terça-feira, 19 de julho de 2011

ClicrbsPelotas: Público vibra com apresentação da Sociedade Pelotense Música Pela Música em Jaguarão

A Igreja Matriz do Divino Espírito Santo ficou pequena para acomodar o público que foi prestigiar o espetáculo da Sociedade Pelotense Música Pela Música (SPMM), que se apresentou pela primeira vez em Jaguarão. Pessoas de todas as idades vibraram com um repertório composto basicamente de trechos de óperas consagradas de compositores, como Verdi, Mozart, Puccini e Bizet. Coro e orquestra filarmônica não conseguiram deixar o presbitério, antes de executar mais duas obras, no bis: o clássico Carinhoso, do mestre do choro Pixinguinha, e o hino Rio-Grandense. O concerto itinerante, aberto à comunidade, foi o primeiro desde a retomada do projeto Trilha Filarmônica, através da parceria firmada em abril, com a Fibria e o Instituto Votorantim.




As peças que contaram com a participação dos três solistas responderam pela maioria dos pontos altos do espetáculo. Na voz do tenor pelotense, Igor Schafer, La donna è móbile – popularizada na interpretação do italiano Luciano Pavarotti – arrancou aplausos acalorados da platéia. Com a soprano Rosimari Oliveira, de Porto Alegre, não foi diferente: mais uma composição de Verdi, desta vez a ária de ópera Sempre libera, arrancou novas exclamações de “Bravo”. Já o barítono, também da capital do Estado, Sérgio dos Santos, repetiu a performance de outras oportunidades em que tem acompanhado a SPMM e, de novo, o toque descontraído de Toreador (ária da ópera Carmem, de Bizet), encantou o público. 
O adolescente uruguaio Jose Dominguez, 13, que atravessou a fronteira para assistir ao concerto, deixou as letras de rock um pouco de lado e gostou do que viu. Ao falar do ponto preferido, não titubeou:
- O que mais gostei foi do cantante moreno – disse ao se referir ao barítono.
A jaguarense Leni Sória, 77, também deixou seu recado ao final:
- O pessoal tem que voltar para animar a gente. A música move a felicidade.
O padre Hamilton Centeno compartilhou do sentimento e agradeceu o fato de a Matriz ter se transformado em espaço à manifestação artística:
- Hoje ainda falávamos do poder e da beleza de Deus. A música é a expressão da beleza por excelência. E essa soma de talentos que recebemos aqui é de Deus.
Intercâmbio cultural - O maestro Juan Schellemberg destacou o momento de troca de experiências. Sob a batuta do uruguaio, jovens e adultos do coro municipal interpretaram Ponta de areia, de Milton Nascimento, e Água de beber, de Tom Jobim e Vinícius de Moraes e abriram a noite.
- A maioria dos nossos jovens não tinha visto muito desses instrumentos da orquestra. Em geral, eles não têm contato com a música sinfônica”, explica. E, ao falar nos reflexos da noite de domingo, Schellemberg mencionou dois aspectos importantes: “Esse tipo de espetáculo ajuda a motivá-los ao estudo da música e, acima de tudo, contribui à formação de público – afirmou, ao projetar novas parcerias com a Sociedade Pelotense Música Pela Música.
O segundo concerto itinerante pelo projeto Trilha Filarmônica será em novembro, em Bagé, em data ainda indefinida.

Por Paula Blaas


Fonte: http://wp.clicrbs.com.br
Postar um comentário