sexta-feira, 20 de abril de 2012

Carta de adeus para um amigo que não tive


Normalmente vem a primeira frase e dela nasce o resto todo. Mas dessa vez tudo parece turvo demais para uma primeira frase que não esta, explicativa, fria, mordaz. Ocorreu-me que quando alguém vai embora, parte para um outro país que existe longe da gente, perdemos não só os momentos que ainda poderíamos compartilhar, perdemos um pedaço de nós mesmos que só existia quando aquela pessoa estava por perto.

Não falo de um amigo, falo de alguém que poderia ter sido mas jamais será, por que o destino em seu viés mais estúpido e mesquinho vestiu-se de vilão e me privou de um pedaço de mim que eu sequer cheguei a conhecer direito.


Esta é uma carta de despedido para alguém que quase não conheci, alguém com quem quase não sorri, alguém com quem quase não partilhei sonhos, angustias, agruras e posicionamentos políticos.

É uma carta para um amigo que não tive, mas que mexeu com tanta gente de quem gosto que me sinto na obrigação de escrevê-lo, de colá-lo no papel, imprimi-lo, quiçá naquele pedaço de mim que seria dele, caso tivéssemos dividido outros copos e outras noites, naquele que sabe apenas ser inventado por sorrisos sinceros, por passos de dança desconcertados, por canções que não se cantam quando se está sóbrio.


É uma carta para aquele pedaço de cada um de nós, que se parte quando parte alguém que não deveria tê-lo feito, é um grito desesperado de quem só tem o papel como aliado, é a voz que ainda tenho nesses dias de ser mudo. É a lágrima da moça de há tempo beijando o chão frio dos teus passos não pisados.


É uma carta, meu velho, meio torta, uma despedida meio errada, mas é tudo o que eu tenho a oferecer, já que aquele pedaço de mim, agora, jamais vai poder ser teu.

Nicolás Balado Gonçalves

Texto publicado na Coluna Gente Fronteiriça do Jornal Fronteira Meridional em 18/02/2012.


Postar um comentário