quarta-feira, 6 de abril de 2011

Um erro em bronze... é um erro eterno. Mario Quintana


A navalha do censor


Em princípio parecia ser somente um acento inofensivo
Um mero traço no papel, meio inclinado e um tanto fino
Quiçá uma mesura ofertada a algum vocábulo feminino
Ou uma lágrima escorrendo sobre um amor substantivo


Porém era grave o tal acento, e bem mais grave seu motivo
(e esse ser 'grave' me dá medo desde os tempos de menino)
Se fosse agudo feito um dente, cortando a carne, incisivo
Não seria tão daninho, nem tão crucial ao meu destino


Mas um acento assim inverso, em uma avessa trajetória
(tal qual navalha de censor, que sem pudor, a tudo arrase)
Chegou assim ceifando tudo e mudou o rumo desta história


Fazendo naufragar o meu poema - vejam só - que triste fase!
E era um poema que eu sonhei ver florescer cheio de glória
E que sucumbiu a ver navios...(pobre de mim!)... maldita crase!




                                         Martim César
Postar um comentário