sábado, 30 de abril de 2011

Lau Siqueira lança livro em Porto Alegre, Curitiba e João Pessoa.

A editora gaúcha Casa Verde lançará no próximo dia 5 de maio, às 20 horas, na Casa de Cultura Mário Quintana,  em Porto Alegre, o livro "Poesia Sem Pele” do poeta Lau Siqueira. O evento faz parte da programação do IV FestPoa Literária, um dos mais importantes festivais de literatura do sul do país. Poesia Sem Pele será o segundo livro da coleção Cidade Poema – projeto que deixou  a capital gaúcha “de frente pro verso” (www.cidadepoema.com) e será o quinto livro deste gaúcho radicado há mais de duas décadas na Paraíba.
Os próximos lançamentos acontecerão no dia 10 de maio, às 19 horas, em Curitiba, num dos points culturais da cidade, o Brooklyn Café. No Paraná o evento será promovido pelo Jornal Memai, órgão de comunicação da colônia japonesa local. Em João Pessoa será no dia 18 de maio, às 20 horas, no pátio do Complexo Juliano Moreira (Avenida Pedro II), como parte da programação de abertura da Semana de Luta Antimanicomial, evento que terá ampla programação, com participação de artistas importantes como Babilak Bah e Tom Zé.
Segundo o poeta, "será um um prazer enorme lançar livro em Porto Alegre por uma editora que aposta nos escritores gaúchos. Também será uma oportunidade rara lançar em Curitiba, cidade de grande tradição literária e em João Pessoa, cidade que me acolheu e me fez conhecido na literatura brasileira contemporânea." 

O lançamento em João Pessoa acontece dentro de um contexto muito especial: a Semana de Luta Antimanicomial. "A sociedade moderna é palco de injustiças históricas. Uma delas se refere ao preconceito com a doença mental. Um fato amparado em métodos criminosos como o confinamento, a lobotomia, o choque elétrico e outras aberrações. Queremos despertar um olhar carinhoso para esta causa. Os artistas sabem, por exemplo, que o Museu de Imagens do Inconsciente, foi criado em 1952 pela Dra. Nise da Silveira, uma alagoana ex-aluna de Carl Jung que ainda hoje é um ícone da luta antimanicomial. Ela foi presa pela ditadura do Estado Novo e virou personagem do livro Memórias do Cárcere, de Graciliano Ramos. Lançar meu livro nesse contexto foi uma decisão que teve a ver com a literatura e seus motivos, mas sobretudo, tem a ver com a nossa condição humana. Como diz Antônio Cândido, "a literatura é um dos direitos humanos", conclui Lau Siqueira.

Segundo o crítico, poeta e Prof. Dr. do Depto de Letras da UFPB, Amador Ribeiro Neto, "Lau consegue tomar a simplicidade de Bandeira e associá-la a requintes de uma linguagem poética que não se entrega de imediato. Acho que entrega-se parcimoniosa e incompletamente variadas vezes. Como toda boa poesia." O poeta, crítico e Prof. Dr. da UFPB, Hildeberto Barbosa Filho, também faz referências ao poeta gaúcho: "Herdeiro dos modernos, herdeiro das vanguardas, herdeiro dos poetas marginais, o poeta gaúcho/paraibano parece provar a efetividade das fusões estéticas, sem comprometer as propriedades idiomáticas de um estilo pessoal e as marcações pontuais de um olhar autônomo."

Citado por críticos e escritores em diversos estados e até fora do país, Lau Siqueira tem poemas traduzidos em diversos idiomas. Foi um dos poetas publicados Na antologia "Na virada do século – poesia de invenção no Brasil", lançada pela Editora Landy (SP), em 2002. Os organizadores, também poetas e críticos Frederico Barbosa e Cláudio Daniel reuniram nesta antologia, nomes importantes da poesia contemporânea, como Arnaldo Antunes, Cláudia Roquette Pinto  e Glauco Mattoso. Para Frederico Barbosa, "Lau trilha um caminho infelizmente raro na poesia brasileira contemporânea: o da experimentação sem preconceitos e busca uma dicção aparentemente espontânea, mas que é fruto de um intenso trabalho com a linguagem. Lição que nos deixaram poetas como Carlos Drummond de Andrade (nos seus melhores momentos), Manuel Bandeira e Mário Quintana."

PELE SEM PELE - www.lau-siqueira.blogspot.com
“Eu me interesso pela linguagem porque ela me fere ou me seduz”.
(Roland Barthes)

DIA 05 DE MAIO, QUINTA-FEIRA

Casa de Cultura Mario Quintana

17h Auditório Luis Cosme Mesa Canção e letra de canção: Antonio Cicero, Frank Jorge e Felipe Azevedo (mediação) 
  
18h30 Auditório Luis Cosme Mesa Satolep-São Luís, a literatura e a música de Zeca Baleiro e Vitor Ramil. Mediação: Guto Leite 

20h Quintana’s bar (Mezanino) Mostra Artística Cabaré do Verbo:escritores e músicos convidados da FestiPoa Literária. Lançamentos: l’amore no”, de Leonardo Marona, e “Poesia sem pele”, de Lau Siqueira.

O autor: 
Lau Siqueira nasceu em Jaguarão,RS. Publicou três livros: O Comício das Veias (Paraíba: Editora Idéia, 1993), O Guardador de Sorrisos (Paraíba: Editora Trema, 1998) e Sem Meias Palavras (Paraíba: Editora Idéia, 2002). Tem poemas publicados nas últimas edições do Livro da Tribo (São Paulo: Editora Tribo) e na antologia Na Virada do Século — Poesia de Invenção no Brasil (São Paulo: Editora Landy, 2002), organizada pelos poetas Frederico Barbosa e Cláudio Daniel.
Postar um comentário