

Gemendo: "alguém me acude

Que me deu uma distensão!"


Martim César Gonçalves


PS: Depois dessa abandonei a prática do esporte bretão e tenho me dedicado à navegação, natação, ao xadrez e alguma que outra atividade física menos invasiva!

J. Passos

Postar um comentário