quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Poema afora

Foto Ana Klug


Na solidão desses versos,

Dou de cara com a falta de sentido.

Com a razão que inexiste no amor sincero,

Na escuridão profunda em que bate um coração.


Procuro respostas, explicações, “verdades”,

Que por serem transitórias,

Afastam-se cada vez mais de mim,

Enquanto morro aos poucos de olhos bem abertos.


Não sei ao certo onde estarão as pedras do caminho,

Até aqui, aprendi fazendo-as rolar comigo.

Subida acima, rio abaixo...

Poema afora.


Daniel Moreira

Postar um comentário