quinta-feira, 7 de abril de 2011

Meu livro do lado da cama é como um revólver. Jaques Rigaut



Avis rara

Um bicho raro é o poeta... um fóssil vivo
Um dinossauro a ser extinto no futuro
Cuja ossada será exposta e – redivivo –
Dirão ter sido um farol frente ao escuro

Mas no presente?... é só um morto-vivo
Tido por doido, sempre aéreo e obscuro
Quando se mostra libertário é um nocivo
Quando faz versos por amor é um imaturo

Feito cigarra que não planta, nem produz
É um grande inútil o poeta... um infeliz
Que se crê (valha-me Deus!) um ser de luz

Vive de sonhos... a voar... sem ter raiz...
Melhor faria preso às varas de uma cruz
Pois nada acrescenta à balança do país!


                                Martim César
Postar um comentário